Quantcast

Fechar

logo

Fechar

Transporte Público e Policia: dois dos mais incompreendidos setores (II)

Mário Tourinho. Publicado em 1 de setembro de 2018 às 20:44

Por Mário Tourinho

 

Já dissemos que até nossa Carta Magna, em seu capítulo específico, restringe o segmento Segurança Pública à estrutura policial nela discriminada. E também afirmamos que, a depender só das ações pertinentes aos respectivos órgãos policiais, a população jamais se sentirá tranquila e sem essa síndrome do medo que a todos atinge, isto porque tais ações são vistas pelas próprias autoridades policiais como um trabalho “enxuga gelo”.

O que pretendemos enfatizar é que o segmento Segurança Pública envolve bem mais aspectos do que apenas as estruturas de polícia. Precisa, pois, também, de uma legislação penal mais rigorosa.

Precisa, igualmente, que a Justiça funcione com mais celeridade e sem complacência.

Precisa, de igual modo, que a sociedade tenha menos pena quanto ao tratamento (em especial de acomodações) que dispensa aos presos do que o tratamento dispensado a tantos outros brasileiros que estão sem teto (ou com teto precaríssimo), andando pelas ruas sem emprego e a estender as mãos pedindo “uma esmola pelo amor de Deus”!

Quanto ao segmento Transporte Público, principalmente o tradicional “transporte coletivo por ônibus, no setor urbano”, indispensável entender-se que, embora concessão pública, trata-se de um serviço operado por empresas privadas que precisam fazê-lo em condições de equilíbrio econômico-financeiro para dar-lhe sustentabilidade, do contrário desmorona, sucateia-se, precariza-se e por fim prejudica a própria população em razão do mau serviço prestado.

O Transporte Público, como o próprio nome o indica, corresponde a um serviço público, gerenciado e disciplinado por órgão público! Sua tarifa, que corresponde ao valor pago como “passagem” pelos passageiros, é igualmente definida pelo competente órgão público, que, para tanto, empenha-se para estabelecer uma tarifa módica (portanto, compatível com a renda média da população) e que também seja capaz de dar equilíbrio econômico-financeiro para a realização desse serviço, ou seja, dar-lhe sustentabilidade.

A propósito, há cidades, como São Paulo, em que a tarifa real, municipal, tem seu valor calculado pela SPTrans (a Semob/JP de lá) em R$ 6,96. Entretanto, por decisão política da respectiva Prefeitura, aos passageiros só é cobrado um valor de R$ 4,00, cabendo ao município subsidiar a diferença de R$ 2,96 o que provocou que no orçamento público municipal paulistano conste, neste ano de 2018, uma verba de subsídio de um pouco mais de R$ 3 bilhões! Repetimos, para evitar dúvidas: em SP, neste exercício de 2018, mais de R$ 3,0 como subsídio público.

Share this page to Telegram

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

Mais colunas de Mário Tourinho
Mário Tourinho

Administrador, atual presidente da Academia Paraibana de Ciência da Administração (APCA), ex-diretor institucional do Conselho Federal de Administração, ex-presidente do Conselho Regional de Administração, pós-graduado em planejamento operativo, diretor executivo do Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de João Pessoa de 1993 a 2016.

[email protected]

Arquivo da Coluna

Arquivo 2018 Arquivo 2017 Arquivo 2016 Arquivo 2015

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube