Fechar

Fechar

Arimatéa Souza

quarta-feira, 11/05/2016

O submundo das CPIs

O criador reencontra a criatura

A durabilidade que tem a coluna APARTE – mais de duas décadas – denota o alcance de sua inserção na vida política e midiática paraibana.

Igualmente indica, noutra perspectiva, o carinho com que o seu autor, diariamente, se dedica à sua elaboração.

Apelos

Com o fim do saudoso Jornal da Paraíba, foram inumeráveis as cobranças e indagações acerca da continuidade desta coluna em outra plataforma.

Rito

Mas foi preciso aguardar o desfecho funcional e burocrático para fazê-la refluir, feito o mitológico pássaro Fênice.

Lema

A Coluna está de volta, em novo endereço, mas com o slogan de sempre, que a acompanha há anos: Em APARTE, a credibilidade faz a diferença. E como!

Imutável

Por dever de justiça, devo inicialmente reafirmar nessa nova fase a intocável admiração que nutro pela família proprietária do Grupo Paraíba, que personifico nas figuras de Eduardo Carlos – um amigo que a vida me ofereceu – e do empresário José Carlos da Silva Junior, cuja admiração transcende em muito a anterior relação empregado/empregador.

Gratidão

Na sempre tensa e, por vezes, obscura fase de transição e de adaptação à nova realidade, inúmeras pessoas foram indispensáveis no apontamento de caminhos, no apoio testemunhal e emocional, como também na verbalização do estímulo que se converte em combustível para avançar.

Personalização

Personifico o agradecimento a todas essas pessoas no executivo Mozart Santos, que se alterna, harmoniosamente, na encarnação da figura do amigo, irmão e até pai.

Nova casa

Também esta semana, começo uma nova etapa profissional na TV Itararé, diante da acolhida, dinamismo e empolgação do Dr. Dalton Gadelha, que tem na devoção e compromisso com Campina Grande um fascinante ponto de interseção com este colunista.

Inserção

Participarei da programação diária com comentários no telejornal Itararé Notícias, às 18h30, de 2ª a 6ª feira.

Mesa de debates

Nas terças-feiras, às 22h, estarei com o ´Ideia Livre Politica & Economia´, espaço para debatermos os temas em evidência na política paraibana e brasileira, e na economia regional e nacional.

TV Itararé: Canal 18.1 (digital) e 19 (analógico).

Jogo rápido

Coluna: O senhor vai defender o provável Governo Michel Temer (PMDB) na Câmara campinense?

Vereador Olímpio Oliveira (PMDB): “Eu não vou falar em cima de hipótese. Tudo pode acontecer, inclusive nada”.

Muro

A Globonews divulgou na noite desta terça-feira que o senador Raimundo Lira (PMDB-PB) se declarou ainda indeciso com relação ao impeachment da presidente Dilma (PT).

Da boca de…

“… Ah, eles podem ir para o céu, o Papa ou o diabo!…” (Gilmar Mendes, presidente do Supremo Tribunal Federal, sobre a tentativa da presidente Dilma e de aliados de estancar judicialmente o processo de impeachment).

´Exumação´

Em sua edição de ontem, o jornal Valor Econômico publicou que o atual ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) e ex-­senador pelo PMDB/PB Vital do Rêgo, e o ex-senador Gim Argello (PTB-­DF) pediram “uma colaboração especial” a empresários, à época da CPI da Petrobras.

´Prepostos´

O argumento: eles representavam “um grupo de políticos” e a ideia era “formar um grupo de empresas para doar um total de R$ 30 milhões em contribuições eleitorais”.

Antes da convenção

Abaixo, trecho da ampla reportagem, com destaque para o relato de que o ex-senador teria obtido doações com empreiteiro já no período do ex-prefeito Veneziano (seu irmão) como pré-candidato a governador, antes de sua desistência.

Revelação

O pedido foi feito em 2014 ao então presidente da empreiteira Andrade Gutierrez, Otávio Azevedo, segundo ele afirmou em sua delação premiada, já homologada pelo juiz Sergio Moro, da Justiça Federal do Paraná.

Resgate

Vital do Rêgo presidiu as duas CPIs da Petrobras no Congresso, instaladas em 2014.

Ele foi indicado para o TCU em novembro daquele ano pelo então líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), e contou com o apoio de 40 senadores.

Procurado

Azevedo contou – conforme o jornal – que foi contatado por telefone por Gim Argello (preso durante a fase “Vitória de Pirro” da Operação Lava­ Jato e agora respondendo a processo por corrupção) no meio do ano de 2014, e que o então senador pediu um encontro em São Paulo.

Convite

“Gim Argello pediu, neste mesmo telefonema (…) que o depoente [Azevedo] apresentasse Leo Pinheiro [então presidente da OAS] a Gim Argello”, e que então “convidou Leo Pinheiro para participar desta reunião; que o assunto não foi antecipado, apenas dizendo que ‘seria uma conversa’ (…) e que o encontro “efetivamente ocorreu na casa do depoente em São Paulo, na Rua Afonso Brás”.

Demanda

Segundo a delação de Azevedo, a reunião ocorreu em um fim de semana e “Gim Argello veio juntamente com Vital do Rego, que o colaborador já conhecia; que ficou claro pela conversa com tais parlamentares que Gim Argello e Vital do Rêgo estavam interessados em doações eleitorais, já que era realmente época de campanha”.

´Freguês´

Azevedo disse ainda que já tinha colaborado com campanhas anteriores de Vital do Rêgo e que tinha “alocado recursos para o irmão dele [Vital do Rêgo Filho, o “Vitalzinho”, candidato derrotado ao governo paraibano], via diretório nacional do PMDB, já que o irmão de Vital (Veneziano) era candidato (inicialmente) ao governo da Paraíba em 2014”.

Adiantamento

Azevedo reforçou já tinha “alocado” recursos para Argello e para o PTB, e que “assim já tinha ‘compromissos’ com o PTB, com o PMDB e com Gim Argello e Vital do Rêgo”.

“Navegar é preciso”...

Me Aguarde

Palanque

Simple Share Buttons

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube