Fechar

logo

Fechar

Unidade nacional

Dom Genival Saraiva. Publicado em 29 de outubro de 2018 às 9:27

Realizado o segundo turno das Eleições de 2018, a população brasileira se coloca perante o resultado encontrado nas urnas de várias maneiras: na atitude silenciosa ou exaltada das pessoas, na discussão serena ou acalorada dos grupos, na posição respeitosa ou agressiva dos usuários das redes sociais, na divulgação objetiva ou tendenciosa dos meios de comunicação social, na leitura sensata ou corporativista da classe política, na palavra opinativa ou fundamentada dos analistas políticos, na interpretação parcial ou objetiva dos institutos de pesquisa de opinião pública. Nessa matéria e nesse universo humano, nada é consensual, obviamente, em razão da pluralidade de pontos de vista, de convicções. Ciente de seu direito e consciente de seu dever, a Igreja se pronuncia perante realidades terrestres e temporais porque “as coisas terrenas e aquelas que na condição dos homens transcendem este mundo, unem-se estreitamente, e a mesma Igreja usa os bens temporais à medida que sua própria missão o exige. (…) Além disso é justo que possa, sempre e em toda parte, pregar  a fé com liberdade verdadeira, ensinar a sua doutrina social, exercer livremente a sua missão entre os homens e ainda emitir juízo moral, também sobre as realidades que dizem respeito à ordem política, quando o exijam os direitos fundamentais da pessoa ou a salvação das almas, empregando todos os recursos, e somente estes, que estão de acordo com o Evangelho e com o bem de todos, conforme a diversidade dos tempos e das situações.” (Constituição Pastoral Gaudium et Spes, n.76),

(GS, n.76). Esse é o ensinamento deste Documento do Concílio Vaticano II (1962/1965), “sobre a Igreja no mundo de hoje”.

O Concílio Vaticano II aborda a relação entre a “Comunidade Política” e a Igreja, nesses termos: “Principalmente onde vigora a sociedade pluralística, é de grande importância que se tenha a conveniente consideração da relação entre a comunidade política e a Igreja: claramente se distinga entre as atividades que os fiéis, isoladamente ou em grupos, guiados pela consciência cristã, executam em seu nome como cidadãos e as que realizam em nome da Igreja, juntamente com os pastores. A Igreja que, em razão da sua finalidade e competência, de modo algum se confunde com a comunidade política e nem está ligada a nenhum sistema político, é ao mesmo tempo sinal e a salvaguarda do caráter transcendente da pessoa humana. Cada uma em seu próprio campo, a comunidade política e Igreja são independentes e autônomas uma da outra. Ambas, porém, embora por título diferente, estão a serviço da vocação pessoal e social dos mesmos homens. Tanto mais eficazmente executarão para o bem de todos este serviço, quanto melhor cultivarem entre si a sã cooperação, consideradas também as circunstâncias dos tempos e lugares. (…) Pregando a verdade evangélica, e iluminando todos os setores da atividade humana pela sua doutrina, pelo testemunho dos fiéis cristãos, a Igreja respeita e promove também a liberdade política e a responsabilidade dos cristãos. (GS, n.76)

Como ensinam os Padres Conciliares, a Igreja, guiada pela sabedoria divina, revelada ao longo dos milênios, é uma presença identificada por sua palavra iluminadora, de conformidade com os “lugares e tempos”, como no “aqui e agora” da vida brasileira. “Em virtude de sua missão que é iluminar o mundo inteiro com a mensagem evangélica e reunir em um único Espírito todos os homens de todas as nações, raças e culturas, a Igreja torna-se o sinal daquela fraternidade que permite e consolida um diálogo sincero. Isto, porém, requer, em primeiro lugar, que promovamos no seio da própria Igreja a mútua estima, respeito e concórdia, admitindo toda a diversidade legítima, para que se estabeleça um diálogo cada vez mais frutífero entre todos os que constituem o único Povo de Deus, sejam os pastores, sejam os demais cristãos. O que une os fiéis é com efeito mais forte do que aquilo que os separa. Nas coisas necessárias reine a unidade, nas duvidosas a liberdade, em tudo a caridade”. (GS, n.92)

A Igreja no Brasil se pronunciou, em muitas ocasiões, como no curso da campanha eleitoral, e o fará sempre, através da CNBB e de cada Bispo, em sua respectiva Diocese. Nessa fase de transição, com o término e a proximidade do início de mandatos, nos poderes executivo e legislativo, nos âmbitos federal, distrital e estadual, a sua palavra proclama a necessidade de “um diálogo sincero” entre os brasileiros. A palavra que a Igreja dirige aos fiéis vale para os cidadãos e cidadãs: aquilo que une os brasileiros “é com efeito mais forte do que aquilo que os separa.” Na verdade, o sentimento de unidade nacional está acima de ideias e de cores partidárias que falaram à mente e ao coração dos brasileiros, racional e emocionalmente, durante o período eleitoral. Em qualquer situação, o Brasil deve ser visto sempre como um País de todos.

Share this page to Telegram

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

Mais colunas de Dom Genival Saraiva
Dom Genival Saraiva

*Administrador Apostólico da Arquidiocese da Paraíba

[email protected]

Arquivo da Coluna

Arquivo 2018 Arquivo 2017 Arquivo 2016 Arquivo 2015

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube