Fechar

logo

Fechar

Água, energia elétrica e sustentabilidade

Benedito Antonio Luciano. Publicado em 23 de julho de 2019 às 10:57

Em várias regiões do Brasil e do Mundo muitos viventes sofrem com a falta de água e de energia elétrica. Como engenheiro eletricista, sei que há uma forte relação entre água, energia elétrica e sustentabilidade. Sem água não há vida. Sem energia elétrica pode haver vida, mas não há desenvolvimento econômico e bem-estar social.

Nos dias atuais, com o aumento populacional e com o estilo de vida adotado, a falta de racionalidade no uso dos recursos naturais tem causado impactos ambientais que, em alguns casos, tem levado ao racionamento de água e energia.

As mudanças climáticas e as ações do Homem têm prejudicado as reservas de água potável superficial, comprometendo, sobremaneira, a qualidade e a quantidade nos lençóis freáticos, resultando no aumento do valor da água e na intensificação do uso da energia elétrica utilizada para o bombeamento e o tratamento da água nos diferentes setores.

De acordo com estudos realizados por especialistas, o consumo de energia elétrica na maioria dos sistemas de abastecimento de água em todo o mundo poderia ser reduzido em pelo menos vinte e cinco por cento, por meio de ações de redução de perdas e eliminação de desperdícios.

Infelizmente, a maioria dos gestores e a própria sociedade não conseguem dar a devida atenção à gestão integrada dos recursos hídricos e energéticos, optando por ações corretivas ao invés de ações preventivas.

 No tocante aos municípios e estados, os custos com energia elétrica, decorrentes da ineficiência dos sistemas de abastecimento de água, representam recursos orçamentários valiosos que poderiam ser empregados para outras finalidades como educação, mobilidade urbana, saúde e segurança.

Em países como o Brasil, cuja matriz energética ainda é predominantemente baseada em usinas hidrelétricas, com o baixo volume de água acumulado nas represas onde estão localizadas as hidrelétricas, usinas termelétricas foram acionadas, onerando o preço da energia elétrica consumida em todos os setores da economia.

Nas termelétricas, a queima de combustíveis fósseis para a conversão em energia elétrica afeta a qualidade do ar na própria localidade e no mundo. Como consequência das emissões provenientes da queima do combustível, fecha-se o ciclo nada virtuoso do uso irracional dos recursos naturais e todos pagam um preço alto por isso.

Atualmente, no contexto das comunicações sem fio, parte significativa da energia elétrica envolvida no funcionamento do sistema é convertida em energia mecânica nos ventiladores (“coolers”) utilizados para conduzir para o meio ambiente o calor (energia térmica) proveniente dos processadores e dos demais dispositivos eletrônicos presentes nos computadores.

 Para o sistema elétrico, outra parcela significativa de energia elétrica disponibilizada é desperdiçada nos usos finais, como no ato rotineiro de manter o carregador do celular conectado à tomada, mesmo depois de a bateria ter completada a sua carga, ou no ato de manter os eletrodomésticos no modo de repouso (“stand by”).

Neste contexto, urge pensar e agir de forma efetiva em busca da sustentabilidade hídrica e energética. Soluções técnicas existem. Entretanto, o que tem faltado é determinação política de implantar ações consistentes e sistêmicas de curto, médio e longo prazo para que tal sustentabilidade seja alcançada em larga escala.

Share this page to Telegram

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

Mais colunas de Benedito Antonio Luciano
Benedito Antonio Luciano

Professor doutor, titular do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG).

[email protected]

Arquivo da Coluna

Arquivo 2018 Arquivo 2017 Arquivo 2016 Arquivo 2015

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube