Caso Hospital Padre Zé: MP denuncia compra ‘fantasma’ de monitores durante a pandemia

Da Redação*

Publicado em 06/12/2023 às 12:14

Valorize o jornalismo profissional e compartilhe informação de qualidade!

O Ministério Público da Paraíba (MPPB) apresentou uma nova denúncia relacionada à Operação Indignus, que investiga desvios e fraudes na gestão do Hospital Padre Zé. Esta é a segunda denúncia apresentada pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) do MP sobre as investigações no hospital. No sábado (2), a Justiça havia retirado o sigilo da primeira denúncia.

A acusação envolve uma compra ‘fantasma’ de monitores para a unidade hospitalar durante a pandemia. Apesar dos pagamentos efetuados, os equipamentos nunca foram entregues.

Foto: Ascom

Foto: Ascom/Arquivo

Os denunciados são o padre e ex-diretor da unidade, Egídio de Carvalho Neto, a ex-tesoureira Amanda Duarte e o empresário João Diógenes Holanda.

Em 2021, o Hospital Padre Zé firmou um “Termo de Fomento” com a Prefeitura de João Pessoa para a compra de medicamentos e a aquisição de 38 monitores multiparamétricos. No entanto, os investigadores afirmam que os recursos destinados à aquisição desses equipamentos foram desviados.

Segundo a denúncia, o padre Egídio recebeu parte dos recursos desviados em sua conta bancária e deu ordens para transferências de dinheiro. As transações foram ‘maquiadas’ com a apresentação de uma nota fiscal falsa para burlar a prestação de contas à prefeitura.

Egídio é enquadrado para responder por peculato, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. Amanda e João Diógenes são denunciados pela prática de peculato.

Na primeira denúncia, o MP acusa o padre Egídio e duas ex-diretoras de fraudes na compra e aluguel de um veículo Spin.

*Informações do G1 Paraíba.

2021 - ParaibaOnline - Rainha Publicidade e Propaganda Ltda - Todos os direitos reservados.

BeeCube