Fechar

logo

Fechar

Roberto Cavalcanti: Riqueza

Roberto Cavalcanti. Publicado em 28 de outubro de 2019 às 17:40

Domingo é dia de se falar em coisas positivas. É assim que pensam os que me cercam. Quando falo que estou escrevendo algo especificamente para um domingo, sou aconselhado, e muitas vezes induzido, a escrever propositivamente.

Alguém avalia diferente que, nos últimos anos, nosso Brasil teve um desempenho econômico abaixo do razoável, para ser até generoso? Não é isso que alguns dados econômicos apontam.

Estudos mostram que, pelo contrário, o Brasil apresentou de 2018 para cá uma das taxas de crescimento de riqueza mais elevadas, comparativamente ao mundo.

Em recente matéria, o jornal Valor Econômico transcreve o mapeamento global feito pelo Credit Suisse acerca do assunto.

Pelo mesmo, famílias brasileiras reuniam ativos da ordem de US$ 3,5 trilhões. Isso mesmo, trilhões de dólares, com um aumento de US$ 312 bilhões no intervalo de apenas um ano.

O número de milionários no país subiu de 217 mil adultos para 259 mil, um incremento de 19,4%, colocando nosso Brasil no grupo de economias com maior crescimento no período, atrás apenas de Holanda, Alemanha, China, Japão e Estados Unidos.

Os mesmos estudos estimam para um total de 319 mil adultos com patrimônio financeiro acima de US$ 1 milhão, no Brasil, até 2024, uma elevação de 23%.

Se nossa economia ingressar em uma fase mais virtuosa, como se prenuncia com os juros mais baixos da história, o país poderá até somar 350 mil milionários em cinco anos.

Isso significa, a título comparativo com o resto do mundo, que cresceremos o correspondente a uma Bélgica. Não somos um país fantástico!?

O Brasil precisa, no entanto, crescer mais rápido que a sua média histórica, aí sim, terá mais milionários e poderá reduzir a desigualdade social. Porém, fomos na contramão, o único país onde a desigualdade aumentou entre 2016 e 2019.

A pesquisa estima que o percentual de 1% mais rico da população brasileira detenha 49% de toda a riqueza familiar do país.

No mundo, mais da metade dos adultos têm patrimônio líquido abaixo de US$ 10 mil, enquanto que os mais ricos detêm, juntos, 44% de toda a riqueza global.

Nosso nível relativamente elevado de desigualdade reflete, em parte, a má distribuição de renda, uma tendência que perdura há muitos anos no nosso país.

Felizmente, estamos em um mundo que enriquece a cada dia. Globalmente, o conjunto de riquezas cresceu US$ 9,1 trilhões apenas entre junho de 2018 e o mesmo mês de 2019 e chegou a US$ 360,6 trilhões, com uma alta de 2,6% em relação à igual período do ano anterior.

Os Estados Unidos são o país que mais ganhou milionários no ano passado, com 675 mil novos indivíduos. Em apenas um ano, eles cresceram mais que o nosso total de milionários (259 mil versus 675 mil). Essa é a real desproporção entre nossas riquezas.

No horizonte futuro, teremos boas notícias. As projeções apontam que o número de milionários no mundo chegará a quase 63 milhões de pessoas nos próximos cinco anos e que a riqueza global aumentará em 27%, chegando a US$ 459 trilhões de dólares.

A riqueza total aumentou em todas as regiões mundiais de 2018 para 2019. Na América Latina, cresceu US$ 463 bilhões, com o nosso Brasil respondendo por US$ 312 bilhões desse total.

A forma de participarmos dessa milionária corrida será, sem dúvida, resultante do nosso comportamento econômico. Em vez de financiar a dívida pública com juros altos, sejamos focados em incentivar a iniciativa privada e o crescimento. Basta dos especuladores, chegou a hora de investirmos e produzirmos. Vamos jogar nesse time!

Share this page to Telegram

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

Mais colunas de Roberto Cavalcanti
Roberto Cavalcanti

Empresário e diretor da CNI.

[email protected]

Arquivo da Coluna

Arquivo 2018 Arquivo 2017 Arquivo 2016 Arquivo 2015

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube