Quantcast

Fechar

logo

Fechar

Arimatéa Souza

sexta-feira, 20/09/2019

“Eu não mudei”

´Fui´

Parece enredo de novela, com um capítulo a cada dia. De forma surpreendente, Ronaldo Barbosa renunciou ontem ao cargo de presidente do diretório municipal do PSB de João Pessoa, no rastro da dissolução do diretório estadual.

A sua carta de despedida ´joga gasolina´ nas labaredas partidárias. Veja alguns trechos.

Reprovação

“De repente, fomos surpreendidos por uma ação de destituir a direção estadual eleita democraticamente e por unanimidade no seu último congresso. Tal ação (de surpresa), ocorreu de forma autoritária e antidemocrática.

Na surdina

“Esta ação, entre várias outras que se seguiram, demonstrou que não é na calada da noite, com medidas de força e sem nenhuma transparência que divergências são superadas.

Cadê?

“Uma pergunta sem resposta até agora, mas que o povo quer saber: Aonde está a relação dos que pediram (SIC) renúncia do Diretório Regional?

Repudiado

“Não cabem afirmativas ´que eu elegi 22 deputados´ ou que eu elegi ´o Governador´. O maior problema na política é quando o singular busca substituir o plural. O singular nega a história, nega o sujeito histórico, nega o papel do coletivo. A quem prega este singular tem meu repúdio.

Irresponsável

“Em um momento em que se precisa dessa unidade, de nossa luta contra o autoritarismo, eis que alguns acham que o problema está no governo João Azevedo ou em más companhias e até em Edvaldo Rosas. Não concordo com esta irresponsabilidade e quem a cometeu tem que dizer que errou e pedir desculpas ao povo da Paraíba!

Transparência

“Fui fiel ao projeto em 2004, em 2006, em 2008, em 2010, em 2012, em 2014, 2016, 2018, e continuo fiel a esse projeto e ao governador eleito por nós, João Azevedo. Quem quer romper com João Azevedo, que o faça, mostrando as razões, as divergências políticas. Se não o fizerem, a história cobrará!”

Desdobramentos

A bancada do PSB na Câmara pessoense (quatro vereadores) está convocando uma reunião para a próxima segunda-feira visando tratar do futuro da legenda na cidade.

Pura…

O empresário Luciano Hang, proprietário da rede varejista Havan, com sede em Santa Catarina, desistiu da recorrer de uma condenação que lhe foi imposta pelo TSE, no valor de R$ 2 mil.

… Matemática

“Por economia processual, porque sairia mais caro ir a Brasília”, alegou o empresário em nota divulgada por sua assessoria.

Por aqui

Hang transitou por João Pessoa para avaliar áreas na cidade que poderiam ser negociadas objetivando a instalação de uma filial de sua rede, em breve.

O detalhe

A fortuna de Hang, conforme ranking da revista econômica Forbes, é de US$ 2,2 bilhões.

Questão de tempo

O vereador campinense Teles Albuquerque (PSC) disse ontem que apenas espera a ´janela´ partidária para trocar de partido, porque “já fui informado” que outros filiados não querem a sua permanência.

Ele ´flerta´ com o PRTB.

Outra plataforma

O Congresso Nacional anda ´aprontando´ em termos de flexibilização da legislação eleitoral, já com vistas ao pleito do ano que vem.

“Por que devemos nos preocupar com as eleições 2020?” – esse é o tema do meu mais recente podcast (áudio) nas redes sociais.

Serviço

Para ouvir é só acessar aqui.

Escalada

O jornal Valor Econômico (SP) noticiou que o segmento industrial envolvido com o uso medicinal da cannabis (princípio ativo da maconha) deverá movimentar anualmente no mundo (até 2025) cerca de 166 bilhões de dólares.

Resgate

Coluna do último dia 8: “Que a sensibilidade governamental ´suba´ a Serra da Borborema e contemple igualmente o Hospital da FAP, uma entidade que há muitas décadas igualmente atende pacientes oncológicos oriundos da maioria das cidades paraibanas.

Segue

“Assim como o ´ Hospital Napoleão Laureano´, a FAP enfrenta no seu cotidiano as limitações inerentes a quem se dedica a essa tão invasiva – e em muitos casos – desesperadora enfermidade (oncologia), com as limitações do SUS.

Fecho

Um pouco conhecido poeta alemão, chamado Gotthold Lessing, disse que “a igualdade é o vínculo mais sólido do amor”.

Aceno

João Azevedo esteve, no final da tarde de ontem, no Hospital da FAP e disse que o Estado “chegará com a ajuda (mensal) o mais breve possível”, devendo anunciá-la – provavelmente – na próxima semana.

A quem compete

Na visita a Campina, o governador foi instado – como era de se presumir – a falar sobre a crise no PSB.

Ele ponderou que “a crise tem que ser resolvida pelo partido”.

Efeito

Ao comentar a renúncia de Ronaldo Barbosa à direção do PSB/JP, Azevedo assinalou que era “consequência dessa ação impensada que foi tomada”, o que poderá se agravar com as anunciadas desfiliações de prefeitos e deputados.

Imutável

João afirmou que “a mudança na forma como as pessoas estão me vendo cabe a elas explicar, e não a mim. Eu não mudei”.

Prioridade

“Não tenho muito tempo para estar discutindo o que as pessoas acham ou pensam. Tenho uma missão a cumprir”, acentuou, para acrescentar que continuará fazendo “política com P maiúsculo”.

É só pedir

Sobre uma eventual audiência com o prefeito Romero Rodrigues (PSD-CG), Azevedo respondeu que “sou governador de 223 municípios, e jamais me negaria a receber quem quer que fosse. Do mesmo jeito quando vou a Brasília, com o respaldo dos votos dos paraibanos” para audiências no governo federal.

– O encontro de um governador com um prefeito de oposição não significa acordo político. É uma relação institucional. Quando solicitado, vamos atendê-lo – finalizou.

Aula de botânica: na Paraíba, girassol tem espinhos...
Share this page to Telegram

Arquivo da Coluna

Arquivo 2018 Arquivo 2017 Arquivo 2016

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube