Fechar

logo

Fechar

Alexandre Moura: Tudo Digital

Alexandre Moura. Publicado em 19 de março de 2021 às 19:12

Tudo Digital

Desde o início da pandemia um dos setores mais afetados, pelo impacto econômico causado pelo vírus, tem sido a “indústria do transporte aéreo”. Um dos componentes desta indústria é o da infraestrutura aeroportuária (aeroportos e equipamentos associados). Desta forma, os executivos do segmento, têm buscado saídas para diminuir os custos de operação para as empresas aéreas e assim, conseguir viabilizar a continuidade das operações.

Uma das soluções encontradas foi “digitalizar o embarque dos passageiros”, que além de diminuir custos ajuda no controle sanitário (diminuindo ou mesmo evitando, o contato entre os passageiros, funcionários do aeroporto e das companhias aéreas, bem como o manuseio de papel, uma possível fonte de contaminação). Com este objetivo, o Aeroporto Santos Dumont, localizado na Cidade do Rio de Janeiro, começou a fazer testes com “embarques 100% digitais”.

Tudo Digital (II)

O novo sistema sendo utilizado pela INFRAERO, empresa que administra o aeroporto, utiliza a tecnologia de “reconhecimento facial e não necessita do tradicional cartão de embarque – seja ele em papel e/ou o digital disponibilizado no smartphone do passageiro – ser apresentado no portão de embarque.

O projeto piloto conta com a participação da “Azul Linhas Aéreas” e funciona da seguinte forma: o passageiro faz o check-in no balcão (ou nos quiosques de autoatendimento) da empresa aérea, recebe no smartphone uma “mensagem de texto solicitando autorização para a coleta de uma fotografia” (tudo de acordo com a LGPD – Lei Geral de Proteção de Dados), com a autorização dada, a foto é conferida com as “imagens existentes em uma das bases de dados do governo”.

Estando tudo certo, o passageiro pode entrar na sala de embarque, passando por um portal com “controle biométrico que utiliza câmeras de alta resolução que conferem a imagem e libera ou não, a entrada”. Tudo de forma automática sem a interferência humana. Após os testes e sendo os resultados satisfatórios, o sistema será implantado em outros aeroportos brasileiros.

Dia Mundial da Criatividade

No próximo dia 21 de abril, será celebrado o “Dia Mundial da Criatividade” (World Creativity Day). O evento acontecerá em mais de 120 cidades (a exemplo de Barcelona, Vancouver, Dubai, Paris e Londres) espalhadas por 16 países, incluindo Campina Grande, Paraíba. Essa será a quarta edição do Dia Mundial da Criatividade (que é considerado “o maior festival colaborativo de criatividade e inovação do mundo”), e terá uma programação especial focada em educação, com atividades produzidas por inspiradores e especialistas no tema, consolidando a data como a maior feira de experiências educacionais criativas em nível mundial, “com a missão de acelerar a revolução da aprendizagem e garantir que milhares de pessoas possam desenvolver novas habilidades com foco em empregabilidade e geração de renda, contribuindo para reduzir os danos e prejuízos, causados pela pandemia”.

As atividades deste ano, acontecerão nos dias 21 e 22 de abril, gratuitamente, e poderão ser acessadas através do canal oficial de cada cidade participante, disponível no aplicativo para smartphone (Android e iOS), ou pela plataforma oficial do evento na Internet. Cada cidade tem um líder local, (representante da sociedade civil que acredita no valor da criatividade e da educação para transformar a realidade de sua localidade). Em Campina Grande, a líder local é Karina Dias Amorim – Coordenadora do INOVALAB UNIFACISA. Maiores informações pelo e-mail [email protected] Vale a pena participar!

Fábrica no Espaço

A empresa aeroespacial Airbus (fabricante europeia de aviões, foguetes e satélites), vai construir a primeira fábrica de espaçonaves no próprio espaço sideral. O projeto, denominado de “Period” e que faz parte do Programa Horizon 2020 da UE – União Europeia, tem como objetivo “a montagem e fabricação de satélites e peças de naves espaciais na órbita da terra”. Quando finalizada, a “unidade industrial espacial” será a primeira empresa a fabricar peças e equipamentos, fora da nossa atmosfera e servirá de modelo para outras unidades similares.

Segundo os engenheiros responsáveis pelo projeto, são várias as vantagens de se dispor de uma fábrica no espaço, mas a principal é que todo componente produzido “estará livre das limitações e requisitos específicos dos foguetes (como peso e tamanho da carga) que atualmente levam estes itens ao espaço. O objetivo é ter uma “fábrica-piloto”, funcionando, até 2026.

________________________________________________________________

Engenheiro Eletrônico, MBA em Software Business e Comércio Eletrônico, Chairman da Light Infocon Tecnologia S/A, VP da Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado da Paraíba e Diretor de Relações Internacionais da BRAFIP.

Share this page to Telegram

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

Mais colunas de Alexandre Moura
Alexandre Moura

Engenheiro Eletrônico, MBA em Software Business e Comércio Eletrônico, Diretor da Light Infocon Tecnologia S/A e Diretor de Relações Internacionais da BRAFIP - Associação Brasileira de Fomento à Inovação em Plataformas Tecnológicas.

[email protected]

Arquivo da Coluna

Arquivo 2018 Arquivo 2017 Arquivo 2016 Arquivo 2015

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube