Fechar

logo
logo

Fechar

Dom Manoel Delson: Próximos da Misericórdia de Jesus

Dom Delson. Publicado em 11 de abril de 2021 às 13:35

O Domingo da Divina Misericórdia, celebrado sempre no II Domingo da Páscoa, foi instituído pelo saudoso São João Paulo II. Para este, bem como para toda a Igreja, o culto da Divina Misericórdia não é uma devoção secundária, mas uma dimensão integrativa da fé e da oração do cristão.

Ela não é um anexo, mas raios que emanaram do lado aberto do Cristo Ressuscitado a derramarem-se sobre as dores históricas da humanidade.

Sem a Misericórdia do Senhor, nada seríamos. Afinal, “fora da misericórdia de Deus não há qualquer outra fonte de esperança para os seres humanos” (São João Paulo II). A Divina Misericórdia possibilita-nos crescer no caminho da fé, faz-nos adentrar nas chagas gloriosas do Ressuscitado.

Quando entramos nas chagas de Jesus, vemos face a face o grande amor de Deus por nós: “entrar nas suas chagas significa contemplar o amor sem medidas que brota do seu coração. Este é o caminho. Significa entender que o seu coração bate por mim, por ti, por cada um de nós.

Queridos irmãos e irmãs, podemos nos considerar e chamar-nos cristãos, e falar sobre muitos belos valores da fé, mas, como os discípulos, precisamos ver Jesus tocando o seu amor. Só assim podemos ir ao coração da fé e, como os discípulos, encontrar uma paz e uma alegria mais fortes que qualquer dúvida” (Papa Francisco).

Devemos apoiar nossas vidas na Misericórdia do Senhor. Nunca devemos desconfiar da gratuidade dessa misericórdia que nos quer sempre próximos a Ele, o Senhor: “o amor exige familiaridade, a misericórdia requer confiança. Já no início dos dez mandamentos, Deus dizia: «Eu sou o Senhor, teu Deus» (Ex 20,2) e reiterava: «pois eu sou o Senhor teu Deus, um Deus zeloso» (v.5).

Aqui está a proposta de Deus, amante zeloso, que se apresenta como teu Deus; e do coração comovido de Tomé brota a resposta: «Meu Senhor e meu Deus!». Entrando hoje, através das chagas, no mistério de Deus, entendemos que a misericórdia não é mais uma de suas qualidades entre outras, mas o palpitar do seu coração. E então, como Tomé, não vivemos mais como discípulos vacilantes; devotos, mas hesitantes; nós também nos tornamos verdadeiros enamorados do Senhor! Não tenham medo desta palavra: enamorados do Senhor!” (Papa Francisco).

Neste tempo da Páscoa, abramos nossa existência ao Cristo que, incansavelmente, derrama os raios de sua misericórdia para nos salvar. Os dramas da vida não são maiores do que o amor misericordioso de Deus.

Às vezes não sabemos suportar as provas e tribulações, e caímos na falta de fé, mas o cristão não desiste nunca! Apoia até mesmo sua falta de fé nesse grande amor de Deus. Não desiste nunca!

Que a Virgem Maria, Mãe de Misericórdia, nos ensine a confiar nos raios da misericórdia de Seu Filho Jesus e, apoiados na sua fé inabalável de Mãe, possamos na concretude de nossas vidas dizer: “Meu Senhor e Meu Deus, Eu creio!”

Share this page to Telegram

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

Mais colunas de Dom Delson
Dom Delson

Arcebispo Metropolitano da Paraíba.

[email protected]

Arquivo da Coluna

Arquivo 2018 Arquivo 2017 Arquivo 2016 Arquivo 2015

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube