Fechar

logo

Fechar

Arimatéa Souza

sexta-feira, 27/03/2020

Sinal de alerta

Afrouxamento

Na noite de ontem, o governador João Azevêdo autorizou, por meio de decreto, o atendimento presencial nas agências bancárias do Estado, “que será restringido ao pagamento de salários, aposentadorias e benefícios do Bolsa Família e aos serviços que não podem ser realizados nos caixas eletrônicos e canais de atendimento remoto”.

Extensão

Outras setores econômicos, a exemplo de casas lotéricas e lanchonetes existentes nas rodovias, lojas de material de construção, transporte de cargas, oficinas mecânicas, foram também contemplados.

O detalhe

O decreto governamental na íntegra pode ser lido clicando aqui.

Pela cidade

Está sendo organizada por empresários de Campina Grande uma carreata para a tarde de hoje: 15h, com concentração em frente ao Partage Shopping.

A intenção é pressionar o governo municipal a liberar o funcionamento do comércio local.

Em perigo

O diretor-presidente do Sistema Correio de Comunicação, empresário Roberto Cavalcanti, disse ontem que o País precisa se debruçar sobre a caótica situação atual do País.

Duas faces

“Ninguém, em momento algum, está questionando que a vida esteja em primeiro lugar. Porém, dentro dos componentes ‘vida’, existe a sobrevivência econômica dos parceiros deste mundo chamado ‘vida’,” ponderou.

No limite

Na sua projeção, “nós, Brasil, não vamos suportar mais uma semana de paralisação econômica. Quem vai pagar o salário dos autônomos? Que empresa pequena e média vai conseguir arcar com a folha de pagamento do próximo mês, da próxima semana?” – indagou.

“Desastre”

Por fim, o empresário sublinhou que “o confronto não constrói, mas nós não podemos parar o Brasil da forma que ele está parado”.

Sem retomada imediata – prognosticou – “vai ser um desastre”.

Mídia

Os diretores dos demais grupos de comunicação do Estado – Tambaú, Paraíba e Arapuan – ainda não se manifestaram publicamente sobre a conjuntura atual.

Talheres cruzados

O grupo Sal e Brasa anunciou o encerramento de suas atividades em João Pessoa.

Não há informações se o fechamento envolve uma ou todas as filiais existentes na capital paraibana.

Conta-gotas

Na Alça Sudoeste – próximo ao Distrito Industrial de Campina Grande – já tem posto de abastecimento vendendo o litro da gasolina a R$ 3,88.

Queda livre

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, declarou ontem que a empresa se prepara para uma situação iminente: o preço do barril do petróleo sendo cotado a menos de 25 dólares.

Precipitação

O empresário e prefeitável Artur Bolinha (PSL) disse ontem que é “cedo” para a discussão sobre um eventual adiamento do processo eleitoral deste ano.

Indispensável

“A eleição é fundamental para o processo democrático e elas precisam ser realizadas. Sou completamente contra a prorrogação de mandatos. Seria quase uma dinastia para alguns políticos que estão durante muitos anos no poder”, enfatizou Bolinha.

Fôlego

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, suspendeu por 180 dias o pagamento das parcelas da dívida dos Estados da Paraíba, Pernambuco e Santa Catarina com a União, para o uso desses valores no combate ao coronavírus, sob a alegação de o momento atual é “extraordinário e imprevisível”.

Gravidade

“O desafio que a situação atual coloca à sociedade brasileira e às autoridades públicas é da mais elevada gravidade, e não pode ser minimizado. A pandemia de Covid-19 (coronavírus) é uma ameaça real e iminente, que irá extenuar a capacidade operacional do sistema público de saúde, com consequências desastrosas para a população, caso não sejam adotadas medidas de efeito imediato”, sublinhou o ministro.

Mandato assando

A jornalista Maria Cristina Fernandes, do jornal Valor Econômico, divulgou ontem informações que merecem leitura e atenção.

Leia trechos.

Gota d´água

“A tese do afastamento do presidente viralizou nas instituições. O combate à pandemia já havia unido o país, do plenário virtual do Congresso Nacional ao toque de recolher das favelas. Com o pronunciamento em rede nacional, o presidente conseguiu convencer os recalcitrantes de que hoje é um empecilho para a batalha pela saúde da nação.

Ganhando forma

“Ao desafiar a unanimidade nacional, no uniforme de vítima de poderes que não lhe deixam agir para salvar a economia, Bolsonaro já sabia que não teria o endosso das Forças Armadas para uma aventura que extrapole a Constituição.

Aviso prévio

“Duas horas antes do pronunciamento presidencial, o Exército colocou em suas redes sociais o vídeo do comandante Edson Leal Pujol mostrando que a farda hoje está a serviço da mobilização nacional contra o coronavírus.

“Missão”

“Pujol falou como comandante de uma corporação que tem a massa de seus recrutas originários das comunidades mais pobres do país, hoje o foco de disseminação mais preocupante para as autoridades sanitárias.

“Talvez seja a missão mais importante de nossa geração”, cravou o comandante.

Cenário

“Ainda que Bolsonaro hoje não tenha nem 10% dos votos em plenário, um processo de impeachment ainda é de difícil de viabilidade. Motivos não faltariam.

Esvaziamento

“Os parlamentares dizem que Bolsonaro, assim como a ex-presidente Dilma Rousseff, já não governa. Se uma caiu sob alegação de que teria infringido a Lei de Responsabilidade Fiscal, o outro teria infrações em série contra uma ´lei de responsabilidade social´.

Cair fora

“Permanece sem solução, porém, o déficit de legitimidade de um impeachment em plenário virtual. Vem daí a solução que ganha corpo, até nos meios militares, de uma saída do presidente por renúncia. O problema é convencê-lo.

Compensação

“A troco de que entregaria um mandato conquistado nas urnas? O bem mais valioso que o presidente tem hoje é a liberdade dos filhos. Esta é a moeda em jogo. Renúncia em troca de anistia à toda tabuada: 01, 02 e 03. Foi assim que Boris Yeltsin, na Rússia, foi convencido a sair, alegam os defensores da solução”.

É preciso cantar

“Perdoem a cara amarrada

Perdoem a falta de abraço

Perdoem a falta de espaço

Os dias eram assim (…)

Quando largarem a mágoa

Quando lavarem a alma

Quando lavarem a água

Lavem os olhos por mim

Quando brotarem as flores

Quando crescerem as matas

Quando colherem os frutos

Digam o gosto pra mim”

(Ivan Lins, cantor e compositor)

O coronavírus congelou ou aqueceu a aproximação de João e Cartaxo?...
Share this page to Telegram

Arquivo da Coluna

Arquivo 2019 Arquivo 2018 Arquivo 2017

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube