MPPB e Polícia Civil discutem aprimoramento de inquéritos em Campina Grande

Da Redação com Ascom

Publicado em 02/12/2023 às 20:38

Valorize o jornalismo profissional e compartilhe informação de qualidade!

O Ministério Público da Paraíba realizou, na manhã da quinta-feira (30), uma reunião com representantes da Polícia Civil para tratarem sobre assuntos específicos dos inquéritos policiais e sobre a Orientação Conjunta 001/2023. Ao final, foram requisitadas algumas medidas pelos promotores de Justiça.

A reunião foi conduzida pelos promotores de Justiça do 1º e 2º Tribunais do Júri de Campina Grande, respectivamente, Osvaldo Lopes Barbosa e Luciara Lima Simeão Moura, e teve a participação de representantes da Superintendência da Polícia Civil e delegados da Delegacia de Homicídios.

Foto: Ascom/MPPB

Foto: Ascom/MPPB

Durante a reunião, foram discutidos temas relativos aos Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) e dados, inquéritos paralisados, dificuldade na instrução processual e casos de tentativa de homicídio.

Os promotores destacaram que o Ministério Público se preocupa com o andamento dos inquéritos e que não mede esforços em acentuar que toda a sociedade merece e deve ser atendida, e que o MPPB, como órgão fiscalizador, exerce seu poder de atuação em prol da população.

O superintendente Paulo Enio Vasconcelos alegou que a Polícia Civil tem dificuldades com relação ao número de agentes e complicações de áreas de risco para angariar testemunhas; que irá se reunir com os gestores superiores para requisitar força tarefa e nomeação de delegado para Lagoa Seca.

O coordenador da Delegacia de Homicídios de CG, Ramirez Pedro, afirmou que 2023 será o ano com o menor número de homicídios já computados. Ele também falou sobre a dificuldade da Polícia Civil em angariar testemunhas, em provas técnicas e elaboração de relatórios.

Medidas

Ao final, os promotores requisitaram medidas como a realização de uma força-tarefa na Delegacia de Lagoa Seca e distritais para melhor andamento dos inquéritos; e a orientação da equipe especializada da DEAM, em casos de tentativa de feminicídio, para que haja melhor instrução dos inquéritos, com oitiva da vítima, laudos e/ou prontuário médico, oitiva de parentes, vizinhos, testemunhas, para que possa corroborar com a devida instrução processual.

Também ficou requisitada a adoção de providências para qualificação necessária de testemunhas com telefone, inclusive familiares das vítimas e acusado (com dados e endereço), documentos pessoais, apelidos, pontos de referência de endereço, além de oitiva de testemunhas familiares, vizinhos, policiais da ocorrência, face a necessidade de notificação em casos de arquivamento, conforme a Orientação Conjunta 001/2023.

2021 - ParaibaOnline - Rainha Publicidade e Propaganda Ltda - Todos os direitos reservados.

BeeCube