Fechar

Fechar

A carne brasileira não é nada fraca

José Gonzaga Sobrinho (DECA). Publicado em 27 de março de 2017.

Por José Gonzaga Sobrinho (Deca) *

O Brasil ainda atônito com os desdobramentos da operação A carne é fraca, da Polícia Federal precisa tomar uma decisão essencial e estratégica:

Separar – urgentemente – o joio do trigo!

Se não o fizermos, o grande perdedor será o Brasil.

Não sou pecuarista nem tenho procuração para defendê-los.

Entendo, porém, que os setores que produzem, que empregam, que geram renda e movimentam a economia nacional precisam ser mantidos a salvo de tudo e de todos.

Insisto: o Brasil, enquanto nação, precisa defender a solidez de um setor que emprega diretamente sete milhões de brasileiros, está presente em cem por cento dos municípios e faz do País o segundo maior exportador de carne do mundo.

A carne brasileira definitivamente não é nada fraca.

Trata-se de um negócio que contribui com mais de US$ 6 bilhões para o complexo equilíbrio da balança comercial brasileira. E produz mais de 9 milhões de toneladas de carne por ano, com crescimento recorde de 37% no período de 2000 a 2011.

Tem mais: os subprodutos fornecidos por este segmento alimentam uma rede produtiva colossal. E se fosse interrompido, encerraria as atividades de 49 indústrias.

Muita coisa, portanto, está em jogo.

Está em jogo, por exemplo, a recuperação dessa tragédia social que é o desemprego.

Quando finalmente conseguimos um saldo positivo no Caged, o cadastro nacional de emprego e desemprego, interrompendo uma sequência de 22 meses negativos, não podemos simplesmente aceitar que um dos segmentos econômicos sólidos do País vá à bancarrota.

Evidentemente não faz parte da minha defesa o acobertamento de mal feitos.

A nação da pecuária, que tem desenvolvido tanta tecnologia e demonstrado força na produção de carne, precisa servir aos brasileiros e ao mundo produtos de boa qualidade e devidamente aprovados em inspeções sanitárias rigorosas e descomprometidas.

Mas sejamos sinceros: a espetacularização da operação da Polícia Federal, deflagrada justo no dia em que a Lava Jato (esse patrimônio nacional) completava aniversário de três anos, deixou uma pulga gigante atrás de nossas orelhas.

Precisava mesmo colocar em xeque toda uma cadeia produtiva tão importante para o País?

O estrago feito até aqui é enorme: contêineres brasileiros estão sendo boicotados em vários portos do mundo. Nossos principais mercados consumidores suspenderam contratos.

E não tenham dúvidas: muitos produtores internacionais estão agora comemorando nosso infortúnio.

Pois passamos a bola, de bandeja, para nossos adversários – países que nunca conseguiram superar a capacidade de produção do setor agropecuário brasileiro ganharam a chance de colocar seus produtos nas prateleiras internacionais.

Digo, alerto e repito: estamos jogando contra o nosso próprio patrimônio.

E vamos, juntos, amargar os seus efeitos.

(*) Empresário, suplente de senador

Os artigos postados no Paraibaonline expressam essencialmente os pensamentos, valores e conceitos de seus autores, não representando, necessariamente, a linha editorial do portal, mas como estímulo e exercício da pluralidade de opiniões.

José Gonzaga Sobrinho (DECA)

José Gonzaga Sobrinho, mais conhecido como Deca do Atacadão, é um empresário e político brasileiro, atualmente é senador da República e filiado ao PSDB. Foi eleito em 2010, ao lado senador Cássio Cunha Lima (PSDB) como primeiro-suplente. Em setembro de 2016, após o pedido de licença do titular, o senador Deca tomou posse no Senado Federal.

falecom@fhc.com.br

Simple Share Buttons

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube