Fechar

Fechar

Arimatéa Souza

terça-feira, 21/11/2017

“O pior já passou”

Fora de cogitação

Ricardo Coutinho (PB) ´espanou´, ontem, a proposta de um ´chapão´ reunindo ele e os senadores José Maranhão (PMDB) e Cássio (PSDB), proposta pelo vereador-presidente da Câmara pessoense, Marcos Vinícius (PSDB).

– A Paraíba avança quando consegue diferenciar os pensamentos e as ações (…) Eu não trairia a Paraíba dessa forma (…) Eu faço todas as alianças necessárias possíveis e que são boas para o Estado (…) Mas não se pode transformar a política em um arranjo das elites – reagiu o governador.

´In loco´

A Frente Parlamentar das Energias Renováveis da Assembleia Legislativa realizará uma visita ao Parque Eólico de Santa Luzia na próxima quinta-feira, às 9h.

Haverá também uma Audiência Pública na cidade, marcada para as 10h30 na Câmara Municipal local.

Parabéns!

Uma bela e telúrica homenagem a Campina Grande foi prestada pela cafetaria Vila Nova da Rainha, recém inaugurada na movimentada avenida Manoel Tavares.

Rumo

A direção nacional do PSDB marcou para amanhã uma reunião, com o objetivo de orientar a bancada na Câmara Federal com relação à reforma previdenciária.

Porta…

A direção estadual do PTB (leia-se deputado Wilson Santiago Filho) convidou Romero Rodrigues para que se filie à legenda.

… Aberta

A mesma sondagem ao prefeito campinense foi feita pelo partido Solidariedade, comandado no Estado pelo deputado federal Benjamin Maranhão.

Bola pra frente

Começam a surgir adesivos em Campina com uma sutil menção a Romero com vistas ao cenário eleitoral do ano que vem.

Carão…

O vereador Alexandre do Sindicato (PHS-CG) bateu com força, ontem, nos deputados estaduais com base em Campina Grande.

… Público

“Aqui ou ali é que vemos algum ou outro fazendo oposição, mas não no tamanho que a população esperava. Nossos deputados, com raríssimas exceções, se calam diante do que Campina Grande vem sofrendo de perseguição”, criticou o vereador.

Na tela

O presidente do BNDES, economista Paulo Rabello de Castro, é o entrevistado de hoje no programa ´Ideia Livre Política & Economia´, que começa às 21h15 na TV Itararé – canal 18,1 (HD) e 19 (analógico), ou no endereço eletrônico www.tvitarare.com.br

Palestrante

Rabello proferiu palestra ontem no Teatro da Unifacisa, em Campina, sobre a atuação do banco e sua ação na economia regional.

Acelerar

Na saudação como anfitrião, o chanceler da universidade, Dalton Gadelha, solicitou a intensificação da descentralização dos investimentos do BNDES, que é uma das metas de seu presidente.

Nas urnas

Ao usar da palavra, o ex-senador Marcondes Gadelha, presidente do PSC/PB (partido de Rabello), externou que “temos a esperança de vê-lo” candidato a presidente da República no ano que vem.

“Seria um ato de responsabilidade física”, emendou.

Risco

Marcondes salientou que o estágio atual de crise econômica e ética, como também a desventura da população com a maioria da classe política, propiciam “extremismos e populismos de ocasião”, que convertem os desapontados com a política em “presa fácil” para os seus projetos extremados.

Afago

Paulo Rabello introduziu a sua fala com uma deferência pública a Campina Grande: “Desfaço hoje uma deficiência curricular: conhecer esta cidade”.

Limite

No breve momento no qual se referiu à hipótese de disputar o governo federal no ano que vem, o presidente do BNDES acentuou que “vamos até onde for necessário para provocar e ativar esse debate”.

Suporte

O economista antecipou que em breve será lançado um programa no banco de fomento destinado aos municípios brasileiros de pequeno porte, como foco em áreas como saneamento, iluminação pública e turismo.

Eficiência

Noutro trecho de sua palestra, Paulo Rabello sublinhou que “é preciso o serviço público girar de forma mais eficiente. É preciso falar de boa gestão. Como ela faz diferença!”

Baixo investimento

Perante uma plateia com muitas autoridades e empresários, o presidente do BNDES reconheceu que os recursos destinados à Paraíba têm sido muito abaixo do potencial que o Estado está credenciado: são cerca de R$ 200 milhões anuais, quando deveria ser – pelo menos – R$ 750 milhões, valor que ele fixou como meta do BNDES para 2018.

Consequente

Ao se reportar aos pré-candidatos extremistas ao governo, sem citar os nomes de Lula (PT) e Jair Bolsonaro (ainda no PSC), Rabello afirmou que “os extremos existem para qualificar o meio”.

Inconcebível

O palestrante disse que era inaceitável o rombo atual nas contas públicas do País: “Nenhum País do mundo vai a lugar nenhum com um déficit anual de R$ 169 bilhões”.

Roteiro

Para o economista, o fundamental é “transformar” as eleições do ano que vem “numa pauta, numa bula, que tenha que ser seguida por quem foi eleito presidente”.

Sangria

E acrescentou: “A voragem ´de Brasília´ está consumindo todos os recursos”, citando em seguida que o País gasta cerca de R$ 2 bilhões (em cada de útil) apenas para amortizar os juros de sua astronômica dívida.

Alavancagem

Paulo Rabello se mostrou particularmente preocupado em ajudar a retomada do peso do setor industrial no PIB (produto interno bruto) do Pais: “A indústria não é lugar de tributar e nem de arrecadar. Tributos no Brasil têm donos”.

Pulsação de momento

Paulo Rabello de Castro falou sobre a situação atual da macroeconomia brasileira: “Pior não vai ser! O pior já passou. Já saímos da recessão, mas não de suas consequências”.

Luciano Huck está empolgado com a política...
Simple Share Buttons

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube