Jurani Clementino: Dona Maria de Doge e a inauguração do cemitério

Jurani Clementino. Publicado em 18 de maio de 2021 às 11:30

Foi num mês Mariano. Véspera do dia das mães. Ela que era mãe de quase vinte filhos e se chamava Maria. Maria também é o nome da mãe do salvador. A terra onde o corpo dela foi sepultado pertence a outra mãe: a mãe natureza. Digo tudo isso para lembrar que no final da manhã do último sábado, sete de maio, um acontecimento triste, mas cheio de simbolismo, marcou o primeiro sepultamento do recém-concluído Cemitério Comunitário do Sítio Queixada. Tanta coincidência não pode ter sido por acaso. Dona Maria Eliza da Silva Leandro, mais conhecida como Maria de Doge, era uma mãe no mais estrito sentido da palavra. Ela teve dois casamentos, dezoito filhos, trinta e três netos e trinta e um bisnetos.

Natural do Sítio Queixada, Dona Maria nasceu em novembro de 1936, casou-se aos 16 anos com um primo de nome Dorgival Leandro da Silva. Casar com primos sempre foi uma vocação dos moradores do Queixada, quer dizer eu acredito que essas uniões parentais são muito comuns em pequenas comunidades rurais. Dessa união ela teve nove filhos. Mas esse primeiro casamento durou apenas treze anos porque Dorgival faleceu repentinamente vítima do que chamavam na época de “congestão”.

Viúva e com tantos filhos para criar, sendo que o mais velho tinha apenas onze anos de idade, Maria de Doge permaneceu sozinha por sete anos, até que conheceu aquele que seria o seu segundo e último marido: Raimundo Campos Lemos (Raimundo Virgílio). Um cidadão do município de Jaguaribe. Agora você me pergunta como ela conheceu esse moço num tempo em que a comunicação entre lugares distante era algo tão difícil. Vou explicar: meu bisavô tinha um pedaço de terra no município de Jaguaribe. O pai de seu Raimundo era morador de meu bisavô e os filhos dele sempre vinham para o Queixada e ficavam na casa desse meu bisavô. Numa dessas viagens seu Raimundo e dona Maria se apaixonaram e resolveram se casar.

A vida ao lado daquele homem que adorava cuidar de gado e de fazendas alheias ia ser marcada por grandes aventuras. Vida quase cigana. Para que vocês tenham uma ideia, após essa união, eles moraram nos estados de São Paulo e Goiás. No Ceará, residiram em diversos sítios de Várzea Alegre e ainda nos municípios de Aiuaba e Tauá, no sertão dos Inhamuns, Assaré, Lavras da Mangabeira, Cedro, Aurora e Jaguaribe. Esse último local em que eles moraram era tão distante e isolado de tudo que os familiares quando iam lá diziam: meu Deus, como pode alguém morar num lugar daquele! Por seu Raimundo Virgílio, dona Maria abriu mão de muita coisa. Mesmo com tantos filhos espalhados pelo Brasil, ela preferia viver longe de tudo e de todos, mas sempre ao lado dele.

Adorava fazer crochê. E assim ocupava o tempo enquanto estava sozinha em casa já que o marido passava o dia cuidando das atividades rurais. Fez crochê até quando a vista permitiu. Também gostava de confeccionar e cuidar de bonecas de pano. Lembro-me de ter ido a sua casa quando ela morava na cidade de Cedro e vi aqueles brinquedos na estante, na sala, nos quartos, em todo canto tinha uma boneca enfeitada. Há cinco anos vivia adoentada. Prestes a completar 85 anos de idade, dona Maria faleceu vítima de infarto. Naquele lugar solitário, mas ao lado daquele homem com quem viveu grandes aventuras. Com quem teve metade de seus dezoito filhos. Com quem conheceu vários lugares e pessoas desse Brasil.

Na véspera do dia das mães, voltou para o lugar de onde saiu. Seu corpo foi deitado na terra que a viu crescer. Onde tudo começou. Mesmo ficando 49 anos ao lado de seu Raimundo Virgílio dona Maria nunca deixou de ser mulher de seu Dorgival. Todo mundo a conhecia por Maria de Doge. Maria Eliza Leandro. Mãe Maria. Maria do Queixada. Descanse em paz.

Jurani Clementino
Campina Grande – PB, 10 de maio de 2021

Share this page to Telegram

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

Mais colunas de Jurani Clementino
Jurani Clementino

Jornalista, Doutor em Ciências Sociais, Escritor e Professor Universitário. Autor de: Forró no Sítio (Crônicas, 2018) e Zé Clementino: o ´matuto que devolveu o trono ao rei. (biografia, 2013).

[email protected]

Arquivo da Coluna

Arquivo 2018 Arquivo 2017 Arquivo 2016 Arquivo 2015

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube