Fechar

logo

Fechar

Em 2030

Alexandre Moura. Publicado em 10 de agosto de 2018 às 9:45

A empresa “Dell”, multinacional de origem americana fabricante de computadores, fez uma pesquisa com quatro mil executivos em todo o mundo, que ocupam cargos de nível de gerencia e diretoria, e concluiu que a maioria “tem medo de se tornarem obsoletos em poucos anos”.

De acordo com o documento da Dell, até o ano de 2030, a maneira como as pessoas trabalham e vivem, será muito diferente do que vemos hoje. Pelo levantamento, “45% dos executivos consultados disseram estar preocupados em ficar obsoletos em no máximo, cinco anos e 73% deles acreditam que precisam se tornar ainda mais digitalizados (em outras palavras: ter conhecimento profundo de digitalização dos negócios que dirigem)”.

Com relação a esse “conhecimento mais profundo de digitalização” é uma necessidade cada vez mais prioritária nas habilidades e pré-requisitos para quem dirige, ou vai dirigir, empresas no século XXI, pois as “parcerias humano-máquinas”, segundo especialistas em IA – Inteligência Artificial, RA – Realidade Aumentada e Robótica,  serão comuns (como hoje são computadores e periféricos) no ambiente empresarial na próxima década.

Em 2030 (II)

Vale destacar também, que “85% dos empregos disponíveis em 2030 ainda não foram inventados e/ou imaginados”, de acordo com projeções do IFTF – Institute For The Future (www.iftf.org), entidade dos Estados Unidos especializada em analise do impacto futuro das novas tecnologias e inovações no ambiente empresarial.

Tudo indica que as tecnologias utilizadas nos sistemas desenvolvidos nas aplicações “humano-máquinas” vão cada vez mais possibilitar que “os executivos trabalhem sem interferência de fatores externos ao negócio (minimizando as emoções)”.

Já do lado dos robôs (as máquinas), eles terão “um julgamento mais próximo do humano”, impactando desta forma, a maneira como as empresas agem e se desenvolvem, em um ambiente de trabalho altamente automatizado.

Novas habilidades (e treinamento continuo) serão necessárias dos funcionários e principalmente, dos gestores. Esse é o futuro (bem próximo). Não tem volta!

“UBook”

 Este é o nome do “primeiro serviço de assinatura de audiolivros por streaming (que significa “fluxo de mídia” – forma de distribuição de conteúdo multimídia pela Internet) do Brasil”.

Criada em 2014, a plataforma brasileira disponibiliza “acesso ilimitado a diversas obras nacionais e internacionais, que podem ser escutadas no computador, no tablet ou no smartphone”. Já são mais de 15 mil obras em seu acervo, sendo cerca de 2500 em português, 2500 em espanhol e 10 mil em inglês.

O objetivo dos criadores do UBook “é democratizar o acesso à cultura, entretenimento e informação por meio das plataformas digitais com foco em áudio”.

Para alcançar este objetivo eles tem participado de vários eventos e feiras nacionais e internacionais, como a feira de livros recentemente realizada em Frankfurt, Alemanha, onde fez muito sucesso.

A plataforma UBook faz parte do “Projeto Brazilian Publishers”, de internacionalização de conteúdo editorial brasileiro. Este projeto é apoiado pela CBL – Câmara Brasileira do Livro e pela Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos)

Garátea 2018

Desde o último dia 2 de agosto estão abertas as inscrições para que “escolas e alunos brasileiros de 12 a 16 anos participem do SSEP (Student Spaceflight Experiments Program)”, projeto do governo americano que tem como objetivo “incentivar jovens a estudar ciências espaciais”.

Denominado de “Garatéa – ISS 2018”, o concurso escolherá um experimento feito pelos alunos, para ser levado pelo foguete SpaceX até a Estação Espacial Internacional (a chamada ISS) no ano que vem. Esta é a segunda edição do concurso, a primeira foi realizada em 2017, e teve como vencedores alunos do Colégio Dante Aliguieri e da EMEF Perimetral, de São Paulo.

As inscrições vão até o dia 28 de agosto e podem ser feitas no site www.garatea.space/projetos/garatea-iss/

Share this page to Telegram

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

Mais colunas de Alexandre Moura
Alexandre Moura

Engenheiro Eletrônico, MBA em Software Business e Comércio Eletrônico, Diretor da Light Infocon Tecnologia S/A e Diretor de Relações Internacionais da BRAFIP - Associação Brasileira de Fomento à Inovação em Plataformas Tecnológicas.

[email protected]

Arquivo da Coluna

Arquivo 2018 Arquivo 2017 Arquivo 2016 Arquivo 2015

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube