Fechar

logo

Fechar

Perdoar sempre

Padre José Assis Pereira. Publicado em 16 de setembro de 2017 às 16:50

 

Por: Padre Assis

No domingo passado vimos que a comunidade cristã é o lugar da correção fraterna, da reconciliação  e da oração; assim reconciliada e orante ela também se torna o lugar privilegiado da presença de Jesus. Porém, realizar a reconciliação no interior da comunidade cristã requer o perdão constante e repetido.

O Apóstolo Pedro perguntou a Jesus acerca dos limites do perdão: “Senhor, quantas vezes devo perdoar se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes? Jesus respondeu: Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete.” (Mt 18,21-22) Sua resposta significa sempre e em todas as ocasiões; não há porque contar as vezes que se tem de perdoar, Deus não age assim.

A “revolução” que traz Jesus aos seus contemporâneos, é precisamente o amor e o perdão. A vingança era uma lei sagrada em todo o Oriente; o perdão era humilhante. Jesus rompe a lei da vingança para estabelecer o perdão total, vivido em comunidade, de forma ilimitada, absoluta, “de coração”, ou seja, no mais íntimo de nós. Deve-se perdoar até aos inimigos. É neste contexto que Jesus propõe aos discípulos a parábola evangélica dos dois devedores (cf. Mt 18,23-35).

Esta párabola conclui o quarto discurso no Evangelho de São Mateus. Ao final deste discurso da comunidade (cf. Mt 18,1–19,1) no qual Jesus fala do comportamento recíproco dentro da comunidade cristã, Ele volta a tratar, de modo detalhado, o tema do perdão. Para Pedro é evidente que os discípulos de Jesus estão obrigados a perdoar.

Ele quer saber se esta obrigação tem algum limite, e sua pergunta deixa entrever que assim é como ele pensa. Jesus lhe ensina que nunca chega o momento em que podemos dizer: “Já perdoei bastante; não estou mais obrigado a perdoar; a medida do perdão está completa para mim”. Com a expressão “setenta vezes sete”, o Mestre não quer indicar uma quantidade determinada de casos; pretende afirmar que a obrigação de perdoar não conhece limite.

A parábola é como que um drama em quatro atos: dívida, misericórdia, crueldade e justiça. Ela alarga o horizonte, assinala os motivos e desperta a compreensão de que estamos obrigados a perdoar. Para os Santos Padres, o rei da parábola representa Deus, mas é igualmente certo que o rei é e não é Deus, pois no terceiro ato da parábola, a crueldade não condiz com a misericórdia de Deus ante a dívida imensa que temos com Ele. O foco está sim no perdão entre as pessoas.

Na parábola um funcionário real, na hora de prestar contas ao rei, revela-se incapaz de saldar a sua dívida. É uma verdadeira fortuna, “dez mil talentos”, correspondia a 200.000 anos de trabalho de um operário. Esta enorme fortuna, segundo o modo de falar e pensar no tempo de Jesus, destina-se a mostrar a imensidão da misericórdia de Deus.  Não há pecado algum que Ele não perdoe, não há pecado algum maior do que o seu amor.

“Dá-me um prazo! e eu te pagarei tudo.” (v. 26) Perante a humildade e a submissão do servo, o senhor deixa-se dominar por sentimentos de misericórdia, conhece a situação desesperada do servo e tem compaixão dele perdoando-lhe a dívida impagável.

Em contraste com esta bondade inesgotável, há a mesquinhez do coração do servo, que não sabe perdoar as menores ofensas. Esse devedor perdoado, que experimentou a misericórdia do seu senhor, se recusou a perdoar um companheiro que lhe devia a ínfima quantia de “cem denários”. (v. 28)

A grave pergunta que sobressai da narração tambem nos coloca em comparação: “Não devias, tu também, ter compaixão do teu companheiro, como eu tive compaixão de ti?” (v. 33)

A parábola convida-nos então a analisar as nossas atitudes e comportamentos face aos irmãos cristãos que erram. Somos às vezes mais duros uns com os outros que Deus. Revelamos frequentemente em nossas relações interpessoais verdadeira dureza de coração. E é uma desgraça ser duros de coração.

Somos compreensivos consigo mesmo, e queremos e assim exigimos que seja Deus conosco. Ele perdoou todas as nossas faltas, mas nós não fazemos o mesmo com os outros. Não deviamos nós nos tornar imitadores da misericórdia que sempre vem ao nosso encontro. Porque somos lentos à misericórdia?

Não é facil perdoar, esquecer as ofensas, amar quem nos ofendeu ou prejudicou. Talvez por isso, Jesus tenha insistido tanto no tema do perdão. Com frequência e em passagens muito características, Jesus falou da necessidade de perdoar aos que nos ofenderam. A quinta bem-aventurança:

“Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançaram misericórdia” se refere, sobretudo, à misericórdia do perdão e anuncia o perdão aos que perdoam (cf. Mt 5,7 e 18,33). Na famosa expressão da oração do Senhor: “Perdoa-nos as nossas dividas como também nós perdoamos aos nossos devedores.” (Mt 6,12) Ao pedir a Deus o perdão de nossas culpas devemos unir esta condição: que Deus nos perdoe “só” na medida em que nós tivermos perdoado quem nos ofendeu.

Não só uma, mas duas vezes Jesus confirma a vinculação inseparável entre nosso perdão e o perdão de Deus: “Pois, se perdoardes aos homens os seus delitos, também o vosso Pai celeste vos perdoará; mas, se não perdoardes aos homens, o vosso Pai também não perdoará os vossos delitos.” (Mt 6,14-15)

Perdoar é a prova, a medida que nos permite discernir o que autenticamente aprendemos da experiência renovadora de termos sido perdoados. A Palavra que hoje escutamos coloca-nos em contato direto com o Pai e com o Filho, com a misericórdia infinita do Pai e com o amor sem limites brotado da Cruz, para que aprendamos o que significa perdoar e sermos do mesmo modo compassivos.

Ao ouvirmos esta Palavra, talvez até pensemos que estamos em paz com todos, que não temos inimigos, que não desejamos mal a ninguém. Mas para que o nosso perdão seja perfeito, como o de Deus e o nosso amor sem limites como o que brotou da Cruz de Jesus, devemos esquecer também as pequenas ofensas, as injustiças, os desaforos recebidos, as indelicadezas, as faltas de atenção. Se guardarmos um pouco de frieza a respeito de alguém, se evitamos tal pessoa, há ainda algo a fazer no caminho da caridade e do perdão. “Voltemos ao Senhor.

O Senhor jamais se cansa de perdoar: jamais! Somos nós que nos cansamos de lhe pedir perdão. Então, devemos pedir a graça de não nos cansarmos de pedir perdão, porque Ele jamais cansa de perdoar”. (Papa Francisco)

 

Share this page to Telegram

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

Mais colunas de Padre José Assis Pereira
Padre José Assis Pereira

* Padre José Assis Pereira Soares é párcoco da Paróquia Nossa Senhora de Fátima, no bairro da Palmeira.

[email protected]

Arquivo da Coluna

Arquivo 2018 Arquivo 2017 Arquivo 2016 Arquivo 2015

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube