Fechar

logo

Fechar

Arimatéa Souza

sábado, 15/02/2020

Fim do suspense

Outra história cabeluda

O ´multicondenado´ ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (MDB) teve a sua delação premiada homologada pelo Supremo Tribunal Federal (ministro Edson Fachin).

Na sua mais recente edição, a revista Crusoé publica trechos dessa delação, que envolve ministros do Superior Tribunal de Justiça – Napoleão Nunes Maia e Humberto Martins -, e do Tribunal de Contas da União – Bruno Dantas (apadrinhado do senador Renan Calheiros – MDB/AL), Aroldo Cedraz (presidente) e Vital do Rego Filho -, que “passaram a receber pagamentos mensais” para proteger o então presidente da Fecomércio do Rio de Janeiro, Orlando Diniz, que atuava em sintonia com Cabral.

Portas de acesso

O entendimento com os magistrados do STJ passava, conforme o relato, pela contratação de escritórios de advocacia recomendados, em troca de decisões favoráveis.

Milionário

No caso da contratação dos serviços advocatícios do filho de Cedraz (Aroldo), o valor pago foi de R$ 13 milhões.

Versão

Em declaração à publicação, Vital Filho desqualificou a delação de Sérgio Cabral, alegando que é uma pessoa com “reiteradas condenações criminais”, razão pela qual não iria comentar.

Só lembrando

Napoleão Maia chegou ao Superior Tribunal de Justiça com o apoio de seu parente, o então senador Ney Suassuna, e é o responsável pela estranha e fulminante liminar que livrou da cadeia, no recesso do Judiciário, o ex-governador Ricardo Coutinho.

Adiamento

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) adiou para o mês de abril a visita que faria à Paraíba este mês com a finalidade de reorganizar no estado as ´forças bolsonaristas´.

Meia volta

Subitamente, a Assembleia Legislativa comunicou, ontem, a revogação do chamado ´recesso branco´, que se estenderia até o começo de março, e a realização das sessões ordinárias, a partir da próxima semana, no auditório do Ministério Público.

Transitório

Simpatizantes em Campina Grande do Aliança pelo Brasil, o novo partido do presidente do Bolsonaro, que pretendem disputar cadeiras na Câmara, cogitam concorrer pelo Democratas, uma vez que não haverá tempo hábil para o registro da nova legenda até o início do processo eleitoral deste ano.

Polêmica…

Quando março chegar, o Supremo Tribunal Federal vai deliberar sobre uma norma da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

… À vista

Conforme a orientação, homens homossexuais só podem doar sangue se passarem um ano sem transar, sob o argumento de proteger quem recebe transfusão de possíveis infecções.

Dar um…

O vereador Rodrigo Ramos (CG), ainda formalmente vinculado ao PDT, cogita pedir licença de seu mandato ao longo das próximas semanas.

… Tempo

Se levar a intenção adiante – e esse afastamento for superior a 120 dias -, abrirá espaço para o suplente da vez: o sindicalista Napoleão Maracajá.

Pé na estrada

Será lançado oficialmente na próxima segunda-feira – 19h, no Clube da Bolsa, no centro – o ´Fórum Campina´, que reúne partidos como PSOL, PT, PDT e PSB, entre outros.

Da boca de…

“… O Podemos compõe a bancada de sustentação de apoio ao governo Bolsonaro. O PSB é contrário e é oposição. O Cidadania da mesma forma, até porque o próprio Cidadania foi um partido que votou contra o povo…” (vereador Anderson Maia, futuro presidente do PSB/CG).

Agora é Lula

“A Globo, depois de lançar o Bolsonaro, agora vai lançar o Caldeirão do Huck”.

Ex-presidente, em recente discurso.

Fatura

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou, esta semana, um projeto de lei que obriga presos a pagarem por suas despesas na prisão.

A autoria é do ex-senador Waldemir Moka (MDB-MS).

Sábado é dia de poesia

“O gueto, a rua, a fé/ Eu vou andando a pé/ Pela cidade bonita/ O toque do afoxé/ E a força, de onde vem?/ Ninguém explica/ Ela é bonita…” (Daniela Mercury).

Aplique-se…

Ao tratar do envolvimento do ex-senador Ney Suassuna com a Operação Calvário, o senador Veneziano Vital (PSB) afirmou que “merece a investigação devida para que sejam apurados os fatos”.

… A lei

“Comprovadas as supostas acusações, que os seus supostos responsáveis possam pagar, possam ser responsabilizados. Agora, todos têm o direito de expor as suas linhas de defesa”, acrescentou o ´V´.

Longe da urna

Categoricamente, em entrevista à Rádio Caturité, o senador disse ontem que “eu não sou candidato. Eu apoio a candidatura do Podemos, que apresenta como postulante Ana Cláudia”.

Afinidade

Ele destacou que o Podemos “é um partido que eu tenho uma relação muito próxima”.

Sem imposição

Ao tratar da postulação da esposa, o ´V´ disse que “é uma candidatura surgida naturalmente. Ela é profissional da advocacia”.

Sem radicais

Veneziano observou que “nós não desconhecemos as postulações daqueles que estão na extrema-esquerda e nem na extrema-direita. Eu só penso que a sociedade brasileira cobra moderação, e Ana Cláudia é uma pessoa com esse perfil”.

Sem amarras

Dessa forma, fica desde já expressamente estabelecido que o senador não irá se subordinar às orientações partidárias em termos em Campina Grande, mesmo que o PSB leve adiante a cogitação de ter candidatura própria.

O PP quer rezar pelo ´evangelho´ de João?...
Share this page to Telegram

Arquivo da Coluna

Arquivo 2019 Arquivo 2018 Arquivo 2017

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube