Fechar

logo

Fechar

Benedito Antonio Luciano: Jornalismo e divulgações científicas

Benedito Antonio Luciano. Publicado em 28 de maio de 2020 às 8:31

De acordo com alguns jornalistas e pesquisadores interessados em Ciência e Tecnologia (C&T), o início do decênio de 1970 marca as primeiras tentativas organizacionais do jornalismo científico no Brasil. 

Em 1977, na cidade de São Paulo, foi criada a Associação Brasileira de Jornalismo Científico (ABJC) e no ano seguinte foi registrada, tendo como seu primeiro presidente o médico, pesquisador, jornalista e professor José Reis.

 Anos depois, outras iniciativas começaram a se configurar no campo prático do jornalismo científico no Brasil, resultando nos lançamentos das revistas Ciência Hoje, em 1982, e Superinteressante, em 1987, esta última seguindo uma linha editorial voltada para o público jovem, explorando o lado fascinante das curiosidades científicas.

Nesse período, a maioria dos jornais diários e revistas semanais de grande circulação nacional abriram espaços generosos para a divulgação de C&T, destacando a produção internacional e muito pouco, quase nada, no tocante à produção nacional. 

Entretanto, o cenário começou a mudar quando alguns cursos de Comunicação introduziram em seus currículos disciplinas de Jornalismo Científico. Assim, com a formação de profissionais especializados, a produção científica nacional passou a ser um pouco mais divulgada para os leitores brasileiros, embora ela ainda seja mais veiculada no exterior, geralmente em inglês, em periódicos internacionais específicos. 

Como no Brasil C&T são produzidas tradicionalmente em universidades e institutos de pesquisas, alguns profissionais da imprensa e dirigentes dessas instituições ao perceberem a importância estratégica do marketing implícito na divulgação científica, resolveram produzir informativos, jornais e revistas, contribuindo para alimentar a mídia extra-acadêmica com matéria-prima obtida diretamente da fonte.

Seguindo esta linha, algumas instituições universitárias lançaram informativos com a formatação de jornalismo científico veiculados na forma impressa ou eletrônica, tais como: UNICAMP (Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo – Labjor), USP, UFRJ, UFSC, UFBA, UFPE, UEPB e UFCG.

Neste particular, dentre outras, algumas fundações de amparo e de apoio à pesquisa, a exemplo da FAPESP, FAPERJ e FAPESQ/PB, também se envolveram com a divulgação científica dos resultados de projetos por elas financiados, dando mais visibilidade a esse tipo de produção, quase sempre inacessível ao público leigo.

De forma geral, o jornalismo científico pode ser visto como uma forma de levar ao conhecimento da sociedade os resultados das pesquisas, como também envolvê-la com a necessidade de sua participação mais efetiva na formulação de políticas públicas governamentais. 

Neste contexto, jornalistas, cientistas e os veículos de comunicação cumprem um papel relevante: o de construir junto à opinião pública uma relação de confiança e respeito no tocante ao seu direito de ser informada sobre o destino dos recursos públicos investidos em C&T, e seus desdobramentos relativos ao desenvolvimento da sociedade, em seus aspectos políticos e econômicos.

Share this page to Telegram

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

Mais colunas de Benedito Antonio Luciano
Benedito Antonio Luciano

Professor doutor, titular do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG).

[email protected]

Arquivo da Coluna

Arquivo 2018 Arquivo 2017 Arquivo 2016 Arquivo 2015

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube