Fechar

Fechar

Arimatéa Souza

sexta-feira, 02/03/2018

O voo cego da oposição

O pretérito imperfeito revisitado

Além da Universidade de Brasília (UnB), outras quatro instituições federais manifestaram o interesse de oferecer uma disciplina na graduação, na área das ciências humanas, sobre ´o golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil´.

Entre essas instituições está a UEPB.

Desligamento

Através de um comunicado divulgado pelo Gabinete do Prefeito de Campina Grande, foi oficializada ontem a exoneração do deputado Manoel Ludgério (PSD), que ocupava justamente essa chefia.

Dança de…

O texto informa que em meados de abril haverá uma “reforma administrativa” no secretariado da PMCG, até em função do afastamento de outros auxiliares (Tovar Correia Lima, Joia Germano, Nelson Gomes Filho e Eva Gouveia) que disputarão as eleições deste ano.

… Cadeiras

A antecipação da saída de Ludgério – que reassume a ALPB no lugar do suplente Guilherme Almeida – pode ter ocorrido em função dos fatos decorrentes de seu rompimento com o prefeito da cidade de Lagoa Seca, Fábio Ramalho (PSDB), que reverberaram na PMCG.

Sem contato

A ´tradição´ foi mantida. Ricardo Coutinho não compareceu a outra reunião convocada pelo presidente Michel Temer com todos os governadores.

Novamente a Paraíba foi representada pela vice-governadora Lígia Feliciano (PDT).

Resgate

Recorde-se uma nota de APARTE publicada na edição do último dia 26: “Talvez mude os rumos da sucessão estadual um telefonema recentemente trocado entre o secretário de Planejamento do Estado, Waldson Souza, e Lucélio Cartaxo, irmão do prefeito pessoense Luciano Cartaxo”.

Pronunciamento

Na manhã de ontem, os recorrentes (e públicos) alertas (ou seriam ameaças?) do prefeito Luciano Cartaxo (PSD-JP) ganharam forma numa carta denominada de “mensagem ao povo paraibano”, com aproximadamente três laudas.

Sem ênfase

O texto informava o afastamento (em nenhum trecho pontificado como irreversível) de Cartaxo da sucessão estadual, na qualidade de protagonista.

Prematuro

A surpresa foi potencializada pelo ingrediente temporal: 36 dias antes de vencer o prazo-

limite para a desincompatibilização.

Síntese

Leia a seguir trechos desse documento.

“A minha vida é pautada por princípios, valores que a vida pública consolidou ainda mais, em todas as oportunidades que a população de João Pessoa e da Paraíba, generosamente, decidiu me conceder. Sou um homem de palavra e um gestor de compromisso.

Diferenciação

“Exerço a política preservando todas as boas práticas nas quais acredito e que regem a minha vida pessoal. Sei que isso diverge do senso comum, num ambiente marcado, infelizmente, por vaidades e interesses individuais. Mas, para mim, não é só uma questão de coerência, é de crença.

Sem comodidade

“Não optei por essa trajetória, na qual coloco meu tempo e minha força de trabalho à disposição da população, para fazer o fácil, o conveniente, ou mais do mesmo.

Impulsionamento

“Estou, desde sempre, na estrada do que considero certo, justo, ético, mesmo que percorrê-la seja um desafio mais longo e exigente. Fazer parte de um projeto que realiza sonhos coletivos é o que me mobiliza. A coragem e a fé me levam à frente.

Sem passividade

“Estou aqui, hoje (ontem), para anunciar mais um passo adiante. Não me furto às decisões, prefiro fazer acontecer a esperar para ver, porque daí nascem as ações realmente transformadoras. E esta é a minha missão.

Maturação

“Depois de uma cuidadosa reflexão, discussões internas, escuta de muitos companheiros de luta, aí incluída a minha família (…) venho comunicar uma decisão – serena e amadurecida – que norteará os próximos anos da minha vida pública.

Sem renúncia

“Conforme me comprometi com a população de João Pessoa, cumprirei na íntegra o meu mandato de prefeito reeleito, reafirmando o compromisso pactuado com este projeto vitorioso, que vem transformando a vida na nossa capital. Como gestor público, tenho uma missão a concluir.

Caminho diverso

“Sempre defendi que a boa política não pode ser construída pelas circunstâncias, porque isso pode levar a análises distorcidas. Em tempos marcados pelo excesso de individualismo e a falta de bons propósitos, avançarei me distanciando, como sempre, da política antiga – e vencida – que busca colocar os interesses pessoais acima das causas coletivas.

Labor

“A mesquinhez do carreirismo não tem lugar ao meu lado, nem será capaz de fazer curvar minha cabeça erguida, ou ameaçar a minha paz de consciência (…) Sou do trabalho com resultado, que se alimenta do sonho.

Futuro

“Tenho 53 anos, muitos planos e bastante experiência, à disposição do meu estado. Equipe, grupo político, população de João Pessoa e todo o povo da Paraíba contam e contarão comigo, sempre, no que eu puder fazer de melhor.

Sem ambições

“Nestes últimos meses, foram inúmeras as especulações, insinuações, danosas ao debate maduro da boa política. Eu não faço política por conveniência. Portanto, procuro transcender o imediatismo. Não esperem de mim a ambição eleitoral, meu lema é o dos compromissos assumidos.

Avanço

“A vida pública exige dos gestores a entrega em todas as missões e desafios (…) No momento, avançarei em João Pessoa. Sei que esta relação de confiança com a população só vai se aprofundar, evoluir, crescer. E o momento certo para novos passos certamente virá. Porque aqui temos fé, coragem, trabalho, resultado e coração”.

Chamamento

Ato contínuo à publicização do documento, a assessoria do prefeito convocou a imprensa para uma entrevista num hotel da orla pessoense – Imperial Nord Class.

Dianteira

Na prática, foi um pronunciamento do prefeito, que registrou o fato de “todas as pesquisas de opinião pública realizadas no Estado me colocam como o 1º lugar nas intenções de voto e com a menor rejeição entre todos os que se colocam como pré-candidatos”.

Parâmetros

“Sempre disse para vocês da imprensa, e para toda a sociedade paraibana que tudo na vida tem um prazo e que era necessário já naquele momento (janeiro) que a gente pudesse estabelecer um prazo para que os partidos pudessem definir qual seria o melhor nome para representar esses partidos no processo eleitoral deste ano”, enfatizou.

Nada foi…

O prefeito frisou que “em nenhum momento coloquei como imposição que esse nome teria que ser o de Luciano Cartaxo, mesmo estando em 1º lugar nas pesquisas, mesmo tendo o melhor perfil para governar este Estado segundo os eleitores da Paraíba”.

… Imposto

“Eu sempre me coloquei com a disposição de que era necessário estabelecer um diálogo franco, para que a gente pudesse chegar a uma decisão que não fosse apenas de uma cúpula, de alguns partidos ou de poucas lideranças. Seria necessário e fundamental poder ouvir a sociedade e ter uma noção exata de qual e o sentimento para o futuro da Paraíba”, continuou LC.

Marco…

Ele insistiu que “durante esse período de muita discussão nós colocamos que o mês de janeiro seria muito importante para a gente ter uma tomada de decisão definitiva, em função do curto espaço que teríamos para uma campanha eleitoral de apenas 45 dias”.

… Temporal

“Sempre coloquei isso para os partidos e para as lideranças: que era fundamental que a gente tivesse a oportunidade de chegar em janeiro com essa decisão”, reafirmou.

Coesão

“Outra questão que coloquei também como imprescindível e fundamental era a necessidade da unidade. Que era legítimo que cada partido pudesse colocar o seu nome como pré-candidato para uma discussão. Mas que a partir do momento que se chegasse a um consenso era necessário que fossemos de mãos dadas, unidos, firmes e fortes no sentido de ganharmos as eleições e transformar a Paraíba como estamos transformando João Pessoa”, prosseguiu o prefeito.

Incógnita

Luciano Cartaxo não avançou acerca de seu posicionamento na sucessão estadual, muito menos se permanecerá no bloco oposicionista.

Liberados

“O poder pelo poder não nos interessa. Não tenho apego a nenhum processo eleitoral (…) Deixo os partidos à vontade para que possa escolher os seus legítimos representantes do processo eleitoral de 2018”, verbalizou Cartaxo.

Autônomos

O prefeito pessoense declarou ainda que “cada partido tem sua autonomia, da mesma forma que eu tomei a minha decisão”.

Aguardar

“Então, vou esperar a decisão dos demais partidos e quais os nomes que vão se colocar ao governo da Paraíba. E quando os nomes estiverem apresentados, nós vamos fazer um bom debate”, avisou.

Troco

“Os partidos não queriam tempo? Agora está todo mundo à vontade para escolher na hora que for necessária. E quando acertarem isso eu vou opinar”, finalizou.

Dúvidas remanescentes

– Cartaxo vai deixar o PSD?

– O vice-prefeito pessoense Manoel Júnior vai romper com Cartaxo por quebra de compromisso (e/ou de expectativas)?

– Manoel Júnior vai deixar o MDB?

Desencontro

Ao comentar o recuo de Cartaxo, Romero Rodrigues disse que estava afastado das atividades, em função de um problema de saúde, e que só posteriormente viu no seu celular uma mensagem dele querendo um contato.

Sem açodamento

Sobre os desdobramentos, RR afirmou que “não adianta se precipitar agora. Vou conversar com ele (Cartaxo) as possibilidades”.

“Antes de me manifestar, vou conversar com ele, porque temos um fato novo”, reiterou.

Encaminhamento

A assessoria do prefeito campinense divulgou uma nota informando que “o pré-candidato do PSDB” observa que, após a conversa com Luciano Cartaxo, ele manterá uma agenda de contatos, prioritariamente a partir da direção do seu partido, com aliados políticos, lideranças dos diversos matizes partidários, além da família e dos amigos, para adotar uma decisão amadurecida, equilibrada e à altura da responsabilidade do momento”.

Previsível

Ao comentar o recuo de Cartaxo, o secretário de Articulação Política do Estado, deputado Adriano Galdino (PSB), disse que “para mim não foi surpresa, analisando o quadro de maneira racional. Disse ontem (anteontem) em Campina que a oposição está batendo biela (desgastada). Não tem direção”.

Tapete

Galdino escancarou as portas do grupo governista para o prefeito da Capital: “Seria muito bem vindo, com toda certeza, na minha opinião”.

Sem esfriar

Ainda na noite de ontem, a bancada governista na Câmara campinense (e os vereadores licenciados) divulgaram uma nota que, na prática, descarta o nome do senador Cássio como 1ª alternativa da oposição para o governo estadual, cravando o nome de Romero.

Tudo muito claro

“Decidimos reafirmar publicamente total apoio à candidatura do prefeito de Campina Grande”, começa o documento, ressaltando que o gesto de Cartaxo “remove totalmente a natural indefinição até agora havida no campo das oposições entre uma candidatura do PSD ou do PSDB encabeçando a chapa”.

“É consequência lógica e natural”, grifam os subscritores.

Segurar o que disse

O posicionamento dos vereadores toma por empréstimo recentes palavras de Cássio: “Como frisou o senador em distintas oportunidades citando o tribuno Raymundo Asfora, cabia a Romero considerar, em seu ´reduto íntimo e inviolável´, a decisão de ser ou não candidato, com total apoio do PSDB”.

Na parte final da nota, os parlamentares campinenses invocam até “o caráter sagrado do compromisso empenhado, de modo que nada mais temos a esperar se não a consonância das palavras, gestos e atos”.

Em Campina nem as ´exéquias´ políticas são respeitadas...
Simple Share Buttons

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube