Fechar

logo

Fechar

Arimatéa Souza

terça-feira, 16/10/2018

O ´dia seguinte´ de CCL

Malefícios da corrupção

É oportuno resgatar recentes declarações do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, em palestra no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

“A corrupção desvia recursos que não vão para serviços públicos, que não vão para serem redistribuídos. Ela cria uma relação pervertida entre cidadania e o Estado. Cria um ambiente generalizado de desconfiança em que todo mundo pensa que pode passar o outro para trás”, sublinhou Barroso.

Perfis

Conforme o ministro, há dois tipos de corruptos: os que não querem ser punidos e os que não querem ficar honestos, apesar dos escândalos já divulgados no país.

Adversa

“Acaba sendo uma batalha muito difícil, quando não muito solitária, quando se precisa enfrentar os progressistas, a elite e os corruptos. Mesmo assim, acho que esse trem já saiu da estação e doravante, cada vez menos, a sociedade vai aceitar este modo desonesto com que se faz política e negócios no Brasil”, prognosticou o membro do STF.

Intolerável

Barroso também enveredou pela questão da (in) segurança pública: “Nos tornamos o país mais violento do mundo, com 63 mil homicídios por ano. É mais do que morre na guerra da Síria. É um número quase invisível, porque são pessoas pobres, de baixa escolaridade, negras. O país não pode conviver com estes índices de violência”.

Relegada

“A educação é tratada com descuido no Brasil. Na economia todo mundo quer saber quais são os nomes e quais são os projetos pelo mundo para sair da recessão. Na educação ninguém debateu, ninguém pensou quais são os melhores nomes”, assinalou o ministro.

Convergência

Por fim, o ministro do Supremo disse que “em um país polarizado nós devemos buscar denominadores comuns e acho que um projeto suprapartidário patriótico de curto, médio e longo prazo para a educação básica é capaz de unificar o país”.

Quase lá

Nos bastidores do governo estadual existe a expectativa de que (pelo menos) três deputados estaduais eleitos por partido de oposição migrem para a base até a posse, em 1º de fevereiro de 2019.

Da boca de…

“… Bolsonaro é a promessa certa de uma crise…” (ex-presidenciável Ciro Gomes, do PDT)

Desligamento

O publicitário paraibano Lucas Sales não está mais na linha de frente do grupo de marqueteiros do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).

Palanque

“Se algum dirigente (partidário) cometeu erro e, quando garantido o amplo direito de defesa, a conclusão é que (ele) enriqueceu (ilicitamente), tem que ir para a cadeia”.

Presidenciável Fernando Haddad (PT), tratando (quase obrigatoriamente) sobre corda, em casa de enforcado.

Distrato

O empresário Artur Bolinha Almeida está tomando as providências para se desligar do comando da Rádio 101 FM (antiga Cariri), em Campina Grande.

Destino

O deputado Aguinaldo Ribeiro (PP), que tem o controle societário da referida emissora, deverá sublocar a rádio a outro interessado, uma negociação que, inclusive, já teria sido iniciada.

Voto declarado

“Não vou ajudar a abrir a porta do Brasil para o autoritarismo e a intolerância. Votarei no Haddad”.

Senador (não reeleito) Cristovam Buarque (PPS-DF).

Ajuste

A bancada de oposição na Câmara campinense estava com reunião agendada para o final da tarde de ontem, com a finalidade de definir estratégias ´pós-eleição´.

Duro na queda

Diante do insucesso eleitoral nas eleições deste ano (tentou um mandato de deputado estadual), Jacó Maciel (Avante) já iniciou a caminhada para concorrer novamente à Prefeitura de Queimadas, em 2020.

Da boca de…

“… É um sentimento que tomou conta da grande maioria do País. Eu acredito na campanha dele porque é muito raro você conviver na política com uma pessoa com a espontaneidade do Bolsonaro…” (Ronaldo Caiado, do DEM, senador e governador eleito de Goiás).

Chance (quase) zero

Quem tirou nos últimos dias a ´pulsação´ da família Ribeiro, considera pouco provável a possibilidade de o PP tentar disputar a prefeitura campinense em 2020, em termos de ´cabeça de chapa´.

Novato

18% dos candidatos eleitos para a próxima legislatura no Congresso Nacional nunca tinham sido candidatos a nada.

A dúvida

Afinal, quando será que o vereador João Dantas (PSD) vai assumir (pra valer) a liderança do Governo na Câmara campinense?

Quarentena

Oficialmente, somente a partir de novembro é que o governador eleito João Azevedo (PSB) passará a tratar acerca de seu secretariado.

Sem lágrimas

O jornal O Globo abordou a não recondução de Cássio Cunha Lima (PSDB) para a próxima legislatura no Senado.

“Com 32 anos de mandatos eletivos, o senador ficou surpreso com o resultado, pois liderou as pesquisas de intenção de votos durante toda a campanha.

Para ele, houve um movimento que pegou no eleitorado, de não querer renovar o mandato de ninguém, independentemente do desempenho dos atuais mandatários.

Diante da derrota, Cássio diz que encarou o resultado com naturalidade e não chorou – seus funcionários, sim”.

 

Quantos diálogos entre os prefeitos de CG e JP após as eleições?...
Share this page to Telegram

Arquivo da Coluna

Arquivo 2019 Arquivo 2018 Arquivo 2017

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube