Fechar

logo

Fechar

Arimatéa Souza

quarta-feira, 06/11/2019

´Juiz´ escolhido

Fim da ´transfusão´

O governo federal, ao anunciar ontem o ´pacote´ de medidas com o qual pretende arrumar a administração pública e racionalizar os gastos governamentais, protagonizou uma ´ousadia´ ao propor que cerca de 1.250 municípios retornem à condição de distritos, por absoluta incapacidade financeira.

O ponte de corte seria as cidades com menos de 5 mil habitantes e que não gerem – pelo menos – 10% de receitas próprias em comparação à arrecadação total.

67 cidades paraibanas seriam atingidas.

Tema proibido

A classe política sempre ignorou o tema e a perversa e bilionária conta que esses pequenos municípios impõem à receita pública.

Inchaço

Ao contrário, vez por outra surgem propostas para flexibilizar ainda mais a quantidade de cidades no País, que já são aproximadamente 5.600.

Larga escala

Não custa lembrar que quando da Assembleia Constituinte foi autorizada a criação de mais de 50 cidades aqui na Paraíba, muitas delas –ainda nos dias atuais – funcionam tão somente à base dos repasses do FPM (Fundo de Participação dos Municípios.

Desmonte

A projeção inicialmente feita com a medida proposta demonstra o tamanho da tesourada: 1.250 prefeitos a menos; idem vice-prefeitos; além de 10.800 vagas subtraídas nas câmaras de vereadores, sem considerar todo o custo das estruturas de secretarias municipais e de assessorias parlamentares.

´Pit stop´

Mais uma licença na Assembleia Legislativa. O deputado Inácio Falcão (PCdoB) deverá se afastar por quatro meses e abrir espaço para o suplente Trocolli Junior (Podemos).

Doente

“Estou me programando, porque sou portador de diabetes e tenho problema de retinopatia ocular. E minhas taxas estão muito elevadas. O (meu) médico está muito preocupado com as minhas taxas. Estou precisando fazer uma bateria de exames em Campina Grande, para realmente ter o medicamento certo para combater essa patologia, ou amenizar essas taxas”, discorreu o parlamentar à Coluna.

Sem impedimento

Perguntado se a sua saúde permite manter a candidatura a prefeito, Inácio respondeu: “Claro, claro. Isso é só controle e fazer consultas periódicas. Mas estou me conscientizando disso, fazendo o controle de todas as taxas”.

Chegada

A suplente de deputada Jane Panta (PP) – pouco mais de 20 mil votos nas eleições de 2018 – assumiu ontem uma cadeira na Assembleia Legislativa, substituindo por quatro meses a deputada Dra. Paula (PP).

Bandeira

No seu pronunciamento inicial, Jane (esposa do prefeito de Santa Rita, Emerson Panta) apontou a defesa da descentralização da saúde como a sua principal meta nessa interinidade.

 Improdutivo

A nova deputada sublinhou que “não adianta fazer a ´ambulanciaoterapia´, trazendo pacientes para a Capital e sobrecarregando os serviços de João Pessoa, deixando de oferecer atendimento na sua cidade”.

 

Flexível

Sobre a relação com o governo João Azevedo, Jane respondeu que “se for para o bem do município e do Estado, independente de onde vir o projeto, eu estarei a favor”.

´Pontes´

“Precisamos também encurtar a distância que existe entre Santa Rita e João Pessoa, em termos de falta de destinação de recursos por parte do governo estadual”, assinalou.

Cadeado

A direção do Banco Itaú oficializou, ontem, que ainda este ano vai fechar 400 agências pelo País, dentro do planejamento contínuo de informatização das atividades.

Coesão

Com aprovação unânime, o auditor fiscal do Tribunal de Contas do Estado, Antonio Gomes Vieira Júnior foi referendado, ontem, pela Assembleia Legislativa para ocupar uma vaga de conselheiro no próprio TCE.

Legislação

Na sabatina com os deputados, o auditor assinalou que o atraso na tramitação e/ou conclusão de algumas prestações de contas ocorreu porque “a legislação é muito flexível quanto ao princípio da ampla defesa e do contraditório, que têm que ser respeitados”.

Impraticáveis

Ele também afirmou que a maioria dos 67 institutos municipais de previdência existentes na Paraíba são inviáveis economicamente.

Escolha

O vereador Bruno Faustino (ainda no PSB) ´saiu do muro´ e revelou ontem a sua opção acerca da candidatura a prefeito de Campina na oposição: “Veneziano agrega, tem todas as ações que requer, na figura de senador. Tem liderança, tem respeito de toda a comunidade”.

O ´dono´…

Após participar de uma audiência pública na Câmara campinense, ontem, o secretário de Saúde do Estado – e cada vez mais prefeitável – Geraldo Medeiros (PSB) disse que o ´árbitro´ da sucessão campinense, no âmbito das oposições, será o governador João Azevedo.

… Apito´

“Eu acho que a condução dessa campanha deverá ser feita pelo governador e pelos partidos aliados”, verbalizou.

Precipitação

Geraldo acentuou que “na minha ótica”, o “momento atual é precoce, principalmente para mim que estou no comando da Secretaria há apenas sete meses”.

“Só o tempo dirá em relação à condução desse processo”, adendou.

Só depende de João

De todo modo, o médico Geraldo Medeiros afirmou que “a população está se manifestando carente de um novo modelo gerencial”.

– Sempre digo: tem de combinar com o povo. Hoje eu sou um servidor à disposição do governador João Azevedo, e somente ele junto aos partidos podem definir – acrescentou.

Cresce a desconfiança na oposição acerca da briga no PSB/PB...
Share this page to Telegram

Arquivo da Coluna

Arquivo 2019 Arquivo 2018 Arquivo 2017

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube