Fechar

logo

Fechar

Arimatéa Souza

segunda-feira, 16/07/2018

Ensaio geral para a campanha

Todas as ´tribos´

O final de semana foi de intensa movimentação política em Campina Grande, com dois grandes eventos que reuniram aliados dos pré-candidatos a governador João Azevedo (PSB) e Lucélio Cartaxo (PV).

APARTE tem hoje uma edição especial, ampliada, com um resumo dos dois encontros, conservando a sua trajetória plural. É o que segue.

Socialistas

Com o clube da AABB recebendo um bom público, o PSB (e partidos aliados) realizaram na manhã do último sábado um encontro regional para ´aquecer´ a militância e filiados com vista aos processo eleitoral em curso.

Evocação…

Em seu pronunciamento, a ex-primeira dama de Campina Grande (e pré-candidata à deputação federal) Ana Cláudia Vital do Rêgo (Podemos) fez uma efusiva saudação ao governador Ricardo Coutinho.

… Ao timoneiro

“Esse mago trabalhador, um homem que veio fazer uma revolução histórica na Paraíba. Um homem determinado!” – exclamou Ana.

“Sou uma mulher que não fica em cima do muro”, grifou.

Expurgo

Após alfinetar a gestão atual da PMCG – “privatizaram o nosso São João” -, Ana Cláudia enfatizou que “não podemos admitir que os que votaram contra os trabalhadores (no Congresso Nacional) possam voltar”.

A “essência”

O orador seguinte foi o sindicalista (e ex-vereador campinense) Napoleão Maracajá (Rede): “Neste espaço – assinalou – está a Paraíba que deu certo. Neste espaço não está o passado representado por alguém, nem alguém que se parece com alguém. Aqui está a essência, porque João Azevedo é a essência de um projeto que deu certo, e que não pode ser interrompido”.

´Meu guru´

Igualmente pré-candidato a deputado estadual, o vereador campinense Anderson Maia (PSB) disse que “me espelho” em Ricardo Coutinho, “por ser um dos melhores políticos que o Brasil já teve”.

O socialista disse que Campina “saberá reconhecer o que Ricardo fez pela cidade”.

Avanço

Pré-candidato à deputação federal, Anderson Almeida (Podemos), ex-gerente da Casa da Cidadania em Campina Grande, realçou as qualidades de João Azevedo “um candidato altamente preparado, que vai avançar mais ainda nas obras iniciadas por Ricardo Coutinho”.

Desânimo

Ao usar da palavra, o empresário Artur Bolinha Almeida (presidente licenciado da CDL/CG e pré-candidato a deputado estadual pelo PPS) observou que o Brasil “vive um dos momentos mais difíceis de sua história, com mais de 15 milhões de pessoas desempregadas. A autoestima do povo baixa, falta de perspectiva”.

Gestor

Em seguida, Bolinha pontuou que “a Paraíba está fora desse contexto porque Ricardo Coutinho é um governador altamente comprometido com a gestão, com a governança e com perspectiva de trazer para nós, paraibanos, dias e um futuro melhores. E é fundamental que isso possa ter continuidade”.

Sucessão

“João Azevedo, sem sombra de dúvidas, é o melhor nome que a Paraíba tem, por ter sido peça fundamental nessa construção”, adendou Bolinha.

Dianteira

“Ricardo Coutinho – prosseguiu -, apesar de sofrer muitas críticas de que não fazia obras em Campina Grande, é o governador que mais investiu aqui em toda a história dessa cidade. Contra fatos, não há argumentos”.

Tática

Segundo o empresário, “o grupo político que hoje está na Prefeitura de Campina, é importante ressaltar, é useiro e vezeiro, como estratégia política, de tentar eleger os inimigos comuns para que todas as suas deficiências atribuam a esse suposto inimigo comum”.

´Blindou´

Artur realçou que Ricardo Coutinho conseguiu, “apesar das adversidades do cenário nacional, manter a Paraíba em um patamar diferenciado, fora da realidade de crise enfrentada pelo país”.

Sem freio

Em rápido discurso no evento socialista, o deputado estadual Doda de Tião (PSB) disse que o “projeto” administrativo comandado por Ricardo Coutinho “não pode parar”.

Continuação

“João Azevedo tem competência, tem seriedade para dar continuidade a esse trabalho que Ricardo faz há oito anos. Como deputado, eu tenho prazer de sempre votar nas matérias de Ricardo, porque vejo que é o melhor para a Paraíba”, acentuou.

Comparativo

Doda prosseguiu: “Veja como a Paraíba era há oito anos e como está agora. Ricardo fez mais em Campina do que um filho de Campina que era governador. Pode comparar”.

Embates

No seu pronunciamento, o deputado Adriano Galdino (PSB) disse que “falar em Ricardo é falar em obras que trouxeram qualidade de vida para todos os paraibanos”.

“Fez muitos enfrentamentos, acabou com muitos vícios, mas pensou, acima de tudo, no plural e no coletivo”, grifou.

Credenciais

Galdino enfatizou adiante que “temos, com certeza, o melhor candidato, que é o nosso João Azevedo”.

Dois…

Em seguida, alfinetou (sem citar o nome) Lucélio Cartaxo (PV): “Um cabra que é candidato porque é irmão de alguém que não teve coragem de sair da prefeitura para concorrer com João. Teve medo de João e não saiu da prefeitura da Capital”.

… Medrosos

O deputado socialista também mirou o prefeito Romero Rodrigues (PSDB), seu vizinho no bairro do Mirante, em Campina: “A vice (Micheline) é a esposa de alguém, porque o marido dela também não teve coragem de sair da prefeitura para concorrer com João. É uma chapa familiar, de interesses familiares. Nós somos diferentes. João tem competência técnica e política”.

Reminiscências

O deputado e pré-candidato a senador Veneziano (PSB) iniciou a sua fala recordando o apoio que obteve de Ricardo Coutinho no 2º turno da eleição de 2004, quando disputou pela primeira vez a prefeitura campinense.

Sem hesitações

“Não nos é dado apenas esse direito da escolha individual. Nos é dado e nos é exigível o dever que nós temos de multiplicar, porque nessa palanque não há razões para que nós nos acabrunhemos, porque nesse palanque nenhum tem razão ou motivo para se intimidar, para se inibir diante desse cenário tão turvo, tão delicado, de desesperança Brasil afora. Nesse palanque existem pessoas autorizadas para se comprometer com o futuro”, discorreu o ´V´.

Provado

O deputado pontificou que João Azevedo “carrega consigo o exemplo de já ter realizado ao lado de Ricardo”.

Por tabela

Adiante o deputado passou à ofensiva: “Existem representantes aqui de Campina que vão ser cobrados. Que receiam colocar o rosto pra fora, porque serão cobrados da impostura, da descompostura que tiveram no Senado”, numa alusão indireta ao senador Cássio (PSDB).

Vazios

Veneziano também mirou o pré-candidato a governador do PV, Lucélio Cartaxo: “Eles não têm consistência alguma. Não sai nada, a não ser a pergunta ´quem é João´. João é pé no chão. Discreto, mas extremamente eficiente”.

Modelo

Ao discursar no evento do PSB, o pré-candidato a governador João Azevedo disse que a sua eleição será “a maior vitória de um projeto. Não vitórias pessoais, mas o reconhecimento de tudo o que foi feito, da modificação conceitual de fazer política. É isso que nos move”.

Ativo

João disse que Ricardo Coutinho “demonstrou que política se faz com ações, com atitudes e com decisões. Não se faz política com discursos fáceis, que a população já cansou”.

Sem sobrenome

“A política foi criminalizada no País com outros objetivos. Nós entendemos que só existe uma forma de mudar a vida das pessoas: através da boa política, que pensa coletivamente, e não aquela política que pensa na família primeiro. Grupos se locupletaram aqui no Estado utilizando a estrutura do Estado em benefício próprio e de sua família”.

Aporte

Conforme o socialista, somam R$ 1,755 bilhão os investimentos realizados pelo Estado em Campina, ao longo dos últimos anos.

Cutucada

“Vale mais do que qualquer declaração de amor ou sorriso largo. Isso vale mais do que qualquer festa que se tenha feito”, cutucou João.

Concretamente

“O governo – avançou – demonstrou respeito a Campina, e não foi com verso e prosa, mas com determinação”.

Prenúncio

João Azevedo afirmou que “a velha política vai ser enterrada na Paraíba, definitivamente, em 2018”.

Extremo

O pré-candidato (e ex-secretário de Recursos Hídricos do Estado) recordou que “chegaram ao ponto (a oposição) de entrar na justiça para tentar impedir o governo estadual de tirar Campina do racionamento. Imaginem o absurdo! (…) Isso fez com que os agentes políticos do atraso se revoltassem”.

Desafios

Ao se dirigir a Veneziano, João disse que “você tem a missão de substituir Ricardo no Senado”.

E emendou: “Imagine a minha! Substituir o melhor governador que a Paraíba já teve”.

Palpite

Último orador do evento, Ricardo Coutinho prognosticou que Veneziano “vai ser o senador mais votado” da Paraíba, “e vai derrotar o atraso da política aqui dentro do Estado”.

Afinidade

“Companheiro de caminhada, nutrimos (RC e Vené) uma admiração profunda, um pelo outro”, registrou.

Permanência

“Eu tenho alguns desejos na vida. Quem de nós não tem? Talvez um dos desejos meu fosse tentar contribuir lá no Senado. Achei melhor não fazer isso (…) Resolvi ficar para garantir esse projeto”, declarou RC.

Escolha

“Eu fui em busca de quem pudesse representar esse novo momento que a Paraíba vivencia (…) Olhei para um lado e para o outro, e vi que não tinha outro nome capaz de derrotar aquele que envergonha a Paraíba no Senado (menção a Cássio), por suas posições, por sua mesquinharia”, fustigou o governador.

“Vené tem talento, compromisso e força política”, aditou.

Boicote

Ricardo disse que “eu governo a Paraíba, desde que tiraram Dilma, sob fogo cruzado”, e o senador ´tucano´ “conspira de manhã, de tarde e de noite para a Paraíba não receber um centavo sequer” do governo federal.

Conceito

“A história deles (oposição) é pequena, mesquinha. É a política da miudeza”, opinou.

Ao largo

O socialista afirmou que “não estamos passando pela crise (nacional), mas vencendo a crise”.

Sequenciar

Ele reafirmou que “preferi ficar (no governo) para garantir esse projeto”, destacando adiante que o seu governo “foi o que mais construiu estradas no Brasil nos últimos anos”.

´Enquadrar´

Noutro trecho de sua fala, o governador disse que “eu quero que João (Azevedo) enquadre aquele menino (referência a Lucélio Cartaxo).

“A Paraíba estará (com João Azevedo) nas melhores mãos possíveis. Não dá comparar”, adendou.

Revide

“Eles (oposição) vivem de factoides. Recentemente uma pretensa pré-candidata (referência a Micheline Rodrigues) criticou que não teriam sido repassadas verbas pelo Estado a uma instituição de caridade (de Campina) que cuida de crianças. E a PMCG há seis meses não dá 1 real a essa instituição (Casa da Criança Dr. João Moura). E nos últimos anos o Estado repassou para lá quase duas vezes o que a prefeitura transferiu”, discursou RC.

´Varrer´

O governador disse que “precisamos sepultar, de uma vez por todas, aqueles que acham que o povo é gado; aqueles que se acham donos de uma cidade inteira, como se a cidade fosse um curral”.

“Na política – prosseguiu -, quando você erra o troco tem que ser dado pelo povo, no voto”.

Resgate

O governador igualmente fez menção à resistência de setores da oposição campinense quando do processo de suspensão do racionamento d´água.

´Salvador´

RC se referiu ao setor municipal de saúde e observou que “se o Hospital de Trauma não existisse, não existiria saúde pública em Campina, porque a PMCG não consegue fazer. Acabaram com tudo”.

Família à frente

De acordo com Ricardo, “na política, a família não pode estar acima do povo. Eles (adversários) não acham isso. Não têm essa concepção”.

“Estão sustentando a política toda da Paraíba aqui dentro de Campina”, atacou RC.

´Profecia´

Na parte final de seu discurso, Ricardo Coutinho afirmou que “Campina vai ser fiel e reconhecer a postura de Veneziano”.

“Veneziano terá, disparadamente, a maior votação para o Senado aqui (CG)”, projetou.

Grande público

Ao cair da tarde, houve o evento do PSDB e partidos aliados no Garden Hotel, cujo Centro de Convenções ficou superlotado.

Irrecusável

Primeiro a falar, na condição de anfitrião, Romero Rodrigues tratou da indicação de sua esposa (Micheline) como pré-candidata a vice-governadora, frisando que “nós não podemos fugir à missão de defender a Paraíba”.

Firmeza

“Micheline está para contribuir”, sublinhou RR, para em seguida afirmar que “ela não vai ser subserviente em relação aos interesses de Campina, mas compreendendo o papel de vice-governadora”.

“Na defesa de Campina, não será uma figura decorativa”, reforçou.

´Prisão´

“As pessoas estão aprisionadas em suas próprias casas porque o governo não investe na segurança pública”, alfinetou.

Alto nível

O prefeito campinense prometeu na campanha “um debate saudável e respeitoso. E é isso que a gente precisa na Paraíba. Sempre nos respeitando. E é essa a Paraíba que queremos”.

União

“Estamos fazendo história, unindo João Pessoa e Campina a todo o interior da Paraíba”, completou.

Zerado

Romero relatou que administra a cidade há quase seis anos “e não temos um convênio sequer com o Estado”.

Empecilhos

“Se só não ajudasse, até seria muito bom. Mas além de não ajudar ele (Estado) atrapalha, colocando barreiras e disseminando mentiras, o que é uma característica muito própria do governador”, acentuou.

Aposta

Ao se dirigir a Lucélio Cartaxo, Romero afirmou que a cidade estava depositando nele “toda nossa confiança”.

Precedentes

“E Campina, infelizmente, ela foi colaboradora de muitas eleições na Paraíba. Campina já ajudou a eleger muitos. E, infelizmente, passadas as eleições, voltam os problemas com a falta de solidariedade e de retribuição à cidade”, recordou RR, reiterando que “nós depositamos a confiança da cidade em você”.

Extrapolou

“Esse governo (de Ricardo), sinceramente, não dá mais para continuar”, disse o prefeito, exemplificando com as dificuldades que o Estado teria criado no setor de saneamento básico para a conclusão do conjunto Aluízio Campos.

Festejos

“Além de não ajudar – continuou o prefeito – o Estado tenta desconstruir a imagem mais positiva de Campina fora da Paraíba, que é o Maior São João do Mundo”.

Contas

Romero sublinhou que “estou muito confiante de que vamos vencer as eleições”, e destacou que Lucélio vai ganhar na região metropolitana de João Pessoa e em Campina. E se ganharmos bem nas duas cidades, não tem quem tire a vontade do povo. É uma matemática muito simples”.

Basta

“Não podemos mais continuar excluídos do mapa da Paraíba e com esse tratamento desrespeitoso por parte do Estado”, acentuou RR.

Reeleição

Após ter concluído o discurso, Romero Rodrigues retomou instantes depois o microfone, pedindo desculpas por ter deixado de fazer menção ao senador Cássio: “É fundamental ter um extraordinário senador defendendo a Paraíba em Brasília”.

Recursos

Ele agradeceu as verbas de CCL, via Orçamento Geral da União, para obras de pavimentação na cidade.

Encargo

Segundo orador do evento, o prefeito pessoense Luciano Cartaxo (PV) disse que a oposição enfrentará nas eleições deste ano “um governo que não faz uma única parceria com as maiores cidades do Estado, o que nos leva a ter um desdobramento ainda maior no dia a dia para apresentar melhores resultados às nossas cidades”.

Chapa forte

Ele estimou “uma grande vitória, que vai mudar os rumos da Paraíba”, por “termos uma chapa extremamente competitiva, com dois nomes que representam a renovação do processo político da Paraíba”.

Duas…

“O prefeito Romero está fazendo uma administração de sucesso, vista a olho nu não somente na Paraíba, mas em todo o Brasil. É uma referência muito importante para todos nós.

… ´Âncoras´

“Em João Pessoa, nós estamos mudando a vida da população, cuidando da família e das pessoas. Esse é o grande desafio. Não basta a obra pela obra. O importante não é o tamanho ou o porte da obra, mas o significado que essas obras têm para mudar a vida das pessoas”, avançou o prefeito pessoense.

Insensível

Ainda Cartaxo: “É isso o que a gente quer: gestores que cuidem das pessoas, porque o governador não tem calor humano, não tem coração para cuidar das pessoas. Não queremos um gestor pura e simplesmente frio, que diga que fez obras, porque obras a gente também sabe fazer. Mas o diferencial é cuidar do ser humano”.

Caminhada

“Romero já fez a ´matemática da vitória´, que passa por cada um de vocês”, ressaltou.

Sem ´robô´

Luciano disse que “queremos um governo humanizado. Não queremos um candidato robotizado, de jeito nenhum. Vamos ganhar com humildade e equilíbrio”.

´Terno´

“Vencemos em João Pessoa em 2012 e em 2016. E vamos ganhar de novo em 2018, como temos certeza de que vamos ganhar em Campina e em tantos outros municípios da Paraíba”, encerrou o prefeito da Capital.

“Missão”

Em breve pronunciamento, Micheline Rodrigues, pré-candidata a vice-governadora, confessou que “é muito difícil estar aqui neste momento. Essa missão que foi dada jamais eu poderia me furtar. Uma missão difícil e árdua”.

“Mas trabalho pra gente nunca me assustou”, ressalvou.

Critério

Conforme Micheline, a candidatura de Lucélio ao governo “é um projeto que a gente imagina ser o melhor para a Paraíba”.

Entrega

Ela fez chegar publicamente às mãos de Lucélio um documento (do PSDB Mulher) contendo propostas “de políticas públicas” destinadas às mulheres, para que constem do programa de governo do postulante ao governo.

Gratidão

Micheline fez uma homenagem especial à ex-primeira-dama do Estado, Glória Cunha Lima (que estava no local): “Uma pessoa que eu admiro, com quem eu aprendi. Se hoje eu estou aqui, eu agradeço a ela – sempre e pra sempre”.

Ao lado

“As duas campanhas de Romero (para prefeito) foram muito difíceis, e se eu não tivesse o apoio, a companhia e a parceria dela (Glória) teria sido muito mais complicado. A gente tem uma gratidão que vai ser pro resto da vida”, reforçou Micheline, estendendo a homenagem à viúva do ex-deputado Rômulo Gouveia, Eva Gouveia (PSD): “Você conta comigo hoje e sempre, independente de cargo público”.

Saudade

Na introdução de seu discurso, o senador Cássio convidou os presentes ao evento para respeitarem 1 minuto de silêncio em homenagem ao ex-deputado Rômulo Gouveia.

“Ele está fazendo uma falta imensa nesse instantes”, salientou.

Reunificação

CCL fez uma invocação ao nome do encontro – ´A Paraíba que queremos´.

“É o desejo que nos une, que é voltar a ter a Paraíba inteira, completa, com seus 223 municípios. Eu acho que é esse nosso primeiro desejo: que a Paraíba volte à integralidade de seu território, banindo de vez a perseguição, o atraso, que caracteriza quem faz, do exercício do governo, um instrumento de discriminação, porque não é só Campina que está riscada do mapa do Estado”, verbalizou CCL.

Descumprimento

Conforme o senador, “o Estado deixa de cumprir contrapartidas obrigatórias, como farmácia básica, Samu e UPAs. Não falo nem de convênios”.

Propagação

O ´tucano´ externou a aposta na “multiplicação dos exemplos bem sucedidos” nas administrações atuais de João Pessoa e Campina Grande para os 223 municípios.

Só aparência

À sua ótica, o governo de Ricardo “é atrasado, ultrapassado, carcomido e envelhecido”, que com “um discurso de pseudo republicanismo persegue cidades e populações inteiras”.

Sufocante

Cássio também criticou o que chamou de “política equivocada de arrocho fiscal”.

“Quem é comerciante hoje na Paraíba compõe uma minoria perseguida”, atestou.

Dar atenção

“Obras? Todo governante faz”, ponderou o ´tucano´.

“Mas não basta governar dessa forma, é preciso cuidar das pessoas, ouvi-las, tratá-las com respeito e dignidade”, realçou.

Dever de casa

“O nosso desafio é mudar aquilo que precisa ser mudado; prosseguir o que vem dando certo; melhorar o que pode ser melhorado; e corrigir o que precisa ser corrigido. É isso o que nos une“, assinalou.

Cobrança

O senador observou que Lucélio “vem sendo cobrado, e não podemos atribuir a Lucélio o erro dos outros”, no que diz respeito aos compromissos para com Campina.

Doação

CCL prosseguiu: “As pessoas (aqui presentes) estão confiando em você para que esses erros do passado não se repitam. Essas pessoas vão entregar a você e a Micheline o melhor de suas energias. Não frustre nem decepcione essas pessoas. Você será o próximo governador da Paraíba, para fazer essas mudanças”.

Visitante

Uma surpresa no evento foi a chegada do vice-prefeito de João Pessoa e pré-candidato a senador Manoel Júnior, filiado ao PSC, uma legenda que ainda (oficialmente) não se definiu em termos de coligações.

Indicativo

Ele disse que as eleições municipais de 2016 mostraram que “o povo paraibano sinalizou que este governo que aí está, que essa proposta que aí está, envelheceu e já não representa mais os anseios do cidadão”.

Predomínio

“Nas últimas eleições, das 20 maiores cidades, as oposições venceram em 14. As oposições têm uma missão importante: apresentar ao Estado um projeto de reunificação”, argumentou o vice.

Na trincheira

Manoel Júnior avisou que não estava ali em nome do partido ao qual é filiado: “Não venho aqui hoje em nome do meu partido, porque as definições partidárias serão definidas nos próximos dias. Mas quero dizer que estarei junto com as oposições neste Estado, atendendo o convite do prefeito Romero e do senador Cássio”.

Disposição

“Eu vim aqui dizer que a sorte segue a coragem. E se tem uma coisa que esse pedrafoguense (natural da cidade de Pedras de Fogo) tem é coragem. Vamos com coragem à vitória do povo paraibano, derrotando a prepotência e o arbítrio”.

Olhar adiante

No discurso de encerramento do evento, Lucélio Cartaxo disse que “estamos aqui para pensar os rumos da esperança para a nossa Paraíba”.

À vontade

“Quero dizer que quando estou em Campina, eu já me sinto em casa”, acentuou.

Mesma tecla

Ele repisou a crítica da falta de parcerias com o Estado: “Aqui ninguém sabe o que é ser parceiro com o Estado”.

Insuportável

“Isso é a velha política, a Paraíba não pode mais suportar isso. Queremos uma Paraíba que pense adiante, olhe o futuro e possa respirar novos ares”, proclamou o postulante.

Descrença

Lucélio enfatizou que “não acredito em governo de um homem só”.

“Aliás, não acredito em nada na vida de uma pessoa só”, temperou.

Abordagem

O pré-candidato relatou que recorrentemente, nos contatos que tem mantido com a população campinense, uma pergunta se repete: ´Lucélio, você não vai fazer como esse governador, que deu as costas para Campina? Cuidado com a responsabilidade. Campina vestiu a camisa e o resultado você está vendo aí. Cuidado com o que você vai fazer´.

Individualidade

“Estou aqui para dizer, olhando para o olho de vocês, que não posso ser penalizado pelos erros dos outros. Se o outro não teve a dignidade e a honradez de cumprir os compromissos com Campina e a Paraíba, comigo, podem ter certeza, será totalmente diferente. Vamos fazer um governo para os 223 municípios”.

Mais brasas na fogueira

Em tom incisivo, o pré-candidato se reportou ao episódio das ´agulhadas´ no Parque do Povo, durante o Maior São João do Mundo: “Ninguém aqui é menino. Foi tudo armação o que aconteceu no Parque do Povo. Todo mundo aqui sabe de onde partiu. Foi a tentativa de querer tirar o brilho do São João”, acusou Lucélio.

– É importante que o governo do Estado, não só do ponto de vista orçamentário, mas que esteja presente para demonstrar a importância que tem a festa. É impossível você imaginar que em 30 dias o governador não botou os pés no Parque do Povo – acrescentou Lucélio, prometendo que “a briga pela briga” está com os dias contados na Paraíba”.

PSB novamente no ´altar´, à espera do PP/PB...
Share this page to Telegram

Arquivo da Coluna

Arquivo 2019 Arquivo 2018 Arquivo 2017

2018 - Paraiba Online - Todos os direitos reservados.

BeeCube