Fechar

Fechar

Há um tesouro escondido

Padre José Assis Pereira. Publicado em 29 de julho de 2017 às 13:38

Por Padre José Assis Pereira

No domingo passado víamos como o Reino de Deus tem que estender-se a todos já neste mundo, apesar das dificuldades do maligno. Estas dificuldades são o dinheiro, o materialismo, a ânsia de poder, o egoísmo, o relativismo moral… Hoje Jesus volta a utilizar a linguagem das parábolas para falar-nos do seu Reino, na conclusão do capitulo do Evangelho de São Mateus dedicado às parábolas do Reino de Deus (cf. Mt 13, 44-52).

Jesus recomenda aos seus discípulos que façam do Reino de Deus a sua prioridade: “Buscai primeiro o Reino de Deus.” (Mt 6,33) Todos os outros valores e interesses devem passar para segundo plano. Ser cristão é ter como prioridade, como valor fundamental, o Reino. Portanto, a insistência no tema do Reino indica a importância que ele tem para Jesus. Porém, Jesus nunca descreveu ou definiu o que é o Reino, certamente porque dava por certo que seus ouvintes já sabiam, em geral, o que Ele queria dizer com essa expressão.

Quando fala do Reino o Mestre o faz com comparações e em parábolas. As do “tesouro escondido e da pérola preciosa” nos falam da descoberta do Reino de Deus e que possui-lo é o melhor que nos pode ocorrer, como aquele agricultor que lavrando a terra encontra por acaso, de forma inesperada, um tesouro no campo. Ele vende tudo que tem para comprar aquele campo; ou como o comerciante de pedras preciosas que depois de uma longa procura acha uma pérola de grande valor, há muito desejada, ele então vende todo o resto para comprá-la.

Assim é para o Reino de Deus: quem o encontra não tem duvidas, sente que é aquilo que procurava, que esperava e que corresponde às suas aspirações mais autênticas. E é deveras assim: quem conhece Jesus, quem o encontra pessoalmente, permanece fascinado, atraído por tanta bondade, tanta verdade e tanta beleza… Procurar Jesus, encontrar Jesus: eis o grande tesouro!” (Papa Francisco)

Depois de encontrar Deus a quem tanto procuramos ou buscamos dá-se uma transformação radical naquele que o descobriu. Para obter esta riqueza que vale mais do que todos os bens juntos, vale a pena deixar tudo, se tal for necessário, como já o fizeram com pleno êxito os nossos irmãos, os santos. Vale bem a pena dar a vida, se necessário for, para obter a vida eterna como o fez São Francisco de Assis e tantos outros irmãos nossos que tudo deixaram, para se darem de alma e coração a Deus. Santa Teresa disse isto mesmo com outras palavras: “o que tem a Deus nada lhe falta, só Deus basta.”

Entender isto é fácil, levá-lo à prática é muito mais difícil e só com uma especial graça de Deus podemos consegui-lo. Mas este deve ser o propósito de todo cristão: seguir a Jesus, porque para nós Jesus é o verdadeiro Reino de Deus, o verdadeiro tesouro, a verdadeira pérola preciosa. Assim o entenderam os santos e assim devemos tentar fazê-lo todos nós, se de verdade aspiramos à santidade à que somos chamados. Não é necessário que leiamos muitos livros sobre o que entendia Jesus por “Reino de Deus”, nos basta ler frequentemente o Evangelho e tentar ser bons discípulos de Jesus. Tudo o mais se nos dará por acréscimo.

Há um tesouro escondido na vida de cada um. Todo homem e toda mulher buscam seu tesouro. Isso não é tanto a busca exclusiva da riqueza, do dinheiro ou de algo muito valioso. Trata-se de esperar ou de procurar algo que dê sentido a tudo, que nos faça deixar tudo, capaz de mudar a vida ou nos fazer interiormente mais felizes. Claro, alguns, o encontram; outros, jamais. E muitos creem ter encontrado um tesouro quando, na realidade, só têm quinquilharias, bijuterias sem valor.

A questão é saber discernir, qual é o nosso tesouro oculto verdadeiro e necessário para que nossa vida seja melhor, mais alegre, mais feliz. A isso Jesus com muita finura analisando a mentalidade humana chama tesouro que é uma palavra que suscita, na maioria das vezes, o que existe em nosso coração, no interior de nós mesmos, desejo de riquezas materiais e imediatas, de dinheiro. Embora Jesus não seja amigo do dinheiro, sabe, no entanto, que os homens e mulheres de todos os tempos o são. E o que deseja é dar verdade a suas vidas. Ensina-nos que o verdadeiro tesouro que necessitamos para ser felizes é viver em sintonia com o Reino de Deus, dentro de nós mesmo. O mais é tudo quinquilharia ou bijuteria.

Dentro de nós está a felicidade, é preciso procurá-la, é preciso descobri-la, é preciso encontrá-la. Já nos advertia um esperto na busca da felicidade, Santo Agostinho, que faz dezesseis séculos, depois de uma longa experiência de procura, escrevia: “Não procure fora. Entra em ti mesmo: no homem interior habita a verdade.” O grande segredo de Agostinho, fruto de uma vida de busca, foi a descoberta do Deus que habita no homem interior. Santo Agostinho descobre que somente na descoberta deste homem interior poderia haver o encontro com Deus e a liberdade que o Evangelho nos promete.

Certamente não é fácil entrar neste homem interior e ali descobrir a verdade, o homem moderno, sobretudo, tem uma dificuldade enorme de se recolher, de penetrar em si mesmo. Santo Agostinho nos dá uma chave para adentrar nesta realidade interior do homem que é o amor, “só se entra na verdade, pela caridade, pelo amor”, por isso diz: “Tarde de mais eu te amei! Eis que habitavas dentro de mim e eu te procurava do lado de fora!”

Aí está um bom desafio, um bom projeto para nossa vida: aprofundar-nos em nosso interior para encontrar-nos com nós mesmos e com Deus. Nosso tesouro é o conhecimento de Deus. Quando uma pessoa encontra Cristo opta por Ele, o mais passa a ser secundário, é capaz de renunciar a qualquer coisa por segui-lo, porque Ele enche plenamente o coração.

Agora nos perguntemos: onde está teu tesouro?, tens optado por Cristo?, a que estás disposto a renunciar por Ele? “Pois onde está o teu tesouro aí está o teu coração”(Mt 6,21).

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

Padre José Assis Pereira

* Padre José Assis Pereira Soares é párcoco da Paróquia Nossa Senhora de Fátima, no bairro da Palmeira.

[email protected]

Simple Share Buttons

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube