Fechar

logo

Fechar

Lágrimas reais

Rafael Holanda. Publicado em 9 de dezembro de 2018 às 10:33

Nos grandes desastres, a caridade se emociona e faz com que os corações, mesmo dos que se acham petrificados pela maldade, tentem compreender que o grito do sofrer merece ser atendido.

A maneira de agir diante do que está em risco eminente de morte sem ostentação tem na realidade um duplo mérito; além da caridade material, e a caridade moral, conforta o espírito daquele que fez o benefício sem espera o agradecer.

Nos infortúnios devemos procurar buscar mesmo a longa distância uma maneira simples de expressar todo nosso amor para com próximo, obedecendo às anotações simples que fazem do homem o aproximar de Deus.

Lembre-se que as catástrofes não escolhem lugar, os gritos que ecoam na tristeza de outros podem ressonar na sua casa ou na proximidade de seus familiares, trazendo os mesmos transtornos.

Nunca faça uma caridade visando que o beneficiado suba sobre o telhado e de forma discursiva contem a todos, pois aqueles que fazem o bem ostensivamente já receberam a sua recompensa.

Quando o homem se orgulha de ter feito uma simples manifestação de caridade, com certeza as suas lágrimas já se secaram pela vaidade e ao invés de dormir em paz, se deita com o coração sofrido e aflito.

Um ato de caridade pode ser representada por várias maneiras que vão desde palavras que confortam até ao abraçar diante de um sofrimento maior, ou diante das dúvidas que apagam a fé.

O anjo da consolação está sempre ao lado daquele que não perguntou onde está o sofrido, e com seus passos largos e sem cansaço procurou em cada labirinto da vida uma forma de chegar onde a dor se faz nascente.

O Cristo ao que tudo vê não se sente feliz diante da insensibilidade, dos que passam como se nada de anormal estivesse acontecendo e seguem adiante para resolver problemas sem menos importância.

O ato de caridade é irmã da piedade, pois é uma virtude que mais se aproxima dos anjos, que todos na vigência de um sofrer derramem suas lágrimas que são bálsamos nas feridas daqueles que esperam por esperança com resignação.

Nunca sufoquem o seu coração diante de seu orgulho, se curve de forma simples e demonstre o seu amor, pois na realidade este amor é o esquecimento de si mesmo em favor dos infelizes.

Se todos souberam o quanto dói viver cercado por tantos e sem ninguém, se todos compreenderem que viver na simplicidade do amor é benção de Deus, com certeza seremos muito mais felizes.

Share this page to Telegram

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

Mais colunas de Rafael Holanda
Rafael Holanda

* Médico.

[email protected]

Arquivo da Coluna

Arquivo 2018 Arquivo 2017 Arquivo 2016 Arquivo 2015

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube