Fechar

logo
logo

Fechar

Marinês – um depoimento solitário

Noaldo Ribeiro. Publicado em 12 de maio de 2022 às 10:45

O projeto Marinês Canta a Paraíba, patrocinado pelo Fundo de Incentivo à Cultura (FIC), teve dois objetivos. Cada um deles, um mais, outro menos, tendo galgado a sua materialização.

O primeiro, consistia em recolocar a Rainha do Xaxado no então cardápio fonográfico e, simultaneamente, reapresentá-la as para novas gerações. Por isso, escolheu-se, em escala maior, depoimentos, não da turma do seu métier – gente talentosíssima, porém próxima, amiga de frequentar a sua cozinha, tomar cafezinho e trocar confidências.

Daí, por opção do coordenador do trabalho – o último de sua discografia – por catar declarações de artistas que, embora a conhecessem, não desfrutavam de maiores proximidades, dando maior legitimidade as suas opiniões, sem falar que continuavam e, ainda continuam, marcando presença na cena contemporânea.

Assim, com a melhor da boa vontade, Paulinho da Viola, Elba Ramalho, o saudoso Belchior, Tânia Alves e Flávio José, sem falar na fala de Tetê Espíndola – infelizmente desperdiçada em função da péssima qualidade da gravação, debulharam o talento da menina vinda de São Vicente Férrer com destino ao estrelato nacional, enlevando a música regional ao plano da MPB.

Distante à léguas de se produzir uma biografia, este propósito do Livro\CD foi cumprido. O seu lançamento seguiu a mesma lógica. O cenário foi o Cine Banguê, no Espaço Cultural José Lins do Rêgo, em João Pessoa. A juventude e muita gente da velha-guarda superlotaram as suas dependências.

Luzes apagadas. Somente uma iluminava o maestro Marcos Farias, responsável, junto ao também maestro Carlos Anísio, pelos arranjos que a Diva iriam cantar, acompanhada, em gravação feita anteriormente, pela Orquestra Sinfônica da Paraíba, sob a batuta do regente Luiz Carlos Durier.

Com a sua sanfona, Marquinhos (como Marinês chamava seu filho) executou o Hino Nacional e de uma corda indiana, a atriz Challena Barros, deslizava, conforme o ritmo, até o piso do palco, onde desfraldou a bandeira nacional. Foi um momento mágico!

Como parte da concepção do show, a primeira atração foi a banda Cabruêra. Cantou uma das músicas do repertório de Marinês e, em seguida, entrou a própria, concluindo, juntos, a canção. Assim se repetiu com o Clã Brasil – com Lucy Alves ainda sem a visibilidade que tem atualmente. Depois, veio Beto Brito, reproduzindo a mesma estética.

Sem pompas e cerimônias Oliveiras de Panelas deu o tom com criativos versos improvisados, anunciando as atrações. Foi, enfim, uma noite inesquecível, os jornais da época registram o relatado aqui.

A segunda meta foi plenamente alcançada. Era um sonho de Marinês, gravar um disco que contasse com o acompanhamento da Orquestra Sinfônica. No primeiro capítulo do livreto, intitulado O Grande Sonho, no final da gravação, realizada ao vivo, no mesmo Cine Banguê, ela fala com a voz d’alma: “Foi realmente emocionante. No final da gravação, bradei aliviada: O filho nasceu!”.

O que faltou, foi a ausência de condições de lançar o resultado deste verdadeiro parto, em Campina Grande e nas principais capitais brasileiras. Não obstante, seu nome passou a ser a ser objeto de críticos musicais de naipe inconteste, casos de Maurício Kubrusly, Tarik de Sousa e referências de Cravo Albin.

Passou a ser celebrada por grandes eventos – caso de uma das edições do Maior São João do Mundo. Após o seu óbito, Alana Fernandes e, posteriormente, Johann (conhecido animador artístico), promoviam a cada ano o Tributo à Marinês, sempre prestigiado por um público crescente.

Atualmente, o Espaço Cultural elegeu como homenageada, neste 2022, na sua 5ª edição do Festival de Música da Paraíba, a intérprete inigualável de Aquarela Nordestina, de Rosil Cavalcanti.

Resta a Campina Grande, cidade adotada por ela e aqui sepultada, lhe premiar à altura, ocupando, com uma estátua, o tamborete vazio, onde estão presentes as figuras do Rei do Baião e de Jackson do Pandeiro – o Rei do Ritmo, em plena orla do Açude Velho.

ACESSE O LINK: https://www.youtube.com/watch?v=bh6hg40HZxI

Valorize o jornalismo profissional e compartilhe informação de qualidade!
Share this page to Telegram

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

Mais colunas de Noaldo Ribeiro
Noaldo Ribeiro

* Sociólogo.

[email protected]

Arquivo da Coluna

Arquivo 2018 Arquivo 2017 Arquivo 2016 Arquivo 2015

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube