...

Campina Grande - PB

Coluna de Roberto Freire: Os sinais da recuperação

18/04/2017 às 8:52

Fonte: Da Redação

Foto: Reprodução/ Internet

Por Roberto Freire (*)

Apesar de todas as dificuldades enfrentadas em decorrência da herança perversa deixada pelos governos anteriores, o Brasil começa a experimentar o início do que pode se configurar uma tão esperada e necessária recuperação de sua economia. A essa altura, já não são poucos os indicadores que apontam para uma retomada, o que é resultado direto da responsabilidade e da racionalidade adotadas na condução política econômica.

Uma das medidas mais acertadas foi a liberação de saques do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), determinada ainda no fim do ano passado pelo presidente Michel Temer. As estimativas indicam que mais de 30 milhões de trabalhadores que pediram demissão ou foram demitidos até 31 de dezembro de 2015 sejam beneficiados em todo o país. Ao todo, os recursos totalizam R$ 43,6 bilhões referentes a nada menos que 50 milhões de contas inativas.

Segundo dados parciais divulgados pelo Ministério do Trabalho, a primeira fase da liberação de saques do FGTS já contemplou mais de 3,5 milhões de brasileiros neste ano. O contingente de trabalhadores que já sacaram o dinheiro corresponde a 70% do total de pessoas que poderiam ser beneficiadas, de acordo com o balanço atualizado no fim do mês de março.

Para que se tenha uma ideia do que pode significar essa medida em termos de reaquecimento da economia, serão mais R$ 11 bilhões injetados somente nessa segunda etapa de saque. Dados divulgados pela Caixa Econômica Federal referentes ao mês passado apontam que cerca de 5 milhões de trabalhadores sacaram o saldo de FGTS de contas inativas – o que corresponderia a R$ 6,9 bilhões retirados dessas contas.

Além disso, talvez o dado mais alentador para a economia brasileira seja a perspectiva de um bom desempenho do agronegócio. A previsão da safra para a temporada 2016/2017 é de 217 milhões de toneladas, ante 186 milhões do período anterior.

De acordo com a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a estimativa de crescimento do setor para este ano é de 2%. O mais importante é que esse movimento não se reflete apenas ma projeção da safra, mas também na própria indústria, que registra um crescimento expressivo da venda de tratores e máquinas.

Outro importante indicador de que o Brasil, finalmente, parece ter voltado aos trilhos diz respeito ao setor automotivo. Após três anos consecutivos de quedas nas vendas, o cenário começou a mudar no último mês.

Segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), foram licenciados quase 190 mil veículos apenas em março, representando um crescimento de 5,5% em relação ao mesmo mês de 2016. A última vez em que as vendas de um mês específico haviam superado as registradas no mesmo período do ano anterior foi em fevereiro de 2014.

Ainda no setor automotivo, a produção fechou o mês de março com quase 235 mil unidades fabricadas. Se compararmos esse índice com aquele que foi registrado em março de 2016, constatamos uma alta de 1,8%. E há mais: apenas no primeiro trimestre de 2017, foram exportados 172.693 veículos, o que representa uma expressiva elevação de 69,7% em relação ao ano passado.

Ao contrário do que alguns poderiam imaginar, até mesmo a Petrobras, tão vilipendiada durante os 13 anos de governos lulopetistas, vem trilhando um caminho rápido e inequívoco de forte recuperação econômica e, sobretudo, moral. Na última segunda-feira (10), a agência de classificação de risco Moody’s anunciou a revisão da nota de crédito da empresa, que subiu do índice B2 para o B1. Em fevereiro, outra agência relevante no cenário internacional, a Standard & Poor’s, já havia melhorado a nota da estatal.

De acordo com o relatório da Moody’s, “a gestão da Petrobras mostrou comprometimento com suas metas financeiras e operacionais, como visto em operações de refinanciamento recentes, na disciplina no uso do caixa, no crescimento da produção e na queda dos custos”.

Não devemos nos iludir ou alimentar expectativas fantasiosas de que o país tenha condições de superar definitivamente a crise em um passe de mágica. É evidente que ainda há um longo caminho a ser percorrido, mas o governo Temer já oferece aos brasileiros a possibilidade de vislumbrar um futuro mais digno. Após a maior recessão de nossa história, a economia finalmente avança.

(*) Presidente nacional do PPS

Veja também

Comentários