Fechar

Fechar

Notas da xícara maluca

José Mário. Publicado em 25 de fevereiro de 2018 às 12:01

Ao concluir a leitura de Notas da Xícara Maluca, livro de autoria do escritor Nathan David Wilson, publicado pela editora Monergismo, o meu amigo e irmão amado em Cristo Jesus, Gustavo Cavalcanti, me disse que esse era, seguramente, um dos melhores livros que ele havia lido nos últimos anos; disse mais: que havia ficado extremamente entristecido pelo fato de o livro ter chegado ao seu final.

Conquanto saiba que Gustavo é portador de refinado gosto de leitura teológica, cheguei a imaginar que, talvez, ele tivesse exagerado na dose recepcional, conferindo ao aludido livro um valor bem acima das suas efetivas qualidades e reais merecimentos. Resolvi tirar a prova, lendo o livro para formar o meu próprio juízo apreciativo. E, concluída a leitura do livro, o que posso dizer é que se trata realmente de uma obra-prima da literatura cristã, notadamente a que se ancora no sólido porto da tradição reformada.

Nathan David Wilson, filho do conhecido pastor Douglas Wilson, cujos livros estão sendo pouco a pouco traduzidos em nosso país, é escritor, roteirista, professor associado de literatura no New Saint Andrews College; e o mais importante: é um servo de Deus, que crê na suficiente obra redentora que Jesus Cristo realizou na cruz do calvário a fim de salvar o seu povo e reconciliá-lo com Deus. E, de igual maneira, recepciona as Escrituras Sagradas como a regra única de fé e de prática, cujo processo histórico de editoração deu-se sob a égide da supervisão inerrante e infalível do Santo Espírito do Deus.

Notas da Xícara Maluca combina literatura de qualidade com teologia sumamente saudável, que faz da Bíblia Sagrada ponto de partida e de chegada de todas as suas cogitações.

Enquanto literatura, Notas da Xícara Maluca é um livro híbrido do ponto de vista da sua constituição interna. Aqui, prosa poética, envolvente e literária narração e admirável ensaio dão-se as mãos e convidam o leitor a, embevecido, percorrer os vãos e desvãos de um universo que foi criado como um esplêndido teatro no qual são executados os atos e as peças que promovem a glória do Senhor. Um universo que é um vasto e majestoso poema do Poeta supremo, a fonte de toda a Bondade, Verdade e Beleza, que é o Deus das Escrituras Sagradas, invisível, mas real, que em tudo quanto foi criado espalhou as suas indeléveis impressões digitais.

Nessa viagem planetária empreendida pelo encantado autor do livro, galáxias, buracos negros, besouros, borboletas, flocos de neve, tudo é cartografado com as lentes do interesse e os olhos impregnados pela admiração mais intensa e pelo mais comovido espanto; e, ao mesmo tempo, tocados de perplexidade em face daqueles que, encastelados em certas torres de marfim da filosofia, não hesitam em, insensatamente, afirmar que este “mundo é terrível, difícil e impiedoso, um acidente, sem propósitos, um derivado do caos”, um mero fruto de um frio e impessoal acaso, não o resultado de um projeto sábio, amoroso e santo proveniente do Ser mais belo e amável que há: Deus, “em quem vivemos, nos movemos e existimos”, conforme citação feita pelo apóstolo Paulo quando se confrontou com os pensadores gregos no areópago de Atenas.

Como afirma Nathan David Wilson: “No relato cristão, o mundo material veio à existência com o discurso, e esse discurso foi ex-nihilo – a partir do nada. Deus não procurou algum tipo de “geleca” cósmica para esculpir, ou outro deus para picotar e reciclar. Ele cantou uma canção, compôs um poema, começou um romance tão enorme que mesmo os russos viram nanicos diante de suas páginas empilhadas”.

Noutro momento, com aliciante poeticidade, Nathan David Wilson afirma: “Eu vejo maestria no mundo. Não consigo assistir a poeira girar na calçada sem ver Deus movendo seu dedo ou escutar a chuva da primavera correndo nas ruas sem escutá-lo ressoando seus erres. Para quem crê na criação ex nihilo, o mundo é notavelmente arte, e inevitavelmente arte da cabeça aos pés, em todo o tempo e em todo o lugar. O mundo não pode existir exceto pela voz de Deus. Ele é Deus se expressando”.

Brilhante aula de cosmovisão cristã, Notas da Xícara Maluca não fica na retaguarda, nem chancela a falsa ideia de que a fé cristã é uma realidade puramente privada, para ser vivenciada no âmbito particular dos nossos ajuntamentos nas igrejas locais. Em direção diametralmente oposta, Nathan David Wilson reverbera em sua fascinante narrativa-argumentação a famosa afirmação feita por Abraham Kuyper, que, em seu clássico livro Calvinismo asseverou: “Não há um único centímetro quadrado, em todos os domínios de nossa existência, sobre os quais Cristo, que é soberano sobre tudo, não clame: “é meu”.

Em seu excelente livro, Nathan David Wilson discute com grandes expoências da filosofia, a exemplo de Platão, Aristóteles, Sócrates, Heidegger, Nietzsche, Kant, Hume, dentre tantos outros, sempre realçando a justeza e a supremacia do Deus todo-poderoso, que tudo preordenou para o seu louvor e glória.

Como se fosse uma sinfonia cuidadosamente elaborada, Notas da Xícara Maluca vai, num crescendo, percorrendo algumas das mais significativas metanarrativas de que se compõe o santo livro de Deus. Assim sendo, o Deus que cria, preserva e controla, providencialmente, cada detalhe da sua magnífica criação, é o Deus santo que não ficará, assim como nunca ficou, indiferente aos pecadores impenitentes; os quais, diante da graciosa salvação que lhes é superlativamente oferecida em Cristo Jesus, respondem com incredulidade e destruidora obstinação. Nesse particular, os últimos capítulos do livro: “Inferno: a conversa final; e A História” são impressionantemente sérios, devendo ser alvos da meditação mais profunda e reverente de quem deles se aproximar.

Enfim, Notas da Xícara Maluca é um livro excelente e extremamente belo em sua anticanônica formulação conceitual. É um livro quase anormal, conforme o classifica o próprio autor nos agradecimentos que registra. Anormal aqui é qualidade positiva, na medida em que o autor escreve um livro de maneira altamente anticonvencional, literária, poética, filosófica, teológica, bíblica, sempre voltado para o mundo de Deus e para o mundo dos homens. É a apresentação estética da cosmovisão cristã em toda a sua dimensão. É um livro erudito e delicioso de ser ler. Livro de escritor no sentido superlativo do termo. Um grande e belo livro. SOLI DEO GLORIA NUNC ET SEMPER.

Por JOSÉ MÁRIO DA SILVA

PRESBÍTERO

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

José Mário

[email protected]

Simple Share Buttons

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube