Fechar

logo

Fechar

Coluna de Jurani Clementino: Raimundo dos bolos

Jurani Clementino. Publicado em 27 de julho de 2019 às 11:39

Eu ainda nem havia nascido quando no início dos anos de 1970 aquele homem resolveu sair perambulando pelos sítios sertanejos vendendo doces e bolos. Primeiro no lombo de um jumento. Depois montado numa bicicleta velha. Agora guiando uma moto Honda Titan 125 cor preta. Está sempre com um boné azul na cabeça, vestido com uma camisa manga-longa e carrega consigo uma bolsa de couro pendurada do lado direito do corpo. Observo esses detalhes enquanto estou deitado numa rede que minha mãe armou pra mim, debaixo do alpendre da casa de meu pai no Sítio Queixada. Mas essa é uma cena que já se repete há dezenas de anos. Esta semana olhei para aquele comerciante ambulante com o olhar diferente. Ele vinha na estrada em cima daquela motocicleta, com uma caixa de madeira amarrada à garupa do veículo, e dobrou à esquerda, num corredor de chão batido, que leva a casa de meus pais.

Pouca gente sabe seu nome completo. Ali todos o conhecem por Raimundo dos Doces, Raimundo Moreno, Raimundo dos Bolos, Raimundo Preto…. e, como ele começou vendendo os produtos tangendo um jumento, ainda tem que o chame de Raimundo do Jumento. Todos esses apelidos seu Raimundo encara com a maior tranquilidade do mundo porque sabe que, aos 78 anos de idade, poucas pessoas vão chamá-lo por Raimundo Francisco da Silva.

Levantei-me da rede, desci a calçada para cumprimenta-lo e lhe fiz umas perguntas breves. Ele me disse que já se vão 49 anos, quase meio século, comercializando bolos como Pão de Ló, Manzape e Doces de Leite… pelas estradas empoeiradas e esburacadas dos sítios de Várzea Alegre. Raimundo começou a trabalhar, unindo as suas necessidades com as habilidades da esposa, dona Bebé, uma doceira de mão cheia. Hoje envelhecida e cansada, ela já não se responsabiliza pela fabricação daqueles produtos artesanais. Quem ajuda seu Raimundo atualmente são os filhos e as noras.

O fato é que nos últimos anos o negócio prosperou e ele construiu uma pequena fábrica destes produtos por ele comercializados, bem próximo a sua casa. Enquanto seu Raimundo sai na motocicleta pelos sítios vendendo os doces e bolos, um de seus filhos realiza as entregas dos produtos a alguns comerciantes na cidade de Várzea Alegre. Esta imagem daquele senhor, de praticamente oitenta anos, circulando por aquelas estradas guiando uma moto, permanece firme na memória de muitos que por ali passaram ou que por ali residem. Da última vez que ele passou lá em casa, adquiri seus produtos. E enquanto fazia as perguntas sobre sua vida, quase me esquecia de pagar pelos bolos e doces adquiridos. Quando ia retornando para a rede ele me perguntou, meio encabulado:

– Ei, mas você já pagou?

E, nesse momento, mais constrangido do que ele, percebi que tinha me esquecido de entregar o dinheiro a seu Raimundo. Vendo a minha completa vergonha ele, sempre generoso e querendo amenizar aquela situação ali criada, resolveu me presentear com um manzape. Pra quem não sabe, o manzape é o um bolo feito à base de massa de milho, com amendoim, castanha, especiarias e mel de rapadura. Desses bolos fortes que deixa todo mundo com a fome saciada e, certamente, com a memória boa. Meu velho e bom Raimundo dos Bolos venho aqui, mais uma vez, pedir desculpas pelo embaraço, e digo ao senhor, sem medo de errar: posso até tá ficando ruim da memória, mas sou um bom pagador.

Share this page to Telegram

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

Mais colunas de Jurani Clementino
Jurani Clementino

Jornalista, Doutor em Ciências Sociais, Escritor e Professor Universitário. Autor de: Forró no Sítio (Crônicas, 2018) e Zé Clementino: o ´matuto que devolveu o trono ao rei. (biografia, 2013).

[email protected]

Arquivo da Coluna

Arquivo 2018 Arquivo 2017 Arquivo 2016 Arquivo 2015

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube