Jornalista há quase 30 anos, escreve a coluna Aparte desde 1991. Já trabalhou em TV, rádio e foi editor chefe do Jornal da Paraíba e colunista das TVs Cabo Branco e Paraíba. É comentarista político das rádios Campina FM, Caturité AM e editor do portal de notícias Paraibaonline.

quinta-feira, 22/02/2018

João na mente e Brasília no coração

´Daqui não saio´

“Candidatura do povo”. Eis a expressão verbalizada ontem pelo senador José Maranhão (MDB), ao reafirmar a sua postulação a governador, em entrevista dada à TV Itararé.

– Pela lógica elementar da política, eu não poderia estar no Senado, uma vez que o nosso candidato a governador (Vital Filho, em 2014) não teve mais do que 5% dos votos – recordou Zé, lembrando ainda que os seus adversários Wilson Filho (PTB) e Lucélio Cartaxo (PT) contavam com os apoios do senador Cássio (PSDB) e do governador Ricardo Coutinho (PSB), respectivamente.

 

Sem barreiras

Ainda conforme as palavras de JM, “o povo paraibano resolveu exercer o direito democrático do voto, sem se incomodar com partidos e alianças. E exerceu na plenitude o direito da escolha”.

Coligações

Maranhão revelou ontem que está avançando nas negociações com o PR do deputado Wellington Roberto, como também com outras duas legendas.

Café da manhã

Ainda esta semana, o senador (como presidente do MDB/PB) irá convocar os parlamentares para uma reunião em João Pessoa.

Receio

O problema, no entendimento dos deputados estaduais e federais do MDB, é que a situação de 2014 foi singular e não tende a se repetir este ano.

Sem contestar

Polidamente, o deputado federal André Amaral (MDB) – que já controla o Pros na Paraíba – disse ontem na ´Campina FM´ que Zé “tem toda a capacidade e direito de disputar” o pleito deste ano.

Aguardar

Para ele, “é importante a gente (do MDB) esperar a definição dos outros partidos” que deverão participar da disputa majoritária.

Tratativas

André admitiu que ele e outros colegas de partido já mantêm conversações com outras legendas.

Preliminares

“É natural conversar com outros partidos. Mas nada consolidado (…) Continuo do mesmo jeito, conversando com lideranças políticas”, ponderou.

Canal aberto

Ao ser questionado se ainda mantinha relações políticas com o governador, André respondeu que “não há motivo para se afastar de ninguém”.

Avanço

Nos meios políticos existe a especulação de que os deputados Hugo Motta e Nabor Wanderley (ambos do MDB) estaria avançando nas conversações com o PRB.

Caiu a ficha

Ao que parece, o prefeito Luciano Cartaxo (PSD-JP) já assimilou que não tem como avançar, no curto prazo, nos entendimentos eleitorais com José Maranhão.

Formalidade

“Eu sou prefeito e ele é senador da República. E sempre que houver oportunidade de visitá-lo para buscar investimentos para João Pessoa, eu vou fazer isso sem a menor dificuldade”, tangenciou Cartaxo.

Inconcluso

Acerca do anunciado afunilamento para a definição da chapa, no âmbito das oposições, LC declarou que “em nenhum momento a gente chegou a ter esse debate de maneira objetiva, de quem seria o candidato e, muito menos, fiz a imposição do meu nome”.

Novo caminho

A empresa Energisa Paraíba buscou uma interlocução com a Câmara de Vereadores de Esperança para informar sobre a acentuada inadimplência da prefeitura local, e pedir que houvesse um entendimento com o Executivo, como forma de evitar que a população venha a ser prejudicada com o corte no fornecimento de energia em órgãos e espaços públicos.

Agora é Lula

“Acho que o Temer está encontrando um jeito de ser candidato a presidente da República. E eu acredito que ele achou que a segurança pública pode ser uma coisa muito importante para pegar um nicho de eleitores do Bolsonaro”.

Em entrevista, ontem, à Rádio Itatiaia (MG).

Consenso

O desembargador Carlos Martins Beltrão Filho foi indicado, ontem, de forma unânime, pelo Tribunal de Justiça para integrar como membro efetivo o TRE-PB, sucedendo à desembargadora Maria das Graças Morais Guedes, que concluirá o seu biênio na Corte eleitoral no dia 11 de março.

Stop

Ação proposta pelo Sindicato que representa o setor de hospedagem e restaurantes em João Pessoa conseguiu suspender a cobrança de 3 centavos por cada nota fiscal emitida na Paraíba.

A decisão, em caráter liminar, foi do desembargador Saulo Benevides.

Reação

O fato de o reajuste (6,81%) no piso salarial do magistério da rede municipal de ensino não ser retroativo a janeiro (valerá a partir de 1º de fevereiro último) provocou protestos da bancada de oposição na Câmara campinense, quando da votação da matéria na sessão de ontem.

Revolta

Mas a crítica mais ácida partiu do diretor do Sintab e ex-vereador Napoleão Maracajá: “O que a bancada governista tem produzido para prejudicar o servidor não causa espanto, mas causa indignação”.

Obviedade

Ainda conforme o sindicalista, “parece-me analfabetismo parlamentar economizar o dinheiro dos professores para fins escusos. Não precisa ser parlamentar para saber que uma lei municipal não pode se sobrepor a uma lei federal”.

Sem limite

“Um parlamento que vota contra professores é capaz de qualquer coisa. Ataca a educação e os filhos do povo pobre”, acrescentou Maracajá.

Porta-voz

Vai caber ao vereador Léo Bezerra (PSB), filho do deputado Hervázio Bezerra (líder do governo na Assembleia Legislativa), conceder uma entrevista hoje na Câmara pessoense (10h) em nome da bancada oposicionista.

Ele promete denúncias contundentes contra Luciano Cartaxo.

Mesma tecla

Ao cabo de uma solenidade, ontem, na Capital, com diversos prefeitos, Ricardo Coutinho tornou a ser perguntado sobre o processo eleitoral.

Temerosos

À sua ótica, os adversários “estão morrendo de medo” nos dois cenários possíveis – o seu afastamento ou a sua permanência no governo.

Aflitos

“A eleição é em outubro; o prazo de inscrição (de chapas) é agosto. A Paraíba tem tanto coisa para pensar. Quem não tem nada para apresentar ou pra fazer, só faz falar sobre eleição. Quem quer o poder pelo poder, como os nossos adversários, é que ficam permanentemente nessa lógica de aflição, de que alguém vai trair”, discorreu RC.

Compilação

Ainda segundo RC, “os adversários não têm o que comparar. Não conseguem comparar gestão. Todos os indicadores deles são piores do que os nossos. E isso pesa na hora que um paraibano vai dizer a quem eu vou entregar o Estado. Eu vou entregar a quem não tem capacidade? Eu vou entregar a quem pega uma prefeitura e não consegue produzir nada com recursos próprios? Aonde foi parar aquela avalanche de recursos próprios que determinadas prefeitura tinham até 2011?”.

Sem correr riscos

Secretário de Articulação Política do Estado, o deputado (licenciado) Adriano Galdino (PSB) afirmou ontem que “o objetivo número 1 do governador é eleger João Azevedo. Tudo, qualquer movimento que ponha em risco esse objetivo Ricardo vai estar fora, porque o objetivo dele, primeiro, não é ir para o Senado, mas sim eleger João Azevedo”.

Na avaliação de Galdino, Ricardo “tem mais vontade do que eu de ser senador, mas ele só sairá se encontrar as condições necessárias para não colocar em risco o objetivo número 1, que é eleger João Azevedo”.

Damião Feliciano já faz contagem regressiva?...
Simple Share Buttons