Brasil

Após revelação de jornal, Bolsonaro diz que “frequento embaixadas pelo país”

Da Redação*
Publicado em 25 de março de 2024 às 17:31

bolsonaro ex-presidente

Foto: Lula Marques/ Agência Brasil.

Continua depois da publicidade

 

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) disse nesta segunda-feira em discurso em São Paulo que frequenta embaixadas e conversa com embaixadores.

“Temos boas relações internacionais, como até hoje mantenho relação com alguns chefes de estado pelo mundo. Frequento embaixadas pelo país, converso com embaixadores. Tenho passaporte retido, se não estaria com Tarcísio e Caiado em viagem a Israel.”

“Muitas vezes esse chefe de estado liga para mim, para que eu possa prestar informações precisas sobre o que acontece no Brasil”, completou o ex-presidente em evento do PL, seu partido, na capital paulista.

A fala de Bolsonaro ocorreu momentos após a Polícia Federal ter decidido investigar a informação de que o ex-presidente permaneceu na embaixada da Hungria, em Brasília, por dois dias após uma operação da PF que apreendeu seu passaporte.

A notícia sobre a permanência na embaixada da Hungria foi revelada nesta segunda-feira (25) pelo New York Times. De acordo com o jornal, vídeos do sistema de segurança mostram Bolsonaro em frente à missão diplomática no dia 12 de fevereiro.

Quatro dias antes, a Polícia Federal havia apreendido o passaporte de Bolsonaro, no âmbito de uma investigação que apura uma trama golpista liderada pelo ex-presidente para mantê-lo no poder apesar da derrota eleitoral para Lula (PT).

Segundo investigadores da PF, é cedo para dizer se houve uma tentativa de fuga, mas é preciso investigar a veracidade e a motivação de o ex-presidente ter ficado na embaixada.

Desde que passou à mira da Justiça após perder as eleições de 2022, o ex-presidente tem insinuado que sair do país poderia ser uma opção, mas que tal iniciativa está descartada por ora.

“Poderia estar muito bem em outro país. Preferi voltar para cá [Brasil] com todos os riscos que corro. Não tenho medo de qualquer julgamento, desde que os juízes sejam isentos”, disse dias atrás, em recado ao STF (Supremo Tribunal Federal), que concentra inquéritos contra ele e seus aliados.

Bolsonaro já foi condenado pelo TSE por ataques e mentiras sobre o sistema eleitoral, por exemplo, e é alvo de diferentes outras investigações no STF. Neste momento, ele está inelegível ao menos até 2030.

Caso seja processado e condenado pelos crimes de tentativa de golpe de Estado, tentativa de abolição do Estado democrático de Direito e associação criminosa, o ex-presidente poderá pegar uma pena de até 23 anos de prisão e ficar inelegível por mais de 30 anos.

Bolsonaro ainda não foi indiciado por esses delitos, mas as suspeitas sobre esses crimes levaram a PF a deflagrar uma operação que mirou seus aliados em fevereiro.

As próximas etapas são a finalização da investigação pela PF, análise da PGR (Procuradoria-Geral da República) e definição por parte do STF se Bolsonaro se transforma em réu para ser julgado em seguida pelo plenário. Caso não se justifique uma preventiva até lá, a eventual prisão dele ocorreria somente após essa última etapa, caso condenado.

*ANA LUIZA ALBUQUERQUE/ SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS)

Valorize o jornalismo profissional e compartilhe informação de qualidade!

ParaibaOnline

© 2003 - 2024 - ParaibaOnline - Rainha Publicidade e Propaganda Ltda - Todos os direitos reservados.