Fechar

Fechar

Arimatéa Souza

quinta-feira, 24/05/2018

O tamanho da dose

Modelar

É preciso registrar que o protesto dos caminhoneiros é um sucesso inequívoco no que se refere à mobilização de uma importante categoria diante do crescente sufocamento de sua atividade econômica.

A política de preços adotada pela Petrobras – até defensável sob o ponto de vista técnico – atingiu a fronteira do tolerável diante de ocorrências externas que fogem ao controle da empresa estatal, como destacarei mais adiante.

 

Natimorta

Acontece que a referida política de reajustes já mostrou uma impraticabilidade no nascedouro, em face da cultura reinante no País.

De boas intenções, preceitua o dito popular, o inferno está abarrotado.

Debulhando

E qual é essa política de preços adotada para os combustíveis?

É o preço flutuante, que oscila principalmente em função de duas variáveis incontroláveis: a cotação do dólar e a do preço do petróleo no mercado internacional.

Sem ´gatilho´

Objetivamente, a ´regra do jogo´ consiste em não represar essas oscilações (das duas variáveis citadas) e repassá-las imediatamente ao preço final, como forma de (em tese) diluir o impacto.

Retenção

Anteriormente, o governo segurava os preços dos combustíveis como forma de controlar a inflação, e também não padecer politicamente (com frequência) do desgaste que essas majorações desencadeiam.

Tombo

No ´crepúsculo´ do governo Dilma, a Petrobras ´trincou´, por força da defasagem entre o custo de produção e distribuição dos combustíveis – artificialmente mantidos abaixo dos valores reais -, e também devido à sangria desmedida que resultou no escândalo do ´petrolão´ e na Operação Lava Jato.

Escolha técnica

Veio a gestão de Michel Temer, que colocou para dirigir a empresa um executivo de 1º nível: Pedro Parente.

Remodelação

Desde então a empresa passa por um processo de total recuperação e de revisão de conduta gerencial.

Sintonia fina

Com o novo comando, adotou-se a citada política de preços flutuantes, o que enseja micro ajustes quase diários – para baixo e para cima (predominantemente) no preço final.

Não operacional

É aí que entra o componente cultural que mencionei acima.

A complexa engrenagem entre a produção, refino, distribuição e comercialização de combustíveis, num país com as dimensões continentais como o Brasil, não permite um rápido ajustamento de preços, na velocidade que tem sido praticado pela Petrobras.

Predisposição

Além do mais, os hábitos e a cultura econômica nacionais fazem com que a maioria dos fornecedores de combustíveis não tenha condições e/ou disposição de regular os seus preços ao sabor das variações constantes.

Inconciliável

Muitos comerciantes do segmento alegam que num mesmo tanque de armazenamento existem combustíveis com alguns preços diferentes, sendo impossível (ou um prejuízo) promover as correções (pra baixo) no ritmo da empresa estatal.

Instintivo

O que ocorre na prática: os reajustes (pelo instinto empresarial) são logo repassados, mesmo que em muitos casos os produtos tenham sido adquiridos a custo menor.

Chance

E as reduções de preços acabam não chegando ao valor final e se convertendo em momentânea melhoria na margem de lucro do negócio.

A corda foi…

Em que ponto a coisa saiu do controle e/ou do suportável?

Diante de dois fatores externos.

… Esticada

Primeiro deles. A sinalização de aumento da taxa de juros paga nos Estados Unidos.

Já na perspectiva de elevação dessa taxa, a maioria do capital especulativo existente no mundo corre para lá devido ao ínfimo risco de comprometimento da liquidez.

 Efeito

Esse quadro leva à imediata elevação da cotação do dólar nos países em desenvolvimento (ou emergentes), devido justamente à debandada de dólares na direção dos EUA.

Segundo ponto

Nas últimas semanas, houve um aumento expressivo na cotação internacional do petróleo.

O preço do barril (159 litros) subiu de aproximadamente 40 dólares para 80 dólares.

Confluência

Eis, então, a tal da tempestade perfeita, que fez subir acentuadamente o preço da gasolina e do diesel, deixando a nu a tal da política flutuante de preços.

Tributação

Adicione-se a tudo isso a escorchante carga tributária que temos, inaceitável sob todos os aspectos.

Prova disso é que 1 litro de gasolina sai das refinarias da Petrobras a R$ 2,03 e o litro do diesel a R$ 2,30.

Espremidos

Mas voltemos à situação específica dos caminhoneiros, uma categoria forte, destemida e que enfrenta toda sorte de adversidade, que passam também por estradas esburacadas, insumos com correções permanentes, o que desagua em margens de lucro acanhadas.

Contra a parede

Com a escalada de reajustes nos preços dos combustíveis, ficou simplesmente impossível um simples cálculo do custo de uma viagem que dure mais de dois dias.

O protesto desencadeado se converteu em sinônimo de sobrevivência.

Indiferença

As primeiras reações do governo federal subestimavam a força da indignação.

Concessão

Quando ´caiu a ficha´ da dimensão do movimento, logo houve o aceno da suspensão (temporária) da CIDE (Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico), que na prática reduz em 10 centavos o preço do litro da gasolina, e em R$ 0,05 o preço do litro do diesel.

Uma redução, convenhamos, muito tímida.

Remediando

Ao longo do dia de ontem, o governo acenou com um pedido de ´trégua´ por 15 dias para a concretização de uma proposta.

Horas depois, anunciou a redução momentânea de 10% no preço do diesel, proposta que não sensibilizou os manifestantes.

As alegações…

Essa encruzilhada acerca dos preços dos combustíveis faz com que todos os lados sublimem os seus argumentos: a Petrobras alega que não pode vender o produto abaixo do seu custo e da margem de remuneração dos seus ativos (e dos acionistas).

… De cada um

O governo federal argumenta que tem um déficit público bilionário (bem mais de R$ 100 bilhões anuais).

Os governos estaduais sequer admitem mexer nas alíquotas do ICMS incidente no segmento. E a população ´encrespou´ com a gasolina em marcha batida para logo chegar em 5 reais o litro na maior parte do País.

1º passo

Coube – por iniciativa e pelo estrangulamento financeiro – aos caminhoneiros tomar à frente desse levante contra esse festival de aumentos.

Como deve ser

A categoria, grosso modo, tem dado demonstrações de como realizar de forma vigorosa, ordeira e pacífica um protesto em escala nacional que abala as bases de um governo trêmulo e hesitante por natureza.

Concordância

É flagrante a adesão e apoio de expressiva parte da opinião pública brasileira ao ´maio abrasador´ protagonizado pelos profissionais do volante.

Projeção

Muitos concidadãos se projetam nesse segmento imaginando que os seus integrantes estão encarnando o que muitos anônimos gostariam de acompanhar ou reproduzir.

Linha…

Toda grande mobilização prospera e conquista resultados diante da adesão popular, e na obediência ao preceito de que a rotina do já sofrido cidadão comum deve ser incondicionalmente respeitada.

… Tênue

O desmantelo que a greve dos caminhoneiros está provocando no País pode ter o mérito de apressar soluções, ao tirar as autoridades da histórica ´zona de conforto´, mas já começa a afetar as necessidades elementares dos brasileiros.

Cuidados na condução

Perder esse respaldo popular é tudo que não pode acontecer. Já se disse, convenientemente, que “as vezes é preciso ser como as ondas do mar: recuar para ganhar força”.

Outro ditado popular ensina que a diferença entre o remédio e o veneno é o tamanho da dose.

PSDB e PT: o sujo falando do mal lavado...
Simple Share Buttons

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube