...

Campina Grande - PB

O menino da Cultura

20/10/2017 às 11:25

Fonte: Da Redação

Por Jurani Clementino (*)

Recebi essa semana a notícia de que uma crônica, escrita por mim, foi vencedora do mês de setembro de um concurso cultural realizado em São Paulo. A competição literária faz parte das comemorações dos 70 anos da Livraria Cultura e tem como tema a seguinte pergunta: Como a cultura te transforma?  Até dezembro, a melhor história do mês ganha um vale-presente. No final da campanha, a história vencedora de cada mês concorrerá a uma viagem para Nova Iorque nos Estados Unidos. Compartilho com vocês o conteúdo da minha crônica que narra a experiência comum a muitos nordestinos que saem de suas terras rumo à cidade grande…

********

Nasci numa família simples, do interior do Ceará, que tinha pouco acesso à cultura escrita. Cresci ouvindo histórias narradas apaixonadamente pelos mais velhos. Aos vinte anos segui o destino irremediável a todos aqueles jovens que ali moravam. Peguei a estrada rumo à cidade de São Paulo em busca de emprego. Como eles mesmos diziam: atrás de uma vida melhor. Mas eu não fazia a menor ideia do que seria uma vida melhor. Minha vida podia não ser muito boa, mas descobri que trabalhar em São Paulo nem sempre significava melhorar a vida. Até que um dia, deixei a zona sul, onde morava na casa de uma tia, e fui a Avenida Paulista. Não recordo exatamente qual o dia da semana. Provavelmente um sábado. Dia de folga. E lá me deparei com algo que se se aproximava da minha concepção de melhorar de vida. Vou explicar.

Sempre gostei de ler. Na escola, conheci autores clássicos de nossa literatura como: Rachel de Queiroz, Machado de Assis, Vinicius de Moraes, José de Alencar, Clarice Lispector… Desejava ser igual a eles. Queria ser escritor também. Aquela viagem ao centro de São Paulo mudaria a minha vida. Não queria dizer que acidentalmente entrei naquela galeria de lojas onde estava instalada a Livraria Cultura, mas o fato é que não fui ali de propósito. Acho que, como muita coisa na minha vida, encontrar aquele espaço, foi mais um dos acasos que me aconteceram. Ali eu me reencontrei. Ali eu percebia o significado de uma vida melhor. Uma vida melhor pra mim era ter uma livraria em casa.

Quantos livros, meu Deus! Parei por alguns instantes e contemplei o espaço como se admira um belo pôr do sol no sertão. Eu era a própria tradução da felicidade. Desejei morar ali. E como sabia que aquele desejo não passava de um devaneio particular, fiquei durante horas circulando por entre as prateleiras. Como não podia comprar aqueles livros que tanto desejava, tocava neles, abria, lia a orelha, sentia-os em minhas mãos, abraçava-os e colocava lentamente no lugar. Eu cuidava deles como se fossem meus. Fiquei ali sem pressa. Não vi as horas passar. Não senti fome. Não me deu sede porque toda a sede que eu tinha parecia saciada. Tinha sede de leitura.

Como foi difícil sair dali. Eu não fazia ideia de quando aquele momento ia se repetir. E por isso protelava tanto a minha despedida. Queria que aquele dia não acabasse. Tudo que eu desejava podia encontrar ali. Meses depois abandonei o emprego de metalúrgico e voltei pra o Nordeste. Investi no estudo. Conclui minha graduação em Jornalismo numa universidade pública e fiz Mestrado e Doutorado em Ciências Sociais. Nesse período também escrevi um livro biográfico sobre um importante compositor de Luiz Gonzaga. Sempre que volto a São Paulo faço questão de ir a paulista. Não sei exatamente se busco novidades literárias, tenho certeza que vou, em vão, atrás daquela primeira sensação. Foi uma sensação agradável que me deu coragem para correr atrás dos meus objetivos e ser o que sou hoje.

Campina Grande – outubro de 2017

(*) Jornalista, escritor, professor

Veja também

Comentários

Simple Share Buttons