Fechar

logo

Fechar

Arimatéa Souza

sábado, 09/05/2020

O tombo no FPM

Os ´pais´ do isolamento

O presidente Jair Bolsonaro realçou novamente ontem que “a decisão de fechar o comércio é dos governadores e prefeitos, não é minha (…) Se dependesse de mim, grande parte já estaria trabalhando. Outra grande parte não teria deixado de trabalhar”.

“Economia também é vida. Pessoa pobre, sem dinheiro, está propensa a ter muitos problemas (…) Mais cedo ou mais tarde vamos ter que reabrir para não ultrapassar um limite que já está insuportável”, acrescentou Jair.

Perfil

Em Campina Grande, anteontem, o vereador Sargento Neto comentou que “o presidente tem um temperamento forte” e, por essa razão, “parte da mídia tenta macular o que ele fala. Parte podre da mídia”.

Réplica

“Ainda bem que os governadores estão fazendo o dever de casa e tendo responsabilidade no trato com essa pandemia”, retrucou ainda durante a sessão virtual da Câmara o vereador Olímpio Oliveira (PSL).

Aos diocesanos

O bispo de Campina Grande, Dom Dulcênio Fontes, publicou ontem o que chamou de ´Carta ao Povo de Deus´, que traz considerações sobre a aflitiva situação vivida no presente pelo País.

Deferência

O prelado faz uma menção aos profissionais da saúde: “Agradeço a todos por sua vida doada todos os dias, com especial zelo nesta pandemia, em favor dos enfermos que sofrem, levando além do tratamento, a presença, o conforto e o amor. A maioria dos doentes está distante daqueles que amam, vocês são a família de cada um deles neste momento!”

Linha de frente

“Muitos outros trabalhadores de serviços essenciais estão colocando em risco sua saúde para possibilitar que nossa vida prossiga, por exemplo, os agricultores e todos que fazem o abastecimento até nossas mesas. Estou em oração por todos”, assinala Dom Dulcênio.

Conversão

Por fim, o bispo proclama que “com Cristo nós vamos vencer e vamos atravessar essa fase de nossa vida como pessoas melhores para Deus e para os irmãos”.

Resgate

Na última quinta-feira, a Câmara Municipal de Campina Grande realizou, virtualmente, uma audiência com o secretário de Saúde do Estado, médico Geraldo Medeiros, para tratar do enfrentamento ao coronavírus.

APARTE faz a seguir um resumo dessas discussões e esclarecimentos.

Cronologia

Geraldo recordou inicialmente que o 1º caso de infecção no país foi registrado no dia 26 de fevereiro último, e que no dia seguinte ele tomou a iniciativa de iniciar os contatos sobre o assunto com o Ministério da Saúde.

Na Paraíba, o 1º caso registrado foi no dia 18 de março.

Propagação

“É uma tragédia mundial, que assolou a humanidade; de difícil manuseio e que, infelizmente, está ceifando vidas no mundo inteiro”, assinalou o médico, que emendou: “O vírus está se insinuando em meio as nossas desigualdades sociais. Essa é uma realidade que estamos observando, com um futuro sombrio”.

Descuido…

Conhecedor das rotinas campinenses, o secretário de Estado disse que havia solicitado, no dia anterior à sessão, uma amostragem sobre o comportamento das pessoas ao final da tarde no calçadão do Açude Velho: de um universo de 100 pessoas caminhando, 74 estavam sem máscaras.

… Coletivo

“O vírus não perdoa certas atitudes. As pessoas, às vezes, querem se enganar com o comportamento desse vírus, mas basta observar os resultados por aí afora”, enfatizou.

Demandas

No início do debate, o vereador ´Rui da Ceasa´ solicitou a colocação de lavatórios na Empasa de Campina Grande.

Teles Albuquerque perguntou sobre a eventual colocação de unidades de desinfecção nos hospitais públicos locais.

Gargalo

“Tudo é importante. Mas se as pessoas não ficarem em casa vamos ter o colapso. Por exemplo, em João Pessoa, brevemente, na rede pública estadual, porque as pessoas ficam nas UTIs, em média, 15 dias, e a rotatividade é muito baixa”, alertou o titular da SMS noutro momento do diálogo com os vereadores.

Negativa

Conforme o titular da SES/PB, “essa notícia de que pacientes poderiam ser transferidos de João Pessoa para Campina Grande não procede nem a Secretaria de Saúde acenou com essa informação”.

Sem escolha

Geraldo Medeiros também abordou a dificuldade de aquisição de equipamentos e insumos hospitalares nesse momento: “São preços exorbitantes. O sobrepreço impera e o gestor público é obrigado a comprar para salvar vidas”.

Destinação

Ele informou que o Estado comprou 310 mil testes rápidos (só chegaram 20 mil) e recebeu 8.700 do Ministério da Saúde.

Foram disponibilizados para os profissionais da saúde e forças de segurança.

Prenúncio

“Há uma semana afirmei que ´não queiram transformar a Paraíba em Manaus (AM)´, e muitas pessoas acharam que era um exagero. Estamos vendo a situação de João Pessoa”, reforçou Geraldo Medeiros.

Risco

Ele fez um adendo: “Campina, se persistirem na baixa adesão, vocês me cobrem daqui a 15 ou 20 dias”.

Por enquanto

Mesmo assim, o médico asseverou que “não há previsão” de lockdown (fechamento total) da cidade.

“É uma atitude extrema, que gera um desgaste muito grande nos segmentos econômicos”, emendou.

Reforço

Geraldo Medeiros disse que provavelmente no dia 20 próximo começará a funcionar o ´Hospital das Clínicas´, nas antigas dependências da Casa de Saúde Dr. Francisco Brasileiro (bairro da Prata), no qual o Estado está investindo, em termos de reforma e adequação do imóvel, R$ 2 milhões e 400 mil.

Permanente

“É uma reivindicação dos campinenses há 40 anos. Serão 113 leitos, que após a pandemia serão utilizados como maternidade regional de alto risco e para a realização de cirurgias eletivas”, pontuou o médico.

Imponderável

Por fim, o secretário de Saúde afirmou aos vereadores que “infelizmente, os presságios são os piores possíveis. O Brasil pode chegar a ser o primeiro do mundo em número de mortes. Não se enganem”.

Em tempo

A informação sobre a utilização do novo hospital do Estado em Campina, como eventual retaguarda para pacientes de Covid-19 de João Pessoa, foi veiculada pela TV Cabo Branco no último final de semana.

´Subsolo´

O primeiro repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) do mês de maio – R$ 3,4 bilhões – representou uma redução de 34,23%, sem considerar os efeitos da inflação, em comparação com o mesmo período do ano passado.

Errata

Esta semana, creditei a música ´Aos Nossos Filhos´ ao compositor cearense Belchior, quando na verdade a autoria é de Ivan Lins.

Mas segue um verso do inesquecível Belchior.

“É preciso cantar

Ora, direis ouvir estrelas, certo perdeste o senso

Eu vos direi, no entanto

Enquanto houver espaço, corpo e tempo e algum modo de dizer não

Eu canto”

“A esperança é o sonho do homem acordado (Aristóteles, filósofo grego)...”
Share this page to Telegram

Arquivo da Coluna

Arquivo 2019 Arquivo 2018 Arquivo 2017

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube