Jornalista há quase 30 anos, escreve a coluna Aparte desde 1991. Já trabalhou em TV, rádio e foi editor chefe do Jornal da Paraíba e colunista das TVs Cabo Branco e Paraíba. É comentarista político das rádios Campina FM, Caturité AM e editor do portal de notícias Paraibaonline.

terça-feira, 24/04/2018

PT/PB ensaia voo solo

Pré-lançamento

A vice-governadora Ligia Feliciano (PDT) reuniu correligionários ontem, em Campina, e recolheu deles o apoio para se lançar na disputa pelo governo estadual.

“Estou muito feliz com o que ouvi. Escutei vereadores, prefeitos e estou tendo o apoio de cada liderança do meu partido pra seguir em frente. Tenho apoio da direção nacional e agora o meu partido regional também”, declarou Lígia, através de sua assessoria.

 

Sequenciamento

“Todo mundo sabe o trabalho, a dedicação e as mudanças que este Estado viveu. Essas ideias pertencem a todos nós. Sou vice-governadora e defendo a ideia de continuidade”, acrescentou a vice.

Candidata

Para o deputado Damião Feliciano (PDT), a sua esposa “colocou o pé na estrada”.

Na Serra

O senador e presidenciável Álvaro Dias (Podemos-PR) vai participar de um debate na Associação Comercial de Campina Grande, dia 2 de maio, às 19h.

Resgate

A posse do prefeito Luciano Cartaxo (JP), no final de semana, como novo presidente do PV no Estado, foi convertida numa espécie de pré-lançamento da candidatura de Lucélio Cartaxo a governador.

A seguir, a Coluna resume o evento.

Virar a página

Primeiro orador, o presidente nacional do PV, José Luiz Pena, frisou o “momento difícil da política brasileira”, e grifou que “o desejo de mudança contra a política conservadora e tradicional é inevitável”.

“Vamos dizer que o Brasil tem jeito”, arrematou.

Democracia…

Ex-candidato a presidente da República pelo PV, o médico sanitarista Eduardo Jorge assinalou que “o Brasil vive um momento muito especial. Alguns dizem que a democracia não funciona e está em crise. Arautos da esquerda e da direita ameaçam o povo com soluções que não acreditam na democracia”.

… Pra valer

“Nós não vivemos um momento de retrocesso na democracia. O fato de lideranças importantes, que tiveram um papel importante na política recente do Brasil, terem cometido erros e crimes; terem sido julgadas e condenadas, isso não é retrocesso. É afirmação da democracia! Diferente dos períodos autoritários, a lei é uma só, e para todos! É bom se acostumar com isso!” – exclamou Eduardo, para ressalvar que “o PV não é um partido de ódio, nem deixa de conhecer as coisas feitas”.

Duas…

Ao discursar, o deputado Rômulo Gouveia, presidente do PSD/PB, disse que aquele evento era “o 1º passo das oposições na Paraíba. Mas, acima de tudo, é o 1º passo de mudanças, de transformações, de novas práticas na política”.

… Motivações

“Mas é também o momento da reafirmação de nosso desejo de vencer as eleições na Paraíba”, concluiu.

Sem coronelismo

Presidente do PSDB/PB, o ex-deputado Ruy Carneiro disse que Luciano Cartaxo “faz politica num agrupamento onde não existem coronéis”.

Ofertar

“Mais do que uma chapa, vamos oferecer à Paraíba um projeto que melhore as vida das pessoas”, asseverou o ´tucano´.

Transferência

Em rápido pronunciamento, o vereador pessoense João Almeida, vice-presidente do Solidariedade na Paraíba, externou o desejo de que o seu partido integre a coligação, e sugeriu que a convenção ocorresse em Campina Grande, no Parque do Povo.

Convicto

Prefeito de Guarabira e dirigente do PSDB, Zenóbio Toscano disse que ali estava para testemunhar “o passo inicial de uma campanha que vai empolgar a Paraíba por inteiro”.

Troco

“O povo vai dar uma resposta ao governo que está ai, que de republicano não tem nada e que discrimina os prefeitos paraibanos”, adendou ZT.

Expandido

O senador Cássio fez um discurso prolongado. Eis alguns frases, a começar pelo elogio à administração de JP: “Um modelo de gestão que é bem sucedido, tem a aprovação majoritária do povo de Joao Pessoa e que pode ser levado para toda a Paraíba”.

Adiante

“A aliança que estamos fazendo representa um olhar voltado para o futuro, sem ressentimento, sem ódio, sem tolerância ou rancor, procurando mostrar que, acima de qualquer outra coisa, a política é um espaço para cuidar das pessoas, tratá-las com respeito, decência, dignidade e diálogo.

Segregados

“Não é possível mais viver num Estado onde uma parcela dos municípios está literalmente riscada do mapa, pela prática da perseguição política.

Compromisso

“O que vem dando certo terá prosseguimento e continuidade, para o bem da coletividade, sobretudo no que diz respeito às obras. Mas precisamos de mudanças.

Destroçada

“O atual governo chega ao seu final com um fracasso retumbante na segurança pública. Não há como achar que a segurança pública na Paraíba vai bem.  A saúde é um desafio igual.

Tributação

“Precisamos mudar essa lógica de aumento constante de impostos, que aprofunda o desemprego.

Batalha

“É um momento de coragem; é um momento de transformação, onde interesses políticos e partidários não podem estar acima dos interesses do Brasil. E a grande luta que temos que travar neste País, para que ele melhore definitivamente, é a luta contra a impunidade.

Punição

“Quem errou, que pague pelos seus erros. Quem não tem culpa, que seja absolvido de acusações que não prosperam. É a impunidade que precisa ser combatida (…) A corrupção é resultado direto também da impunidade.

Incondicional

“Qualquer que seja o partido, o meu ou o dos outros, errou tem que pagar para que nós possamos construir uma nação melhor e decente, que olhe para o amanhã com coragem e altivez.

Concretude

“Isso não é só discurso. Apresentei um projeto no Senado que garante a execução das penas a partir da 2ª instância (…) Foi a impunidade que permitiu que o País chegasse a esse descalabro”.

Gravidade

Ao falar na cerimônia do PV, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB) ponderou que “é preciso ter responsabilidade com o momento que o País vive”.

Incabível

“Estamos na política para trazer esse senso de responsabilidade. O povo não pode pagar a segurança de um ex-governador quando vai para a rua e não consegue andar com tranquilidade. Isso não cabe mais no Brasil”, conceituou PCL.

Esgotado

Pedro disse que atua nesse processo eleitoral com “o sentimento de ruptura com um sistema político que está dando errado”.

“A Paraíba pode e merece mais do que apenas uma continuidade”, finalizou.

Humanização

Empossado como novo dirigente do PV/PB, Luciano Cartaxo disse que comanda um governo no qual a gestão “é humanizada. Não é a gestão da obra pela obra. Primeiro a gente escuta e depois a gente faz”.

“Campina Grande também é uma referência de gestão para todos nós”, completou.

Prestigiado

“Esse momento é o da posse no diretório, mas já está com cara de convenção.

Avançar

“É possível fazer mais pelo nosso Estado; é possível melhorar a vida do povo.

Matéria-prima

“A pré-candidatura de Lucélio tem calor humano, humildade e simplicidade, mas com coerência e respeito às pessoas.

Cuidar de gente

“Política com os pés no chão, com maturidade, com equilíbrio, com respeito às pessoas, mas apresentando resultado no dia a dia. Para cuidar do Estado, é preciso primeiro cuidar das pessoas. E nada melhor do que ter um candidato que tem coração.

Habilitado

Lucélio está credenciado para ser o próximo governador da Paraíba. E isso será feito sem autoritarismo, sem querer mandar nas pessoas, dizendo que só ele sabe fazer, mas com humildade para aprender.

Recordando

“Quando nós chegamos à prefeitura, em 2013, para governar a cidade, nós também fomos acusados de que não sabíamos administrar; que nós não tínhamos experiência para governar uma cidade com tantos habitantes; que existia um governo anterior (RC) na prefeitura pessoense que já tinha feito tudo nesta cidade. E nós mostramos que era possível fazer mais, e fizemos mais por João Pessoa!

Desafio

“Se quiserem comparar, vamos comparar. Se o tema da eleição for a comparação, nós aceitamos de imediato, porque já comparamos em 2016. E quem decidiu quem fez mais foi o povo de João Pessoa.

Sem hesitação

“Vamos para o processo eleitoral de cabeça erguida, porque João Pessoa hoje é outra cidade. Vamos fazer o bom debate. Vamos responder cada acusação, cada mentira, cada calúnia, com mais trabalho e resultados”.

Marco

Ex-presidente do PV no Estado, o ex-deputado Sargento Dennis destacou que “esse é mais um momento histórico que estamos presenciando”.

Agigantar-se

“É muito bom estar num partido grande, mas construir uma história não tem preço. E nós estamos construindo agora o maior partido da Paraíba. Jogamos a semente e vai crescer e florescer”, discursou se referindo ao prefeito pessoense.

Largada

Último orador na solenidade do PV, Lucélio Cartaxo começou lembrando que “estamos iniciando uma caminhada, e nesse começo é fundamental sentir o calor humano”.

Equipe

“O Governo de Cartaxo não é o governo de um homem só, mas de pessoas de carne e osso que trabalham e dão duro para transformar João Pessoa”, pontificou.

Não importa

Par o pré-candidato a governador, “nós não temos que estar preocupados com o que está dizendo a oposição à nossa caminhada. Temos que estar preocupados com o povo da Paraíba”.

Sem parceria

Lucélio Cartaxo condenou a falta de incentivos do governo estadual ao Maior São João do Mundo: “Isso é uma política velha, arcaica, que não cabe na cabeça de ninguém”.

Tom de campanha

“Penso sempre que um mais um é sempre mais que dois (citação de verso da música O Sal da Terra, de Beto Guedes)”, comentou o postulante ao Palácio da Redenção, prometendo conceber “um programa de governo que não será feito dentro de quatro paredes”, como também “uma campanha de alto nível”.

O detalhe

Toda a solenidade de posse de Luciano Cartaxo no PV teve como ´fundo musical´ a canção ´Anunciação´, do compositor pernambucano Alceu Valença.

Na tela

O presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), juiz Guilherme Guimarães Feliciano, é o entrevistado de hoje no programa Ideia Livre, que começa às 22h15 na TV Itararé – canal 18.1 (HD) e 19 (analógico), ou ainda pela internet no endereço www.tvitarare.com.br

O detalhe

Dois temas abordados no programa: reforma trabalhista e o polêmico auxílio-moradia pago indistintamente a todos os magistrados brasileiros.

Da boca de…

“… O PR está avaliando as opções. A candidatura de João Azevedo (PSB), que eu não tenho nada contra, não tem ainda a simpatia do povo paraibano. E Ricardo, por mais trabalho que tenha feito pela Paraíba, e reconheço isso, não consegue transferir votos e João não tem tido essa ascensão…” (deputado federal Wellington Roberto).

Não tem perdão

Através de seu presidente na Paraíba, Jackson Macedo, o PT retomou ontem a cogitação de uma candidatura própria a governador, diante da inclusão, na chapa majoritária do PSB, de candidatos filiados a partidos “golpistas” – que apoiaram o afastamento da ex-presidente Dilma.

A decisão será tomada no dia 26 de maio.

“Ter candidatura própria, para o nosso partido, não é nenhum sacrifício”, assegurou o dirigente petista.

 

O Gaeco (MPPB) mira o interior paraibano...
Simple Share Buttons