Fechar

logo

Fechar

Elizabeth Marinheiro: Tessituras

Elizabeth Marinheiro. Publicado em 29 de novembro de 2020 às 7:30

Aproxima-se o final de 2020.

Se formos contabilizar danos e prejuízos a soma é escura.

Entretanto, devemos agradecer a Jesus Misericordioso o maior prêmio que Ele nos concede: a  Vida.

Importizando o viver, esquecemos os problemas (graves e pequenos) que vivenciamos. Chega a hora em que relembramos a eficiência dos nossos Médicos e de suas secretárias; a generosidade dos verdadeiros amigos e queridas amigas; a solicitude daquelas “comadres” que nos servem diariamente.

É tempo também de sonhar!

Sonhar com um mundo novo.

Com a morte da pandemia.

Com o fim dos poderosos aéticos.

Com os tablados cantantes.

Com a passarada orquestrando em nossos jardins.

Com o sol, a lua, as estrelas nos iluminando.

Com os presentes recebidos.

Com as mensagens confortadoras.

Com as Luzes do Espírito Santo de Deus nos guiando Sempre!

REVISÃO

As revisões, entre seus inúmeros métodos, nos levam tanto ao prazer do texto como à reflexão.

Leiamos:

“Medite nossas verdades santas da Palavra de Deus e as coloque em prática, são os meus maus sinceros votos e a minha mais fervorosa oração”. JOSÉ MÁRIO SILVA (in “Reconciliação).

“Tu ó Língua tens vontades, e te mostras atrevida, mas se outro te responde, tu te sentes agredida”. MILTON MARQUES JÚNIOR (in “Epigrammaton).

“As crianças do Bairro-Norte pararam de praticar esportes, estudar música até mesmo nadar no largo artificial construído para diminuir a tristeza do conjunto habitacional

O gesto mais raro era o abraço”. WELLINGTON PEREIRA (in “O voo noturno do Pintarroxo).

“Durmo, logo existo

e é no sono

que eu me descubro,

consciente de mim”. FLAVIO SÁTIRO FERNANDES (in “Geografia do Corpo”).

“Viver é voar

além do ninho

no sopro

do abismo

no olho do

redemoinho” LAU SIQUEIRA(in “Livro arbítrio”).

“Limeira, agora é que vou

Tanger minha violinha

Mas lhe aviso como amigo

Que você hoje definha,

Porque não há cantador

Que aguente a pisada minha” ORLANDO TEJO (in “Zé Limeira, poeta do absurdo”).

VIOLINADAS

Os sons do meu violino serão ouvidos por ótimas amigas e ótimos amigos: Socorro Pinto; Marly/Lindalva (Dadá) Gonçalves; Ruy Everson Leão, Ludiceia Aguiar; Geruza Soares; Jacy Cruz; Vera Lucena; Dr. André e Daniela (fisio); Erick e Vanderley Brito e Enivaldo Ribeiro.

AO MEU LEITOR

“Dá a meu rosto a claridade das águas límpidas, a minha alma a brancura da espuma” MICHEL QUOIST (in “Poemas para  Rezar).

 

Share this page to Telegram

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

Mais colunas de Elizabeth Marinheiro
Elizabeth Marinheiro

[email protected]

Arquivo da Coluna

Arquivo 2018 Arquivo 2017 Arquivo 2016 Arquivo 2015

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube