Quantcast

Fechar

logo

Fechar

Doença de Alzheimer

Rafael Holanda. Publicado em 10 de junho de 2019 às 11:54

É duro se perder dentro de si, onde as doces lembranças se embotam um ambiente inacessível e a imagem do hoje se comportam como se nada houvesse existido.

É duro tentar compreender quem viveu de risos e felicidade, em dado momento se aprisiona dentro de si, não conseguindo esboçar palavras que poderiam se tornar conforto.

A patologia destitui a beleza do bom senso, embota lembranças, bloqueia as lágrimas no seu nascedouro, decreta de forma lenta a morte mesmo em vida.

Quem vivia de alegria, se contenta com a mudez do nada; quem trazia no seu coração as grandes vaidades, se transforma em estatua com a personificação da eterna tristeza.

Já não há mais risos, o desconhecimento total da família, destitui a luminosidade de esperanças e num silêncio sepulcral os dias se transformam em uma constante sem igual.

A patologia de forma indiferente as dores, leva o paciente por lugares dantes navegados na mente, e carrega consigo fenômenos de tristeza que passam a caminhar pelos olhos dos familiares.

Não há terapêutica, não há esperança, porém quem ama é capaz de conviver, porque o amor exerce força maior do que qualquer oração de fé.

As noites serão dias e os dias espelharão a noite, o risco dos acidentes aumenta, porque o ato de defesa se escorregou para dentro desta prisão sem chaves.

Muitos buscam excluir quem no passado só transferiu amor, muitos acham que é mais um peso a se carregado, daí a necessidade de procurar casas de internação.

Quem ama guarda consigo as lembranças indeléveis, e enfrenta as tempestades trazidas pelo “alemão”, não recorre à nova prisão para quem já se acha preso na solidão.

A família é a maior de todas as armas contra o desespero instalado, pois demonstra assim que todos não são ilhas isoladas distantes da dor, mas um continente com ligação profunda.

Nesta hora tem que se instalar a arte maior do servir, pois o verdadeiro sentido da vida não é realizar coisas só nas horas vagas, e sim nas grandes necessidades.

Trate-o com o carinho, instale uma verdadeira proteção, a visita tem importância fundamental, pois a vida pelo seu caráter cíclico pode repetir amanhã a imagem em você, que seus olhos servem de testemunha.

Não se desanime, pois assim como as chuvas enchem regatos e engrossam os rios, que chegam ao oceano,assim possa o poder de cada momento de Deus fluir para despertar e curar todos os seres.

Lembre-se que esta força poderosa e que está em tudo, foi capaz de levantar os mortos, curar enfermidades, realizar proezas que persistem, apesar do nossa própria descrença.

Share this page to Telegram

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

Mais colunas de Rafael Holanda
Rafael Holanda

* Médico.

[email protected]

Arquivo da Coluna

Arquivo 2018 Arquivo 2017 Arquivo 2016 Arquivo 2015

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube