Fechar

logo

Fechar

Jubileu de formatura

Ailton Elisiário. Publicado em 12 de dezembro de 2018 às 11:19

Neste mês de dezembro minha turma de Economia comemora 50 Anos de Formatura. Em 1968, a FACE – Faculdade de Ciências Econômicas de Campina Grande, da UFPB – Universidade Federal da Paraíba, Campus II, reunia a Congregação para a Colação de Grau da Turma que ocorreu no Teatro Municipal Severino Cabral em data de 13 de dezembro. Juntamente conosco a Turma de Sociologia.

Minha turma que se autodenominou Turma Novo Nordeste, para expressar nossos anseios provocados pelos ensinamentos adquiridos e pelas motivações dos nossos professores, era composta de 31 colegas dos quais apenas um não colou grau, José Maria de Figueiredo, por haver falecido, mas que entre nós permaneceu vivo pela homenagem que fizemos dando seu nome ao Diretório Acadêmico. Os demais foram concluintes, pois a turma era a mesma formada desde o vestibular em razão do regime seriado, situação que foi posteriormente alterada com a introdução do sistema de créditos.

Da programação constou a cerimônia da aposição da placa, missa em ação de graças, culto evangélico, solenidade de colação, churrasco na fazenda e no clube o tradicional baile de formatura. Todos estávamos alegres e radiantes pelo grau de Economista que nos conferia a Universidade. Presente dos meus pais, o anel de pedra azul no meu dedo reluzia também a felicidade deles.

O nosso Paraninfo foi José Sarney, então Governador do Maranhão, que teve de se ausentar antes do término da solenidade, por razões de ordem política. O Patrono o Ministro Mário Andreazza. O Orador da Turma na Solenidade de Colação de Grau foi Jaerson Lucas e eu, o Orador no Ato de Descerramento da Placa. O reitor Guilardo Martins Alves. O diretor da FACE o Professor José Paulino Costa Filho. O homenageado representante do Comércio o comerciante João Silveira Guimarães (Dão Silveira).

A questão de ordem política que fez José Sarney antecipar sua saída da cerimônia, foi a decretação do Ato Institucional n° 5, o AI-5, assinado pelo Presidente Arthur da Costa e Silva, que inaugurou a fase mais dura do regime militar. O ano de 1968 foi o mais crítico do regime militar. Recebemos o grau universitário no exato momento em que o país passou a ser cativo das arbitrariedades das autoridades.

O AI-5 concedeu amplos poderes ao Presidente da República, notadamente os de decretar o recesso do Congresso Nacional, Assembleias Legislativas e Câmaras de Vereadores; intervir nos Estados e Municípios; suspender direitos políticos de qualquer cidadão brasileiro; cassar mandatos de parlamentares; proibir manifestações populares de caráter político; suspender a garantia do habeas corpus; impor censura prévia para jornais, revistas, livros, teatro, música, e outras artes; impor medidas de segurança, do tipo liberdade vigiada, proibição de frequentar certos lugares e domicílio determinado, etc.

Naquele meu discurso disse entusiasticamente: “Estamos a celebrar o descerramento da placa comemorativa de nossa vitória. Simbolicamente talhada no bronze, está ela representando os nossos dedicados esforços, no afã intérmino e indelével de conquistarmos uma melhor prestação de serviços qualificados à coletividade. (…) O conhecimento técnico-científico que assimilamos é um em todas as regiões. Os problemas com que nos defrontaremos terão quase sempre o mesmo grau de similitude. Estamos confiantes em nós mesmos, e esta chapa fixada na parede, num futuro bem próximo, estará mais luzidia, mais resplandecente, dados o mérito e a repercussão valorosa de nossas realizações”.

Era esta a Turma Novo Nordeste: Adalberto Cláudio, Adeildo Pereira da Silva, Ailton Elisiário de Souza, Antonio Aires da Nóbrega, Antonio Humberto de Vasconcelos, Aurealuci Moura Maciel Malheiros, Carlos Alberto Basílio, Dvaldo Inácio da Silva, Edgar Antonino de Souza, Felicíssimo Alves da Silva, Galvão Dias de Almeida, Jaerson Lucas Bezerra, Joaquim Pereira da Costa, João Campos de Melo, João Feitosa Neto, José Campos, Josélia Vieira de Aragão, José Anchieta da Silva Camelo, José Gama Filho, José Lupércio Figueiredo do Amaral, Jurandy Cardoso de Alcântara, Mariza Sales Monteiro, Onaldo Magalhães de Amorim, Patrício Leal de Melo Filho, Patrício Severino de Oliveira, Raimundo Lira, Rubem Pires, Severino Coelho Sobrinho, Terezinha Gomes de Souza e Zenon Farias Braga.

Colaram grau em Sociologia 4 colegas que conosco formavam duas turmas irmanadas: Antonia Guedes de Brito, Ildete de Queiroz Brito, Magnólia Gibson Cabral da Silva e Marileide Miranda. Tanto que a placa foi única para ambas as turmas.

Hoje, estive visitando o “hall” das placas do Centro de Humanidades da UFCG – Universidade Federal de Campina Grande onde, por mais uma vez, retornei ao passado rememorando aqueles dias felizes da nossa juventude, impregnado do ideal sublime de sermos protagonistas de nossa história, enriquecidos pelas ciências econômica e sociológica. O sucesso profissional dos companheiros demonstra a contribuição ao desenvolvimento econômico e social do nosso país fomentada por cada um deles.

Lá meu coração transbordou de saudade e muitas cenas desfilaram na minha mente. O trote dos calouros, as brincadeiras, os estudos em grupo, as discussões em sala de aula, os passeios, os eventos acadêmicos, as lutas estudantis, enfim, a vida universitária. Nossos professores dedicados, dentre eles Amauri Abrantes Pinto de Oliveira, Amaury Vasconcelos, Antonio Correia Lima, Edvaldo de Souza do Ó, Francisco de Assis Dantas, Francisco Themóteo, Humberto de Castro, José Cartaxo Loureiro, Luiz Pereira Diniz, Osmário Alifait Lacet, Ronald de Queiroz e William de Souza Arruda. E dentre os funcionários da FACE Iracy Braga, a secretária laboriosa e exigente na sua função, mas que nunca perdeu a ternura pelos alunos. Há muito tempo que não os vejo, quase a todos, colegas, docentes e funcionários. Alguns já se foram, outros não, mas com muito carinho os mantenho, todos eles, sem exceção, povoando alegremente a minha memória e as minhas recordações.

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

Mais colunas de Ailton Elisiário
Ailton Elisiário

O autor é economista, advogado, professor da Universidade Estadual da Paraíba e membro da Academia de Letras de Campina Grande.

[email protected]

Arquivo da Coluna

Arquivo 2018 Arquivo 2017 Arquivo 2016 Arquivo 2015
Simple Share Buttons

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube