Fechar

Fechar

Tempos e costumes

Dom Genival Saraiva. Publicado em 14 de fevereiro de 2017 às 22:14

Num país democrático coexistem três níveis (municipal, estadual e federal) e três âmbitos (executivo, legislativo e judiciário) do Poder Público, cuja razão de ser é o bem comum. A vida de indivíduos e do povo, de uma ou de outra forma, está sempre relacionada com essas instâncias, no tocante aos seus direitos e deveres. Pra começar, os dados de identificação de uma pessoa começam com a naturalidade, o lugar onde nasce o cidadão, e a nacionalidade, que cria vínculos afetivos, sociais, culturais e políticos. Em razão disso, embora tenham nascido em municípios diferentes, por estarem localizados no Amapá ou na Paraíba, dois cidadãos sentem-se brasileiros com a mesma marca. É indiscutível que o cordão umbilical da cidadania liga a pessoa, mais proximamente, ao seu município de origem ou de moradia. Uma forma de expressão desse vínculo é a participação do cidadão, de forma mais apaixonada, na vida do município por ocasião das eleições, quando são escolhidos homens e mulheres para cargos executivos e legislativos.

Apesar de um maior rigor da legislação, nesse campo ainda há velhos costumes e muitos vícios, a exemplo do peso do poder econômico e da influência da mídia no processo eleitoral. Com a posse dos prefeitos e vereadores, a população está diante de novos tempos e velhos costumes. São novos tempos diante do mandato de 4 anos, mesmo quando ocorreu o caso da reeleição. A essa altura, passou o primeiro mês das novas administrações municipais. Na prática, mudança de administração nem sempre significa mudança de qualidade, não obstante tenha sido essa a tônica dos discursos no período eleitoral. Embora cedo, já se pode perceber, de certa forma, qual é a sinalização das novas administrações.

Provavelmente, na maioria dos municípios, está falando mais o continuísmo pragmático dos interesses pessoais, familiares e corporativos do que a inovação que tem como foco o bem comum. Nessa linha, basta considerar um elemento – a composição do quadro de auxiliares, e já se perceberá que o nepotismo e o apadrinhamento continuam acentuados em muitos municípios, com a nomeação de familiares e amigos, em lugar da contratação de pessoas qualificadas. Esse velho costume tem raízes muito sólidas, a ponto de encontrar sustentação em parágrafos ou alíneas de legislações aprovadas com nítidos interesses corporativistas. Alguns exemplos atestam isso. Alguns prefeitos e vereadores assumiram a função “sub iudice”, diante do que consta no registro de seu passado pessoal ou público. Outro exemplo: a questão salarial. Obviamente, a legislação é feita para atender a interesses; por isso, a legislação que aprova arrocho nos salários de servidores públicos contém dispositivos que favorecem à classe política e determinados segmentos do poder. Por essas e tantas outras coisas desse gênero, Dom Helder Câmara já afirmava, com razão, que “nem tudo que é legal é justo!”.

Como divulgam os meios de comunicação, muitas administrações encontraram seus municípios em estado de calamidade, em pontos essenciais na vida das pessoas e da coletividade, como salários atrasados, em muitos casos; lixo acumulado nas ruas de diversas cidades, um verdadeiro atentado à saúde pública. Diante de descalabro dessa natureza, não é difícil concluir que a gestão anterior, em razão de incompetência e/ou corrupção, cometeu erros e provocou males que estão afetando a vida das pessoas e o bem comum. Que estes novos tempos eliminem os velhos costumes administrativos!

Não deixa de ser oportuna a pergunta: como se comportará a sociedade organizada, através dos diversos canais de veiculação de suas aspirações, perante os poderes executivo e legislativo de seu município, nesse quadriênio que começou no dia 1º de janeiro?

 

Dom Genival Saraiva

Administrador Apostólico da Arquidiocese da Paraíba

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

Dom Genival Saraiva

*Administrador Apostólico da Arquidiocese da Paraíba

falecom@fhc.com.br

Simple Share Buttons

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube