Fechar

logo

Fechar

Arimatéa Souza

sábado, 21/03/2020

Porque hoje é sábado

Instante alado

O leitor habitual de APARTE acostumou-se a um diferencial aos sábados: fragmentos de versos e/ou de músicas para o ´dia de poesia´, como ficou famoso esse dia culminante do final de semana.

E ao cabo de uma semana de (justificadas) tensões, aflições e incertezas, a coluna não vai abordar hoje o noticiário político e/ou econômico convencional.

O convite é que a seguir embarquemos – pelo menos por um instante – num universo mais ameno e mais humano.

Garimpo

Inicialmente, trechos de uma recente entrevista do professor e filósofo Mário Sérgio Cortella ao jornal O Estado de São Paulo.

Gregário

“Sou muito limitado quando estou sozinho. Só quando temos outras pessoas por perto, a convivência, o enfrentamento de ideias, a discussão, o afeto, é que conseguimos crescer.

Incubação

“Para quem escreve, existe uma regra geral que é ´deixar dormir´, ´deixar descansar´, para que você possa olhar para o trabalho de outra forma mais tarde. Isso possibilita que se faça escolhas melhores? Sim, embora toda escolha seja uma abdicação.

Risco natural

“Quando escolho algo, estou ´desescolhendo´ todo o restante. Mas você só faz escolhas se tiver critérios claros, senão não é escolha feita por você, é acaso. Atualmente, estamos tendo de fazer mais e mais escolhas. E algumas são muito perigosas.

Predador

“A questão é que escolhemos um modo de viver, de consumir, de produzir, que é altamente biocida. As escolhas das pessoas que estão na liderança política, econômica e social dos grandes grupos humanos (e também as escolhas individuais) têm efeitos sobre o mundo.

Fruto nosso

“Hoje vivemos uma crise de condições de vida, de condições ambientais, de convivência, gerada por nós. Ela não veio de uma divindade ou de um deus lá de cima.

A arte de viver

“Ser feliz é você ter a percepção de que não está descartando a vida. De que, quando ela terminar, não a terá jogado fora. A vida é única, é estupenda, um mistério maravilhoso. Mas também é circunstância.

Nuvem…

“A felicidade não é um fato contínuo, é uma ocorrência. A questão é que o ser humano tende a viver ou no passado ou no futuro, porque o momento presente é muito difícil.

… Passageira

“O estar agora no tempo nos leva à pergunta: ´Isso que estou fazendo, nesse momento, me levará aonde?´. E essa é uma ação muito importante, porque é preciso cautela para não se levar uma vida automática, robótica, em que eu simplesmente vou existindo. A felicidade não sempre, não vem o tempo todo, ela vai embora.

Visões

“Santo Agostinho, lá no século 5, dizia que, quando você tem dois prisioneiros em uma cela, provavelmente um deles ficará o tempo todo olhando para o chão, e o outro ficará olhando além das grades, pensando ´eu vou sair daqui, há um sol lá fora´. Para ambos é questão de escolha. Ou senta e chora ou levanta e enfrenta.

Conhecer as…

“Ficar mais humilde é uma característica excelente. Porque a pessoa humilde é aquela que sabe que não sabe tudo, aquela que abre a cabeça para as coisas que ainda não conhece.

… Limitações

“Humildade é a capacidade de entender que eu sou bastante, mas não sou tudo. Que eu sou muito, mas não sou o resto.

Hesitar

“Se você só tiver dúvida, não decide. Mas, se não tiver dúvida alguma, também vai correr o risco de decidir errado. A dúvida metódica é sinal claro de inteligência e humildade”.

Acomodação

“Acho que todo pessimista é um grande vagabundo. Porque a melhor maneira de não precisar fazer nada é acreditar que não adianta tentar fazer alguma coisa. E a melhor maneira de não precisar se mexer e deixar tudo parado é achar que não adianta se mexer.

Ação

“Eu quero ser um otimista crítico, não ingênuo. O otimista crítico é aquele que, para usar uma frase bíblica, em vez de amaldiçoar a escuridão, tenta acender uma vela”.

Vida…

Que tal agora saudar, com atraso é verdade, os 90 anos dessa ´grife´ paraibana que o compositor Antonio Barros, no ´sábado é dia de poesia´?

… Longa

“Bate, bate, bate, coração/ Dentro desse velho peito/ Você já está acostumado/ A ser maltratado, a não ter direitos”.

Memória

Esta semana transcorreu a data natalícia do poeta e ex-governador Ronaldo Cunha Lima, que se vivo estivesse festejaria 84 anos. Igualmente, data de aniversário do incrível ´gordo´ Rômulo Gouveia.

Imortalidade

Um poema de Ronaldo, para vivificá-lo num instante que um País abatido precisa voltar a se emocionar e se ser feliz.

A falta e o medo

“Você me faz medo,
mas você me faz falta.

A diferença entre o medo e a falta
é que o medo você sabe quando tem,
e na falta você sente que não tem.

A falta, com o medo, sobressalta.
Entre o medo que você me traz
e a falta que você me faz,
você é o medo que me falta”.

“Mas é claro que o sol/ Vai voltar amanhã/ Mais uma vez, eu sei/ Escuridão já vi pior...” (compositor Renato Russo, in memorian)
Share this page to Telegram

Arquivo da Coluna

Arquivo 2019 Arquivo 2018 Arquivo 2017

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube