Fechar

Fechar

Conhecido o campeão da Copa do Brasil de 2018

Da redação com Gazeta.net. Publicado em 17 de outubro de 2018 às 23:52.

Foto: Djalma Vassão/Gazeta Press

Foto: Djalma Vassão/Gazeta Press

A vantagem conquistada no Mineirão pesou a favor do Cruzeiro nessa quarta-feira, dentro da Arena Corinthians. O time mineiro soube suportar uma tentativa alucinada dos alvinegros em busca da virada e, com um contra-ataque fatal, garantiu o hexa da Copa do Brasil (1993, 1996, 2000, 2003, 2017 e 2018) com um novo triunfo sobre os corintianos, dessa vez por 2 a 1.

O árbitro de vídeo acabou sendo protagonista na finalíssima ao auxiliar a arbitragem na hora de confirmar o pênalti que originou o gol de empate dos paulistas, mas foi ainda mais determinante ao anular o gol da virada do Corinthians pouco antes do segundo gol cruzeirense.

A necessidade da vitória e o histórico do ataque inofensivo no Mineirão levaram Jair Ventura a apostar em uma escalação inédita. Douglas, Mateus Vital, Clayson e Pedrinho começaram no banco de reservas. Gabriel, Emerson Sheik e Jonathas foram as apostas do treinador, que dessa forma também modificou o esquema tático da equipe.

Antes mesmo da bola rolar, o comandante corintiano recebeu críticas pesadas pela opção escolhida. E no campo o pessimismo se confirmou. Os donos da casa sentiram o desentrosamento e demoraram a criar alguma chance real de gol.

Para piorar, a ausência de qualidade individual voltou a pesar contra os corintianos. Os erros de passes, de domínio, nas decisões das jogadas irritavam os mais impacientes. E uma dessas falhas acabou sendo fatal.

O Cruzeiro, com a vantagem conquistada em Belo Horizonte, se postou na defesa e aguardou a hora certa. E o momento tão esperado pelos mineiros não demorou a acontecer.

Uma virada de jogo equivocada de Romero dificultou o domínio de Léo Santos. Ao tentar evitar um simples lateral, o jovem zagueiro acabou deixando a bola limpa para Rafinha. O contra-ataque chegou em Barcos, que mandou para o gol e viu Cássio e a trave evitarem o gol. No rebote, Robinho mandou para as redes.

O baque foi sentido pelos corintianos. Pouco depois, em bola levantada à área, Dedé mandou novamente balançou a trave de Cássio. A resposta e melhor oportunidade alvinegra só veio a 15 minutos do intervalo. Henrique, com total liberdade, cabeceou pela linha de fundo.

Apesar dos dois volantes amarelados e de um centroavante ineficiente, Jair Ventura não perdeu sua convicção e manteve os mesmos jogadores para o segundo tempo. Certo ou errado, tudo que Jair queria e os cruzeirenses temiam aconteceu.

Com apenas cinco minutos, Thiago Neves cometeu pênalti em Ralf. O árbitro Wagner do Nascimento Magalhães precisou rever a jogada após ouvir o árbitro de vídeo, Wilton Pereira Sampaio, para assinalar a cal. Jadson, então, chamou a responsabilidade e não vacilou.

O clima favorável e a explosão nas arquibancadas levaram o Corinthians à pressão. O tempo, porém, jogava contra os paulistas. Por isso, Pedrinho foi chamado para substituir Jonathas.

Foto: Djalma Vassão/Gazeta Press

Foto: Djalma Vassão/Gazeta Press

E assim como na semifinal contra o Flamengo, pouco depois de pisar no gramado, a estrela do menino da base corintiana brilhou. Um arremate improvável, de longe, entrou no ângulo de Fábio. Um verdadeiro golaço, mas que acabou anulado após o árbitro novamente consultar o VAR. Um toque de Jadson, com o braço, em Dedé, na origem da jogada, na interpretação de Wagner do Nascimento Magalhães foi suficiente para que a virada do Corinthians fosse anulada.

A sensação de frustração na Arena foi inevitável. Pedrinho parecia não acreditar. Clayson e Vital ainda entraram nas vagas de Emerson e Gabriel, mas correr atrás de mais um gol não seria fácil para o Corinthians.

Os espaços foram deixados. E o cenário ficou propício para o Cruzeiro. Que de novo foi fatal na única oportunidade que teve. Arrascaeta ficou cara a cara com Cássio e mostrou por que a diretoria celeste se esforçou tanto para lhe trazer a tempo de jogar a final. Um leve toque por cobertura praticamente decretou o título dos visitantes.

Restou ao Corinthians lutar e se empenhar até o fim em busca do improvável. O milagre, no entanto, não apareceu em Itaquera. O consolo do elenco se deu pelos aplausos e gritos de incentivo da Fiel mesmo com o vice-campeonato confirmado.

A temporada agora continua para as duas equipes com o Campeonato Brasileiro. A missão de ambos é a mesma: se afastar da zona de rebaixamento e tentar, quem sabe, chegar ao G6. O Corinthians, 11º, com 35 pontos, visita o Vitória, no Barradão, domingo, às 17h. No mesmo dia, mas às 19h, o Cruzeiro, de ressaca pelo título, receberá a Chapecoense em BH.

FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS 1 X 2 CRUZEIRO

Local: Arena Corinthians, em São Paulo (SP)
Data: 17 de outubro de 2018, quarta-feira
Horário: 21h45 (Brasília)
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ)
Assistentes: Rodrigo Figueiredo Henrique Correa e Bruno Boschilia (ambos do RJ)
Cartões amarelos: Ralf, Gabriel, Emerson Sheik, Fagner, Jadson e Clayson (COR); Rafinha, Thiago Neves, Robinho (CRU)
Público: 45.978 pagantes
Renda: R$ 5.108.151,00

GOLS:
Corinthians: Jadson, de pênalti, aos nove minutos do segundo tempo
Cruzeiro: Robinho, aos 29 minutos do primeiro, e De Arrascaeta, aos 37 minutos do segundo tempo

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Léo Santos, Henrique e Danilo Avelar; Ralf, Gabriel (Mateus Vital) e Jadson; Romero, Emerson Sheik (Clayson) e Jonathas (Pedrinho)
Técnico: Jair Ventura

CRUZEIRO: Fábio, Edílson, Léo, Dedé e Lucas Romero; Henrique, Ariel Cabral, Robinho, Thiago Neves (Lucas Silva) e Rafinha (Arrascaeta) ; Barcos (Raniel)
Técnico: Mano Menezes

Matérias Relacionadas
Simple Share Buttons

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube