Fechar

logo

Fechar

Elizabeth Marinheiro: Tessituras

Elizabeth Marinheiro. Publicado em 28 de junho de 2020 às 10:58

Não é lugar comum repetir que a vida apronta altos e baixos. De acordo com um Padre da TV Aparecida é preciso sustentar a coragem, a Fé e a Esperança.

Também é verdade que o ser humano, por sua imanente fragilidade, nem sempre consegue esse poder sustentador. Amigas e amigos existem na mesma proporção das decepções e ingratidões.

No mundo do pós-tudo a Ética tem sido muito machucada. Entretanto as  boas amizades sobrevivem. Pessoalmente mantenho amigas legitimadas. Como este texto constará de minha autobiografia, tentarei um pequeno perfil de cada uma delas. A escolhida de hoje é uma com quem convivo pouco, mas sempre ela está comigo.

Jovem, morava na rua da “Floresta”, hoje “João Lourenço Porto” e eu na João da Mata, proximidade que facilitava nossos encontros. Distinguia-se pela boa educação, simplicidade e elegância. Primava por sapatos e bolsas de griffe.

Já adulta graduou-se em Letras e fez seu Mestrado na Universidade Federal da Paraíba, em João Pessoa. Atendendo seu convite, participei da Banca Examinadora, na qual ela se saiu brilhantemente.

Quando Presidente da FACMA dirigi a peça “O Diálogo das Carmelitas” (mais ou menos vinte integrantes) de George Bernanos. Ela foi uma das atrizes principais.

Íamos fazer uma apresentação fora da Paraíba. O elenco, aguardando o ônibus, todo reunido frente ao Teatro Municipal. Repentinamente, a ausência de uma das protagonistas. Pavor. Medo. Angústia. Soube-se que se encontrava no sertão paraibano, prisioneira do pai, que impedia a viagem da filha.

Enquanto aluguei um carro e pedi ao ator Jimmy que fosse ao sertão falar com o pai intolerante, minha perfilada, num belo gesto de liderança e solidariedade, levou parte do elenco angustiado pra sua casa, tentando distraí-lo, pois a viagem fora adiada para o dia seguinte. Final feliz.

Atuou como Professora-Mestre no Núcleo de Estudos Linguísticos e Literários, NELL/UFPB/Campus II. Atuação eficiente, boas iniciativas, inclusive coordenou o I Curso de Especialização em Linguistica e Literatura de Campina Grande, ministrado por Professores-Doutores de São Paulo e Rio de Janeiro. Que tal?

Porém, antes de pertencer ao NELL, essa Lady, juntamente com o Prof. Moacir Carneiro, convidou-me para dar uma palestra na URNe, em torno da Literatura Latina (imagino que eu ainda não pertencia à Universidade local).

Muito honrada, aceitei o convite. Fui tão aplaudida que a aluna A. G. assim se expressou: “Pela primeira vez eu assisti a uma aula de Literatura Latina”. Vibrei de felicidade!

O tempo voa… A jovem da rua da “Floresta” é hoje uma das personalidades mais famosas da cidade. Viajou o mundo inteiro. Frequenta eventos e mais eventos. Prestigiou a I Seccional PEN da Paraíba e a FACMA. Conta com um “milhão de amigos(as)” por merecimento. Pioneira do LIONS CLUBE, onde – me parece – foi sua primeira Presidente.

E quem será esta amiga?

MARIA DA SALETE CAROLINO: o exemplo da simplicidade e da modestia!

 

ALEGREMENTE

Jamais deixarei minha vertente moleca: pedido do meu filho.

E como rimar pandemia com alegria?

Recebendo os telefonemas atenciosos do Escritor POLÍBIO ALVES.

Lendo e relendo as mensagens de Fé que o Amigo/Escritor JOSÉ MÁRIO costuma enviar-me.

Merecendo o carinho fraterno da querida MAYSA GADELHA.

Contando com a eficiência fraternal das Senhoras MARIGENE (Pró-Médica/Prata) e LUCIENE PEREIRA (Clipsi).

Abrindo o lindo presente que me foi ofertado por BÊRI PEDROSA.

“Nem só de pão, vive o homem”. Vive-se também das atitudes despojadas e dos gestos solidários.

 

BOAS LEITURAS

Eis o que sempre me perguntam. Embora esteja envolvida com outro Projeto, lembro os seguintes títulos:

Essa gente de Chico Buarque.

Minha História de Michelle Obama.

Que nunca esqueçam os Autores paraibanos, a exemplo de José Mário da Silva Branco, Mª José Limeira e Sérgio de Castro Pinto.

 

POÉTICA

Gastei uma hora pensando um verso

        que a pena não quer escrever.

        No entanto ele está cá dentro inquieto, vivo

Ele está cá dentro

        e não quer sair.

        Mas a poesia deste momento

        inunda minha vida inteira” DRUMMOND DE ANDRADE (in Obra Completa, p. 85. Grifos nossos)

Share this page to Telegram

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

Mais colunas de Elizabeth Marinheiro
Elizabeth Marinheiro

[email protected]

Arquivo da Coluna

Arquivo 2018 Arquivo 2017 Arquivo 2016 Arquivo 2015

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube