Fechar

logo

Fechar

Serviços Públicos, escolhas privadas

Jobson de Paiva Sales. Publicado em 7 de fevereiro de 2019 às 23:27

“Inchado”, “ineficiente”, “lento”, “caro”, ouve-se com alguma frequência sobre o Serviço Público brasileiro, não raro equivocadas e superficiais adjetivações, por vezes devidas. Além do inafastável papel que a governança, ou sua ausência, desempenha na performance dos entes e órgãos públicos algo de como se dão nossas escolhas individuais pode impactar em seu funcionamento.

No Brasil os servidores públicos representam 12% do total de trabalhadores, número bastante inferior à média dos países da OCDE, 21%. Dinamarca e Noruega possuem 35% de todos os seus trabalhadores no setor público, nos EUA são 14%.

Posições melhor remuneradas, em média 67% superiores aos salários da iniciativa privada (dados do Banco Mundial) e estabilidade atraem, mas incautos olvidam do fundamental: a preocupação com o labor que será desenvolvido e o apreço ou desapreço que teriam em fazer aquilo por muitos anos.

Peter Drucker observou que ao escolher um trabalho o indivíduo deve verificar se seus princípios se coadunam com os da instituição, não precisam ser coincidentes, mas necessitam coexistir, do contrário não haverá performance e restará ao trabalhador frustração. Desaponto e apatia contumazes que quiçá expliquem os distúrbios psíquicos como principal causa de adoecimento no Serviço Público Federal.

Edmund Phelps, laureado com o Nobel em 2006, em sua obra Mass Flourishing, constata a pandemia de insatisfação com o trabalho, seja em altos cargos, chão de fábrica, países desenvolvidos ou em desenvolvimento. Tomados pelas emoções – como a Economia Comportamental elucida – decidimos quase sempre lastreados por elas e não pragmaticamente.

As pessoas que procuraram o serviço público como trabalho, exceção feita talvez a carreiras sacerdotais como segurança pública, defesa, áreas alfandegárias, magistratura, Ministério Público, etc., deparam-se com atividades para as quais não tinham pálida noção prévia. O crivo que deveria ser precedente executa-se a posteriori, momento em que o peso de desafiar o status quo da própria infelicidade com a vida laboral torna-se proibitivo diante do salário certo e da estabilidade. Auto agridem-se os indivíduos, vilipendia-se o desempenho.

É na tenra idade, quando acreditamos que nunca nos faltará tempo e as escolhas são tomadas visando o agora, que contraditoriamente somos instados a tomar uma decisão de longo espectro: que profissão teremos, e as vezes por toda vida. O passar dos anos pode mostrar que não se escolheu fazer o que se gostava, mas todo momento é tempo para se aprender a gostar do que se faz ou seguir novos caminhos.

Share this page to Telegram

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

Mais colunas de Jobson de Paiva Sales
Jobson de Paiva Sales

Mestre em Gestão de Sistemas de Seguridade Social, Madri, Espanha. Gerente Executivo do INSS em Campina Grande. Articulista. Consultor e Palestrante.

[email protected]

Arquivo da Coluna

Arquivo 2018 Arquivo 2017 Arquivo 2016 Arquivo 2015

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube