DECEPÇÃO

Meia do Atlético-PB lamenta ter que disputar o quadrangular da morte

05/03/2018 às 14:53

Fonte: Da Redação

O início da campanha do Atlético de Cajazeiras foi irregular, com duas vitórias e duas derrotas nas quatro primeiras rodadas. Ainda assim, se imaginava que o time, que manteve a base semifinalista do estadual em 2017, conseguiria se classificar para a próxima fase do Paraibano sem muita dificuldade.

Mas quem achou isso, achou errado.

Da quinta partida em diante, o Trovão Azul só conseguiu somar mais dois pontos, em empates contra Campinense e Auto Esporte. A quarta colocação ao fim da primeira fase, com oito pontos ganhos, leva o time cajazeirense a ter que disputar o quadrangular da morte.

Camisa 10 do Atlético-PB, o meia Cleitinho lamentou a reta final ruim que o time fez e, principalmente, os gols sofridos no fim das partidas, que impediram uma melhor classificação do time no campeonato.

Foto: Voz da Torcida

– A gente fez bons jogos, mas acabamos sendo punidos no fim dos jogos com gols. Foi assim contra o Campinense, contra o Sousa. Não temos explicação. Sabíamos que poderíamos ter nos classificado, mas não deu. Agora é buscar a permanência na primeira divisão neste torneio da morte – disse.

Para brigar contra o rebaixamento, o Trovão terá pela frente Nacional de Patos, Desportiva Guarabira e Auto Esporte, em jogos de ida e volta. Os dois primeiros colocados garantem permanência na elite do futebol estadual.

Pregando respeito aos adversários, Cleitinho disse que o Atlético de Cajazeiras precisa se levantar do baque e mostrar sua força para evitar o descenço.

– É um novo campeonato, um campeonato difícil. Sabemos da força do Auto Esporte, do Nacional, da Desportiva Guarabira. Temos que buscar ficar na primeira. Mas sabemos também da nossa força. Temos que levantar a cabeça que agora é outro campeonato – concluiu.

Veja também

Comentários

Simple Share Buttons