Jornalista há quase 30 anos, escreve a coluna Aparte desde 1991. Já trabalhou em TV, rádio e foi editor chefe do Jornal da Paraíba e colunista das TVs Cabo Branco e Paraíba. É comentarista político das rádios Campina FM, Caturité AM e editor do portal de notícias Paraibaonline.

terça-feira, 10/10/2017

Os tentáculos da ´Lava Jato´

Cara nova na PMCG

Mudança à vista no secretariado do prefeito Romero Rodrigues. O empresário Luiz Alberto Leite deverá deixar a Secretaria de Desenvolvimento Econômico.

Será substituído pela empresária Rosália Lucas, vice-presidente da CDL-CG.

Avalista

Rosália – que já está convidando amigos para a posse na próxima semana – foi indicada para o cargo pelo Partido Progressista, que tem como presidente de honra no Estado o vice-prefeito Enivaldo Ribeiro.

Silêncio

Luiz Alberto disse na noite de ontem que ainda não havia recebido qualquer comunicado na parte de Romero.

Rusga

A súbita substituição poderá causar um mal estar entre a PMCG e a diretoria da Associação Comercial de Campina, que havia indicado o nome de Luiz Alberto.

O mago

O governador Ricardo Coutinho (PSB) é o entrevistado de hoje no programa ´Ideia Livre Política & Economia´, que começa às 22h15 na TV Itararé – canal 18.1 (HD) e 19 (analógico), como também pela internet, no endereço www.tvitarare.com.br

´Canja´

RC revela, por exemplo, os motivos para a substituição do secretário de Infraestrutura do Estado, João Azevedo, como pré-candidato a prefeito de João Pessoa no ano passado.

Engodo

Em entrevista na noite de ontem ao telejornal Itararé Notícias, Ricardo comentou as recentes mudanças na legislação eleitoral: “Mudou muito pouco, sinceramente. Um Congresso que a cada dois anos muda a legislação eleitoral, isso não é sério”.

Equívoco

“O foco de tudo chama-se financiamento. No meu entender, deveria ser exclusivamente público. Enganam-se aquelas pessoas que acham que o poder público vai gastar mais porque é financiamento público. Hoje o Estado brasileiro gasta muito mais em função do ´caixa 2´,” discorreu o socialista.

´Baldeadas´

Sobre o fim das coligações proporcionais, Ricardo prognosticou um “fortalecimento programático dos partidos, porque as coisas foram muito misturadas”.

Quem decide

“Essa farra partidária tinha que ser mais enxuta, para melhorar a política. Na verdade, o grande problema é que, mais do que nunca, a população tem a oportunidade de melhorar a política, a partir de sua escolha. É uma oportunidade ímpar”, acrescentou.

Repasse

Pela manhã, quando do início de sua agenda administrativa em Campina, o governador acusou os que fazem oposição ao seu governo de pretender privatizar o serviço de água e esgoto na cidade.

Sempre perto

Com relação à presença do deputado Veneziano (PMDB) em sua comitiva, RC disse que o fato “significa que nós nunca estivemos distantes (…) Isso independe de partido”.

Trânsito livre

Sobre as idas e vindas em sua convivência com o senador José Maranhão, o governador afirmou que “não tenho porta fechada com Maranhão, absolutamente”.

O detalhe

Ricardo autorizou ontem a pavimentação asfáltica entre o Hospital da FAP e o campus da UFCG.

Linha direta

O senador Raimundo Lira (PMDB) revelou, em entrevista, que praticamente toda semana conversa com o senador e colega de partido José Maranhão sobre diversos assuntos, entre eles Paraíba, política e eleições 2018.

Destino

“Esperamos que o PMDB seja tratado como um dos maiores partidos do país e um dos maiores da história política da Paraíba. Política é entendimento, negociação e já sabemos que na Paraíba, em todas as eleições majoritárias, tem sempre dois grupos e nós estaremos em um desses. Onde o PMDB for bem tratado é onde o senador (Maranhão) vai estar”, discorreu Lira.

Agregado

Ao novamente tratar, ontem, do processo eleitoral de 2018, Romero Rodrigues disse que “estou para colaborar com o partido, e o que for decidido, mesmo eu não sendo candidato, a oposição vai contar com meu apoio. Eu vejo que quem admite ser votado, admite votar também, e o que for construído em termo de oposição, vai contar com meu apoio”.

Sem hesitação

À ´Correio FM´, Romero verbalizou uma frase emblemática: “Estou à disposição (do PSDB), e se der certo irei renunciar e Campina Grande vai continuar em boas mãos, com Enivaldo Ribeiro”.

Reciprocidade

Ao tratar do recente encontro com o prefeito Luciano Cartaxo (PSD), o prefeito campinense assinalou que “se ele for escolhido como o candidato, vai contar com meu apoio. Ele disse o mesmo para mim. Temos que ter esse apoio para fortalecer o campo das oposições”.

Interlocução

O final de semana de José Maranhão foi intenso e com ´escala´ em Campina Grande, com direito a visita ao ex-senador Ivandro Cunha Lima e jantar com o deputado Rômulo Gouveia, presidente do PSD/PB.

Ziguezague

De forma surpreendente, Zé afirmou ontem, em João Pessoa, que votaria em Luciano Cartaxo para governador, caso não fosse candidato.

“Se eu não for candidato, eu voto em Luciano”, verbalizou.

O que prestou

Em declarações dadas ontem, o senador Cássio comentou que o aproveitável na recente reforma eleitoral votada pelo Congresso Nacional é o fim das coligações proporcionais e a chamada ´cláusula de barreira´ (limitação de concessões a pequenos partidos), que deverá estancar a criação desmedida de partidos políticos.

Faz de conta

“O resto (das mudanças) não contou com o meu voto. Eu votei contra a imoralidade da criação do Fundo de Financiamento Público de campanha num país tão pobre e com tantas dificuldades como o nosso (…) Não existiu reforma, mas sim um arremedo que tem como pontos positivos somente esses dois aspectos, que irão valer para as eleições de 2020. O resto é uma frustração completa”, analisou o ´tucano´.

Inaceitável

Conforme CCL, é “um absurdo que na Paraíba um (candidato a) deputado federal possa ter um gasto de R$ 2,5 milhões por campanha; e um senador, R$ 3 milhões. E não é que isso é pouco para uma campanha, pelo contrário. O que está muito exagerado é o custo dessas campanhas quando o Brasil inteiro clama, exige, discute a redução desses gastos de campanha”.

Régua

Balanço divulgado ontem pela Força Tarefa do Ministério Público Federal que cuida da Operação Lava Jato em Curitiba (PR): 150 acordos de delação premiada; 221 conduções coercitivas; 97 prisões temporárias; 165 condenações, contra 107 pessoas; 1.634 anos de cadeia (penas somadas); desvios investigados – R$ 10,3 bilhões; ressarcimento de propinas em curso – R$ 6,3 bilhões.

Como anda a convivência entre Raimundo Lira e Veneziano?...
Simple Share Buttons