Fechar

logo
logo

Fechar

Arlindo Almeida: Alguns reflexos da pandemia

Arlindo Pereira de Almeida. Publicado em 31 de março de 2021 às 10:32

Em todos os momentos da vida das pessoas e das sociedades, principalmente em tempos de extrema dificuldade, como agora, é necessária uma postura de equilíbrio buscando exercitar as melhores soluções e as suas repercussões no prazo mais longo.

Na expressão popular, “um olho no peixe e outro no gato”. Tratar dos problemas presentes sem descurar do futuro, sempre sabedores de que o que fizermos hoje terá sua cobrança. Os melhores resultados serão, obviamente, consequência dos acertos.

Os problemas do Brasil hoje, são, sem dúvida a gravíssima crise na saúde e o preocupante reflexo na esfera econômica.

Por conta da pandemia, o número de mortes registradas até esta semana, é superior ao de habitantes de uma cidade como Mossoró (RN). Coisa antes inimaginável, parecendo mais o episódio bíblico de Sodoma e Gomorra, ou as previsões catastróficas do Apocalipse. É preciso estancar essa sangria.

Particularizando no campo da economia, as grandes metas nacionais, agora, são apagar os incêndios representados pela queda no PIB, o aumento da inflação, dólar em alta, taxas de desemprego elevadas, elevação do número de pessoas em estado de miséria, passando fome mesmo.

Após as quedas no PIB em 2015 (-3,5%) e 2016 (-3,3%), o Brasil vinha experimentando uma ligeira recuperação; 2017 (+1,3%), 2018 (1,8%) 2019 (+1,4%); mas em 2020 registrou nova queda (-4,1%), a maior em 25 anos. A inflação, sob controle apresentava taxas abaixo das metas do Banco Central, mas tem previsão de alta de 4,9% este ano. A taxa básica de juros da economia já subiu de 2% para 2,75%. O dólar oficial teve elevação de 54% entre abril de 2016 (R$ 3,58) e a cotação atual (R$ 5,50)). A taxa de desemprego em janeiro de 2021 foi de 14,1%. O IBGE divulgou no último trimestre do ano passado que aumentou o número de pessoas em extrema pobreza, atingindo 10,3 milhões, ou seja, sem condições de se alimentar, que teria sido muito maior sem o auxílio emergencial de R$ 600,00.

“A abertura do Auxilio Emergencial mostrou que entre os domicílios particulares permanentes brasileiros 44,1% receberam o benefício”. A cobertura foi maior no Norte (60,6%) e no Nordeste (59,6%). Foi menor no Sul (30,9%), Sudeste (37,2%) e Centro-Oeste (41,9%).

O fato não se repetirá na mesma intensidade com a nova ajuda do Governo, em números bem inferiores, tanto na quantidade de beneficiários como do valor (menos da metade).

O que foi exposto representa o quadro geral do Brasil. Mas os impactos não ocorrerão uniformemente sobre o conjunto do país, composto de regiões de maior ou menor desenvolvimento, envolvendo estados e municípios com PIB’s per capita díspares, com pessoas com diferentes níveis de renda. Entre 2012 e 2020 experimentou-se uma relativa redução das desigualdades de renda, como no quadro abaixo com dados da Fundação Getúlio Vargas.

Entre 2012 e 2020, o número de pessoas com renda abaixo de ½ salário mínimo baixou de 65,8 milhões de pessoas para 50,2 milhões. Entre ½ SM até 2 SM subiu de 103,2 milhões para 133,4 milhões. Indica esse número a ascensão de mais de 30 milhões de pessoas para outra faixa de renda. Para faixas superiores a 2 SM, a quantidade de pessoas se manteve estável. Registre-se uma migração positiva das pessoas de renda menor que ½ salário para o grupo de até 2 salários, passando de 52,31% para 63,01% dos totais.

Cabe aqui uma importante observação. A mobilidade social entre os mais pobres variou segundo a região. Em 2012, na Paraíba, tínhamos a seguinte distribuição, considerando as respectivas faixas de renda e a porcentagem da população:

Essa mudança significativa, certamente deve-se, no primeiro instante à modesta recuperação econômica e, no último ano, ao auxílio emergencial, mas os impactos só poderão ser melhor avaliados quando forem conhecidos dados sobre o comportamento da economia durante 2021, principalmente pelo agravamento da situação, hoje, que poderá reverter significativos ganhos no passado.

Share this page to Telegram

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

Mais colunas de Arlindo Pereira de Almeida
Arlindo Pereira de Almeida

Economista.

[email protected]

Arquivo da Coluna

Arquivo 2018 Arquivo 2017 Arquivo 2016 Arquivo 2015

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube