Fechar

logo

Fechar

Coluna de Benedito Antonio Luciano: Pauta indigesta dos noticiários

Benedito Antonio Luciano. Publicado em 28 de setembro de 2019 às 8:41

No disco “Descendo o morro”, Volume 4, lançado em 1961 pelo saudoso sambista Roberto Silva, há um samba-crônica intitulado “Jornal da morte”, de autoria do compositor Miguel Gustavo. Na letra dessa música é apresentada uma referência explicita à linha editorial de certos jornais populares nos quais eram destacados os dramas urbanos, dentre eles suicídios ou assassinatos.

Seguem os versos da música supracitada: Vejam só este jornal/É o maior hospital/ Porta-voz do bang-bang/ E da polícia central// Tresloucada, semi-nua, jogou-se do oitavo andar/ Porque o noivo não comprava maconha pra ela fumar// Um escândalo amoroso com os retratos do casal/ O bicheiro assassinado em decúbito dorsal/ Cada página é um grito/ Um homem caiu no mangue/ Só falta alguém espremer o jornal/ Pra sair sangue, sangue, sangue, sangue, sangue, sangue,…/.

Transcorridos cinquenta e oito anos, parece que essa linha editorial voltada para violências das mais variadas formas se expandiu das páginas dos jornais impressos para outros veículos de comunicação, como rádio, TV e mídias digitais.

Nos dias atuais, é comum o telespectador brasileiro identificar, logo nas manchetes dos telejornais, chamadas para matérias que abordam catástrofes e violências, de forma direta ou subliminar.

Sob a alegação que esse tipo de matéria desperta o interesse e aumenta a audiência, todos os dias, os editores apresentam aos leitores, ouvintes e telespectadores um cardápio indigesto e mórbido aos que se dispõem a consumir tal conteúdo.

Então, isto me fez lembrar uma fala de Ariano Suassuna ao comentar o porquê de tanta música de péssima qualidade ser executada nas programações diárias das rádios e em programas de televisão.

Segundo ele, o compositor pernambucano Capiba ficava indignado quando ouvia alguém dizer que cachorro só gosta de osso. Cachorro gosta é de comida.

– Se dão osso ao cachorro, ele come com avidez. Bote um filé e bote um osso para ver o que o cachorro escolhe!

A mesma coisa acontece com a notícia, com arte em geral e com a música, em particular. O gosto do público é induzido por uma excessiva exposição ao produto que se quer vender. É como oferecer sistematicamente o osso ao cachorro. Ofereça filé!

Em 22 de setembro de 2019, numa entrevista concedida a um famoso jornal brasileiro, o cantor e compositor Milton Nascimento fez duras críticas à qualidade da música atualmente divulgada pela mídia no Brasil.

Para ele, a música brasileira está uma porcaria: “O pessoal ao invés de cantar sobre a amizade, só sabe falar de bebida e traição, sempre traição”. Alguns não gostaram da sinceridade do grande artista, pois entre o filé e o osso, preferem continuar roendo osso.

No tocante ao noticiário político e econômico, também estamos submetidos a uma pauta indigesta. O alinhamento ideológico que permeia a pauta da grande rede internacional, geradora de notícias, está direcionado para atingir determinados propósitos, alguns travestidos de preocupações nobres e elevadas como a sustentabilidade ambiental, os direitos humanos e as liberdades individuais e coletivas.

Assim, neste contexto midiático de grandes manipulações de consciências, é imperioso ficarmos atentos para não sermos atraídos e seduzidos pelo “canto das sereias”. É preciso seguir o exemplo de Ulisses. Travessia.

Share this page to Telegram

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

Mais colunas de Benedito Antonio Luciano
Benedito Antonio Luciano

Professor doutor, titular do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG).

[email protected]

Arquivo da Coluna

Arquivo 2018 Arquivo 2017 Arquivo 2016 Arquivo 2015

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube