Fechar

Fechar

Tessituras

Elizabeth Marinheiro. Publicado em 2 de dezembro de 2017.

Por Elizabeth Marinheiro (*)

Chegou dezembro! Muito vinho para poucos e muito “sangue” para muitos… Opostos que jamais se atrairam. Desigualdades. Os políticos já começaram a campanha/18 mostrando obras enganosas. Lá vem mais um cachorro abandonado. Há um “jogo de cartas marcadas” vitimando minha amiga…

Amanhã são dia quatro de dezembro! Falta-me palavras quando a dor é a maior do mundo. O três, perto do quarto, é igual a todos os dias de todos os anos. Vinte-e-oito anos que se multiplicam no infinito de mim.

Ouço os pássaros cercando meu jardim. Cantam: “vai curtir o restante porque auroras chegam”. Pássaros equivocados… Um gol passa nesta rua em velocidade máxima. Perigo maior porque asfaltaram esta rua pela metade. Rancor é pior que velocidade… Ah, quanta saudade de D. Luiz Gonzaga Fernandes!

No Rio a “Help” e o “Rio Sul”; Recife, João Pessoa e Salvador – sempre com inúmeros amigos – tomam conta do meu imaginário.

Mas, DEUS, por sua Misericórdia, permite-me dizer: eu existo sem saber quem sou.

A vida é bela. O mar encanta. As palmeiras solfejam. As paqueras. Airton Sena, herói. Porém você, somente Você é meu herói. Bem perto de mim, toma coca-cola. Copos no chão.

E do chão, nascerá frutos.

Há frutos no Céu dos Anjos!

Aromas de Jasmins

“Eu não quero contar-lhe o meu desejo” porque “O meu anjo da guarda sorriu/ E voltou para junto do Senhor”

Anjo e Estrela encontram-se!…

PARA VOCÊ É DEZEMBRO.

  • Eu tomo alegria!” Bandeira

  • Sobre o lado ímpar da memória

o anjo da guarda esqueceu

perguntas que não se respondem”. Cabral de Melo Neto.

  • O peso da vida vazia

E os restos da fantasia

Vão o choro aumentar…” Goretti Ribeiro

  • Estrelas adormecidas

pastoreiam uma lua nova.” Carlos Alberto Jales

  • De onde

a subversão,

não importa”. Figueiredo Agra.

  • não escrevi à faca

o teu nome

no tronco do sapotizeiro

mas na raiz.

Na mais profunda raiz de mim mesmo”

  • Casa sem cautela

da juventude rebelde

esta cidade é o princípio

de todos os movimentos”. José Nêumanne Pinto

  • Todas as palavras são moedas perdidas”. Lêdo Ivo

  • Então, se geram

Subtil remorso e a saudade amada

Tal por divertimento nos fizeram…” Sousândrade

DIA OITO.

Nossa Senhora da Conceição rogai a Deus por todas(os) nós!

E ao meu leitor, o perfume dos lírios.

(*) Ensaísta

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

Elizabeth Marinheiro

falecom@fhc.com.br

Simple Share Buttons

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube