Fechar

logo

Fechar

Arimatéa Souza

sábado, 30/05/2020

Hora das decisões

´Canto do adeus´

Para as gerações mais ´pretéritas´ do jornalismo nacional, o jornalista Gilberto Dimenstein era uma referência, notadamente na sua passagem pelo jornal Folha de São Paulo.

No dia de ontem ele nos deixou, aos 63 anos, vítima de um câncer no pâncreas.

O texto que ele escreveu pouco tempo depois de tomar conhecimento da enfermidade é marcante e, inevitavelmente, reflexivo.

Compartilho, a seguir, alguns trechos.

Inusitado

“Sonhei com uma mulher dizendo que eu estava com câncer. Sou super-racional, acredito na ciência, na lógica. Mas foi um sonho tão claro que fiquei encasquetado.

Negativo

“Fui aos médicos, fiz colonoscopia, endoscopia, ultrassonografia, não achavam nada, mas eu continuava impressionado. Um gastroenterologista pediu uma tomografia, ´só para tirar a dúvida´.

Pela madrugada

“Fui às 22h, o resultado começou a demorar. Veio um enfermeiro e perguntou se não sentia muita dor, porque tinha pancreatite, mas eu não sentia nada. Era câncer.

Rapidez

No dia seguinte, já estava no hospital. Tirei o tumor bem no comecinho, o que aparentemente era boa notícia.

Metástase

“Mas, passadas três semanas, ele estava no fígado. Fizemos quimioterapia para operar, mas, em vez de parar, o tumor cresceu. Passei quatro meses de tantas más notícias… muita febre todo dia, comecei a já me preparar para a despedida. Foi o meu período pessimista.

Renascer

“Hoje – é até difícil falar ​isso – estou vivendo o momento mais feliz da minha vida. Aquele Gilberto Dimenstein antes do câncer morreu. Nasceu outro.

Mergulho

“Câncer é algo que não desejo para ninguém, mas desejo para todos a profundidade que você ganha ao se deparar com o limite da vida. Não queria ter ido embora sem essa experiência.

Relativização

“Grande parte da minha vida foi marcada pelo culto a bobagens: ganhar prêmio, assinar matéria na capa, o tempo todo pensando no próximo furo. É como se estivesse passando por um lugar lindo num trem em alta velocidade, vendo tudo borrado.

Sem escolha

“Quando você tem um câncer (ainda mais como o meu, de metástase e de pâncreas, um tipo muito agressivo), não há alternativa. Ou vive o presente ou sua vida vira um inferno.

Despertar

“E aí começam a aparecer coisas incríveis. Gosto de andar de bicicleta, e comecei a sentir o vento no rosto, como se estivesse sendo beijado. Você vê seu neto deitado com você. Acorda com os bem-te-vis e escuta os bem-te-vis.

Sem paladar

“Falar em sentidos é importante, porque meu tratamento tira o gosto, até a água fica ruim.

Lenitivo

“É uma fase de muitos pesadelos, que melhoram com o canabidiol (composto químico derivado da maconha, liberado para uso medicinal).

Mutação

“Tudo isso poderia fazer um cara superinfeliz. Mas as relações emocionais se sofisticam.

Contraste

“Nós vivemos nos meios digitais a era da indelicadeza, 500 mil pessoas criticando. Eu acabei entrando no mundo das gentilezas. Cada pessoa tem uma palavra, um chá, uma dica de oração, um olhar gentil. O outro mundo vai ficando ridículo.

Fronteira

“Com ou sem câncer vamos todos morrer, e se pudermos antecipar essa sensação, vamos evitar várias bobagens. A clareza maior da morte é uma dádiva. Não é o fim, mas um começo.

Oportunidade

“Pode ser o começo de um belo fim de vida, viver esses momentos com a família, ou um ´pit stop´ para voltar melhor. O cara tem que ser muito, muito, muito idiota para não voltar melhor.

Reflexão

“Não é que eu ache que morrer é bom, mas você começa a questionar por que existe, e a conclusão é que, se não podemos escolher como entramos na vida, podemos decidir como sair dela.

Imediatismo

“Quando o médico me disse que eu estava com câncer, passou um dia, dois, três, e não tive medo. Só temia o impacto da minha morte nos outros. Não me senti desesperado. Nada, nada, nada. Até me espantei comigo mesmo.

Sem controle

“Você não está mais no comando, e isso é motivo de alívio. De felicidade, até.

Balanço

“Descobri que meu pavor era passar a vida sem propósito. Olhei para trás, e, apesar de todas as minhas delinquências – que não foram poucas -, acho que fiz mais bem que mal.

Individualismo

“Hoje há um enorme desperdício. Há um ditado árabe maravilhoso – “gavião não voa em bando”. Cada um quer ter seu legado, sua placa, seu projeto.

Analogia

“O mundo é como um corpo humano. Há pessoas que espalham infecções, se xingam, se odeiam. E há os glóbulos brancos, as pessoas que não deixam o mundo acabar, que inventaram a anestesia, o antibiótico, descobriram a hélice dupla do DNA”.

Grito de alerta

“Precisamos de cooperação, colaboração, compreensão e solidariedade. É natural que nessa ansiedade, cada um a seu estilo, um pisa no pé do outro. E quem foi pisado dá um empurrão de volta. Agora, acabou. Quando chegar na margem, começa a brigar de novo. Pode brigar a vontade na margem. Se brigar a bordo do barco, o barco naufraga”.

Patético apelo feito ontem pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

Retorno…

O deputado (licenciado) Tovar Correia Lima (PSDB) anunciou que concluirá na próxima semana a sua terceira passagem pelo secretariado do prefeito Romero Rodrigues – essa última na Pasta do Planejamento.

… À ALPB

“A gente não sabe sequer se haverá as eleições este ano, quanto mais quem disputará as eleições”, comentou Tovar ao registrar que o afastamento ocorre por imposição da legislação eleitoral, já que colocou o seu nome à disposição para disputar a PMCG.

O detalhe

Com a volta do ´tucano´ às atividades parlamentares, será afastado do exercício do mandato o suplente Cláudio Regis (Progressistas).

Reta final

Quem também vai se desincompatibilizar do cargo de secretária executiva de Articulação Municipal do Estado é Ana Claudia Vital do Rêgo, que pretende concorrer à PMCG pelo Podemos (antigo PTN).

Prazo fatal

“Será muito difícil a realização das eleições em outubro, mas os prazos eleitorais estão mantidos”, enfatizou Ana em entrevista.

Rumo…

Lucas Ribeiro, suplente de vereador pelo Progressistas, também avisou ontem que deixará a Secretaria de Ciência e Tecnologia da PMCG.

… às urnas

“Como já planejado, vou deixar a secretaria no próximo dia 3, respeitando o calendário eleitoral que, apesar dessa incerteza, está mantido”, comentou Ribeiro.

O detalhe

É bom lembrar que essa desincompatibilização só vale para quem vai concorrer a cargos majoritários – prefeito ou vice-prefeito.

É preciso cantar

“Canta, canta uma esperança

Canta, canta uma alegria

Canta mais

Revirando a noite

Revelando o dia

Noite e dia, noite e dia

Canta a canção do homem

Canta a canção da vida

Canta mais

Trabalhando a terra

Entornando o vinho

Canta, canta, canta, canta”

(Chico Buarque)

Não há muita escolha: fique em casa...
Share this page to Telegram

Arquivo da Coluna

Arquivo 2019 Arquivo 2018 Arquivo 2017

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube