Fechar

logo

Fechar

Alexandre Moura: Centro de Exposições e Convenções Híbrido?

Alexandre Moura. Publicado em 10 de julho de 2020 às 8:14

Atualmente e principalmente, depois da pandemia que afetou terrivelmente, os negócios em praticamente todos os países do mundo, o modelo tradicional de se fazer negócios, não consegue “resolver” todos os problemas enfrentados pelos empresários, independentemente do segmento de mercado em que atuam.

Tomando como exemplo a indústria automobilística, onde os carros híbridos (que “misturam” o uso de combustível fóssil e eletricidade), os empreendimentos também devem pensar em usar esse tipo de solução.

Um equipamento, importante para a economia de qualquer cidade em nível mundial, são os Centros de Exposições e Convenções (CECs) cujos dirigentes tiveram que pensar “fora do quadrado” para superar o cancelamento de centenas de eventos, devido às medidas de distanciamento social impostas pelas autoridades de saúde. 

Centro de Exposições e Convenções Híbrido? (II)

Um caminho para realização dos eventos é a “digitalização” dos mesmos (o que vem ocorrendo em nível mundial, vide o próximo tópico) e desta forma, os CECs precisão investir na “digitalização das suas instalações” para atender essa demanda que existe agora e que deve continuar existindo no futuro, pois um novo mercado se abriu com os eventos (encontros, seminários e até mostras/feiras) sendo transmitidos via Internet (e consequentemente para um público imensamente maior).

Não sendo mais concebível o retorno (quando assim for permitido) puro e simplesmente, ao “modelo tradicional anterior à pandemia” (com a presença de público).

O futuro será de “Eventos Híbridos” (com a presença de público e muitos milhões assistindo pela Internet), parodiando os carros híbridos mencionados acima.

Assim, a digitalização das instalações, com redes de dados de fibra ótica de banda larga, conexões de alta velocidade a Internet, iluminação compatível com imagens em alta definição (HDTV) e soluções de sonorização adequada ao modelo hibrido, nos auditórios, nas salas de conferencias e até no “ambiente de exposições” devem ser realizados, nos atuais e futuros projetos de CECs.

Essa não é uma opção, é uma necessidade! O “Centro de Exposições e Convenções Híbrido” parece ser o presente e o futuro, desse equipamento.

Gartner IT Symposium/Xpo™ 2020 também será Digital!

A edição 2020 do Gartner IT Symposium/Xpo, evento conhecido como o encontro mais importante de executivos de TI (Tecnologia da Informação) do mundo, será digital devido à pandemia do Covid -19.

Comumente chamado de “IT Xpo” e realizado desde 2001, no mês de outubro (tive o privilegio de estar presente em todas as edições), no Centro de Convenções e Exposições do Walt Disney World Swan & Dolphin Resort, na cidade de Orlando, nos Estados Unidos, é outro grande evento de tecnologia que teve de “ser digitalizado” para poder acontecer.

O mês de outubro (só variando a semana) já é uma data reservada nas agendas de cerca de oito mil executivos de, praticamente, todos os países do mundo (Brasil incluído) e época de rever amigos e conhecidos, de 20 anos de realização deste completo e diferenciado seminário internacional.

Nos cinco dias do “IT Xpo” são apresentadas as próximas ideias e tendências de mercado de tecnologia, que moldarão o futuro da TI e de estratégias de negócios das empresas de todos os portes e especialidades, além da troca de informações e discussões entre os executivos e clientes.

Mais informações sobre a “Versão Digital” do Seminário podem ser obtidas no endereço: www.gartner.com

Mais um!

Depois do Governo da Índia que proibiu no final do mês passado, quase 60 aplicativos (dentre eles o TikTok) para Smartphones produzidos na China, por motivos de “segurança cibernética” (leia-se: suspeitas de espionagem dos dados dos usuários) agora é o Governo dos Estados Unidos que estão “estudando a proibição dos aplicativos pelos mesmos motivos”.

Segundo as autoridades americanas, o “assunto é sério e envolve aspectos de segurança nacional”. Parece que os Estados Unidos é mais um país a proibir os aplicativos made in China e a lista tende a crescer, pois alguns países da Europa estão considerando seguir o mesmo caminho. Será?

É aguardar os próximos movimentos deste jogo de xadrez tecnológico internacional.

Share this page to Telegram

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

Mais colunas de Alexandre Moura
Alexandre Moura

Engenheiro Eletrônico, MBA em Software Business e Comércio Eletrônico, Diretor da Light Infocon Tecnologia S/A e Diretor de Relações Internacionais da BRAFIP - Associação Brasileira de Fomento à Inovação em Plataformas Tecnológicas.

[email protected]

Arquivo da Coluna

Arquivo 2018 Arquivo 2017 Arquivo 2016 Arquivo 2015

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube