Fechar

Fechar

Arimatéa Souza

terça-feira, 20/03/2018

Indiferença explícita

Dura na queda

Em entrevista ontem ao canal Globonews, a ministra Carmen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal, afirmou que não cederá à pressão para colocar novamente em pauta a questão da prisão após a confirmação da sentença em 2ª instância, algo que tem a ver diretamente com o futuro pessoal e político do ex-presidente Lula.

“A decisão foi tomada em 2016 e com repercussão geral. Não há nenhuma razão para que a matéria volte agora abstratamente para levar à mudança da jurisprudência. Por isso é que, tendo a pauta, não cedo a que isto venha a acontecer porque não há razões”, declarou Carmen.

O detalhe

Haverá hoje uma reunião dos ministros do Supremo, articulada pelo decano Celso de Mello, com a finalidade de tentar ´baixar a temperatura´ entre os integrantes da Corte.

Repasse

O jornal Valor Econômico (SP) divulgou ontem que o governo federal deve lançar hoje um novo leilão de portos.

O aval à licitação será dado pelo conselho de ministros do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI).

Lote

Serão oferecidos sete terminais, entre eles três terminais de granéis líquidos em Cabedelo, dois terminais do mesmo tipo em Santos (SP) e dois em Suape (PE), sendo um de contêineres e outro de veículos.

O detalhe

A intenção é que o certame ocorra entre outubro e dezembro, com contratos de arrendamentos de 25 a 35 anos.

Trânsito livre

Vice-líder do governo na Câmara campinense, o vereador Alexandre do Sindicato (PHS) declarou que não haveria “nenhuma dificuldade” para uma aproximação de sua bancada com o MDB.

“A dificuldade seria dos membros do MDB”, ressalvou.

Aplauso

Para o edil, os aliados de Romero Rodrigues (leia-se o PP) deveriam enaltecer “o ato de grandeza e de humildade” do prefeito, de não reivindicar para si a primazia na futura chapa da oposição para disputar as eleições deste ano.

Caixa forte

O PSDB separou para a campanha do governador de São Paulo e presidente nacional do partido, Geraldo Alckmin, à Presidência da República o valor máximo permitido pelo Tribunal Superior Eleitoral, R$ 70 milhões, conforme divulgou o jornal Folha de São Paulo.

Andança

O deputado Veneziano (ainda no MDB) está intensificando as visitas às comunidades.

No último domingo o passeio foi pelo mercado público do bairro da Liberdade, em Campina.

Na tela

O paraibano Fábio Chateaubriand Borba (natural de Umbuzeiro e da família do jornalista Assis Chateaubriand), que é o diretor de afiliadas da Rede Cultura de Televisão, estará no centro do debate hoje no programa ´Ideia Livre´ da TV Itararé, que começa às 22h15.

Serviço

Sintonize o programa pelo canal 18.1 (HD) e 19 (analógico), ou seja internet – www.tvitarare.com.br

Inconcluso

O TRE-PB postergou, ontem, novamente, o julgamento de uma AIJE (ação de investigação judicial eleitoral) que pede a cassação do mandato da chapa Ricardo Coutinho/Lígia Feliciano e a inelegibilidade de ambos, como também a suspensão dos direitos políticos por oito anos.

 

O detalhe

Houve um pedido de vista do juiz Breno Wanderley.

´Fico´

No final da última semana, Ricardo Coutinho (PSB) se encontrou com diversos deputados de sua base política e reafirmou a disposição de concluir o mandato.

´Mea culpa´

Ficou pela metade (e truncada) uma notícia publicada na edição de ontem de Aparte sobre o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB).

Segue o texto correto.

Indigerível

Secretário-geral do PSDB, o deputado Marcus Pestana (MG) questionou a possível saída do deputado Pedro Cunha Lima do PSDB, já que o pai dele, o senador Cássio Cunha Lima, é um dos principais líderes dos tucanos no Nordeste.

Mal explicado

“Essa geração nova não tem a solidez programática partidária. O quadro partidário está em crise. Não consigo entender a lógica do Pedro. O Cássio é vice-presidente do Senado pelo PSDB. Vai ser muito estranho. Mas cada cabeça uma sentença”, comentou Pestana.

A quem…

Ao ser questionado, ontem, sobre as alianças que o PSB firmará para as eleições deste ano na Paraíba – e uma eventual aproximação com o Partido Verde, do prefeito Luciano Cartaxo (JP) -, o governador ´rolou a bola´.

… Compete

“Quem comanda isso é o candidato João Azevedo. Ele tem talento e uma compreensão extremamente qualificada para poder comandar essa articulação”, situou Ricardo Coutinho, para sublinhar em seguida que “evidentemente que eu tenho influência, por razões óbvias”.

Etapas

“Mas isso eu vou conversar primeiro dentro do partido. E mais: eu não sei o que os outros pensam. Eu preciso saber quem quer compor com o PSB. É assim que as coisas são. Mas há tempo para tudo”, discorreu RC.

Risível

Acerca do ´festival´ de composições políticas cogitado pela imprensa, o governador comentou que “eu tenho me divertido demais ultimamente, sabia? Eu tenho lido tanta coisa que, de tanto rir, tem me tirado o sono”.

No limite

Ricardo temperou as expectativas: “Vamos esperar a zero hora do dia 8 de abril para saber o que acontece. Antes disso eu tenho que assinar um monte de contratos e convênios. Tenho que tocar o Estado, que está numa posição que é importante”.

Focado

“A minha ocupação e, sinceramente, a minha paixão administrativa e política é essa. Eu tenho é que me concentrar nisso”, emendou.

Reina o silêncio

Ricardo Coutinho surpreendeu ao minimizar a importância de uma conversa com a vice-governadora Lígia Feliciano (PDT) para a discussão de um posicionamento conjunto acerca da sucessão estadual.

– Eu não sei, não fui procurado. Não há nenhum pedido de audiência por parte da vice-governadora – comentou olimpicamente.

Lucélio será o ´ponta-de-lança´ de Cartaxo nesta eleição?...
Simple Share Buttons

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube